Menu:
13/nov

Como combinado, estou aqui para fazer um breve relato sobre minha experiência com relação ao NaNoWriMo. Admito: achei que seria muito mais difícil. Bom, se você tem um plot na mente há muito tempo – algo que eu não tinha – desenrolar a história e atingir a marca das 50.000 palavras seria como gargalhar diante de uma situação ridícula de tão fácil.

 

Eu comecei com cinco dias de atraso e tive que correr atrás do prejuízo. Eu me esqueci de anotar quantas palavras fiz no dia 05, que foi quando comecei, mas acho que parei perto das 10.000 mil palavras. A partir daí, aproveitei o silêncio da sala de onde eu trabalho e digitei mais e mais, descontrolada, pois as ideias afloravam e eu tinha medo de esquecê-las.

 

Pensar em uma trama não é tão complicado para mim, mas o problema é dissolvê-la da mente para o papel e depois para o Word. Eu tenho certa dificuldade em começar (como também para finalizar), mas quando digito as primeiras palavras, me descambo a escrever. A ideia pode ser master imatura de início, mas depois dou meus pulos para que ela fique mais decente.

 

Se é que posso dizer isso, mas enfim. Tenho até medo de pensar na possibilidade de reler a história que está em criação, pois, geralmente, invento umas coisas que desacredito.

 

Mas essa é a graça, não é?

 

De início, eu queria escrever uma comédia por ser algo mais suave. Tudo porque trabalho em outro plot e não queria ter um colapso mental a ponto de começar a confundir as histórias (junto a isto, escrevo duas fanfics. Uma está prestes a terminar e a outra está em andamento #vício). O começo foi complicado por ter que pensar no que eu escreveria e, como não queria perder muito tempo com tramas mirabolantes que me fariam desanimar muito fácil, optei pela risada, mas acabei dando forma a um romance.

 

E foi então que comecei, sem olhar para trás, e determinada a sair do atraso de 5 dias. Haley é minha garota e Daniel é meu garoto. E tem a melhor amiga chamada Chloe. O trio está em Nova York, mas mora em uma cidade litorânea (nada de Carolina de Norte, por favor. Tive que parir um nome e inventar todo o cenário. Outra parte difícil de criar ao se arriscar a escrever em 30 dias). Palavras vem e vão, até que resolvo inserir uma tragédia. Eu tenho uma queda por tragédias, mas fiquei com medo de escrever o incidente por ser polêmico, mas fiz mesmo assim.

 

A partir daí, me empolguei. Eu sou daquelas com personalidade trágica, então, se não tivesse algo realmente triste ou perturbador, a história não seria minha e ela não engataria. É como se ela ficasse vazia, sabem? Mas Haley e Daniel estão bem, progridem todos os dias, e eu já me apaixonei por mais um casal de minha autoria. Carência descontada em personagens lindos, domino esta arte.

 

Para quem não tinha nada no começo, passei da metade das 50.000 palavras exigidas no NaNoWriMo na semana passada. Confesso que não esperava, até porque sou preguiçosa, por mais que ame escrever a todo instante e a todo momento. Os resultados parciais disso tudo são a tendinite atacada, os músculos dos ombros tensos e doloridos, e a certeza de que no final do ano o oftalmologista terá que me atender.

 

Fecho este post com 34.319 palavras, mais título e sinopse provisórios, sendo que comecei este pequeno projeto chamando-o de Something. Agora, ele tem uma carinha melhor:

 

 

A night in New York can change the life of a girl forever. The only thing that she has is an inspiration and a love she didn’t expected.

 

Está tudo em inglês porque o site é em inglês e eu quis fazer charme #randomtroll. Quis pagar de Nora Roberts.

 

Bom, vejo vocês na semana que vem com mais resultados deste desafio tão divertido.Para mostrar como sou muito boazinha, segue meu trecho preferido até agora (o NaNoWriMo ignora revisões Hahaha):

 

“– Não desistir de mim mesmo. Daniel não olhou para ela quando falou, mas sabia que efeito isto causaria na mente dela. – Não digo que você foi minha heroína ao demonstrar que um momento ruim muda tudo e nem que você foi responsável por isso. Tipo, não quero dizer que seu péssimo momento me inspirou – ele parou. – Eu só não esperava que, de todas as pessoas, você fosse aquela que caísse tão fundo na descrença de conseguir algo que gosta. Mesmo sendo briguenta, você sempre foi espirituosa.”

 

Daniel, já te amo! ♥

 

Crédito da imagem principal: NaNoWriMo

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3