Menu:
24/jan

Passada, chocada e pretérita com este episódio de Pretty Little Liars. Finalmente, senti aquilo que faltava quando assistia à série, um misto de sentimentos como angústia, desespero e aflição. Sem contar meu coração na garganta devido às cenas estrondosas que geraram vários solavancos no estômago. Arrisco a dizer que este episódio seria algo digno de Dia das Bruxas, o melhor da temporada, com todo aquele clima de trevas que faltava em PLL. Foi tudo muito digno, lindo de se assistir, e estou estarrecida até este presente momento com um grande sorriso de satisfação no rosto, misturada à tristeza de ver Spencer Hastings, minha personagem preferida, em queda livre.

 

Mas, antes de falar dela, vou comentar um pouco das storylines mais pertinentes do episódio. A começar por Meredith. Era óbvio que ela defendia Byron e que aquele chá dado à Aria era feito à base de drogas. Já no começo do episódio, a situação deplorável da liar coloca a pseudo-confiança na mulher em risco. Ela se colocaria à frente do pai da garota de qualquer jeito, só não esperava que fosse sem o consentimento dele. Eu criei uma caricatura maléfica para Byron e não consigo confiar nele, apesar de ter certeza de que o homem não machucaria a filha. Bom, pelo menos é o que se espera de um pai, mesmo que o personagem não tenha o melhor dos antecedentes. Meredith fez um bom trabalho ao apavorar Aria para tentar defender sua obsessão amorosa. Amanda Schull sabe fazer mulheres desvairadas, quem assistiu One Tree Hill sabe disso, e não teve como não temer o futuro da adolescente nas garras dela.

 

Aria serviu de escudo o episódio inteiro, o anjo da guarda das tais páginas do diário de Ali. O fim da picada foi a personagem ter sofrido para os papéis terminarem queimados. Mas o pico do plot da liar foi seu encontro imaginário (ou não!) com Ali. Eu acredito que ela possa estar viva, como também creio que poderão usar a tal irmã gêmea dela. Me pergunto onde está CeCe. As sombras de A perambulam em Rosewood e Ali afirma que as vê em todos os lugares. Isso nos leva à Hanna, seguida pela modelo misteriosa e vigilante de Vivian Darkbloom, vendo-a no reflexo da vitrine da boutique, com seus cabelos loiros (não era morena?) e ondulados, e o sobretudo vermelho. Eu até cheguei a pensar em Meredith, porque o estilo de cabelo é muito parecido, mas seria surreal demais a mulher, de repente, ser mandante do “A” Team. Ela está mais para assassina da Ali isso sim. Depois desse episódio, a colocaria fácil, fácil na lista de suspeitos, até porque ela não hesitou em machucar Aria para proteger Byron.

 

Ali deu mais pano para a manga para quem acredita que Aria faz parte do “A” Team. A falecida deixou bem claro que a liar sempre foi sua escolhida. Para quê? Eu fico com faniquito com tantas indiretas em direção à personagem. Depois da bota, agora essa. Como afirmei em outras reviews, acharia demais se Aria estivesse no grupo, pois daria um buzz surpreendente para a trama. E, outra, a amizade do quarteto é muito perfeita e uma delas precisa se render à traição. Sempre tem uma amiga que fica meio cega e faz tudo para manter a amizade ou aparecer mais que a outra. Aria pode não aparentar agora sua suposta malvadeza, mas, se pensar bem, Ali e ela formaram o alicerce mais forte. A líder do quarteto sempre brigava com Spencer, Emily era boba e Hanna tinha seus problemas alimentares para se preocupar. Aria sempre foi a liar mais sossegada da trama.

 

Alguns comentários sobre o plot da Aria: só no mundo da Alice uma mãe não visitaria a filha doente, né? Ella, do nada, resolveu confiar em Meredith, como se ela nunca tivesse dormido com o ex-marido, e se contentou em ligar para a filha, sem ser atendida. E nem surtou! Que tipo de mãe é essa? E, o mais bizarro, é que Ella não suspeitou de nada. Outro fato absurdo que aconteceu na série foi a cena de Hanna e Emily, quando ambas entram no porão dos Montgomery. As duas. Ao mesmo tempo. Confiando em Meredith. As pessoas confiam umas nas outras muito fácil em PLL. Bem que todos deveriam ser que nem Caleb, o personagem mais realista e desconfiado até então.

 

Spencer descobre Toby

 

Agora, a parte tensa e triste: Spencer e Toby. O casal foi o foco principal e, quando vi a promo deste episódio, comecei a roer as unhas antes da hora. Toby, por que você faz isso? Realmente, a miséria ama companhia e nada mais justo que incitar isso por meio de um coração partido. Spencer sempre foi o lado mais forte das liars, a durona, a competidora, a investigadora, a inteligente, a garota que nunca tropeça e falha e muito menos desmorona. O golpe da revelação do namorado como membro do “A” Team não poderia ser em um momento mais oportuno: o aniversário de namoro. Pode puxar os cabelos e arrancar os olhos?

 

Resgatando um pouco a história Spoby, ela começou conturbada e meio que com um “Q” de proibido. Afinal, Spencer nunca confiou nele e nem se escondeu quando o acusava pela morte de Ali. O relacionamento deles foi construído pouco a pouco, saiu da aversão até ela dizer que o ama, toda frágil e rendida a um garoto que ela achava que conhecia. O pacote Spoby foi bem montado, de maneira que os fãs se apaixonassem junto com os personagens. Vivemos todo o namoro deles, passo a passo. Ela tinha medo de se afundar na relação e ele aparentava não estar muito certo disso, antes de sabermos que ele era parte do “A” Team.

 

Toby se apresentou como o culpado e torturado, que ficou em prisão domiciliar, que era assediado pela meia-irmã e que foi destruído quando voltou à escola. Tudo de ruim aconteceu com ele e isso gerou carisma e solidariedade que se intensificou quando se envolveu com Spencer, a garota que deveria ser sua salvadora. Lembro como se fosse hoje, em papo com a minha irmã, do momento em que comentei sobre Marlene jamais colocar Toby como parte do “A” Team, horas antes de assistir ao episódio BetrAyal. Ele não tinha estirpe de maluco e fiquei simplesmente horrorizada com o que aconteceu.

 

Spoby é o casal (ou foi) mais forte de Pretty Little Liars. Realmente deu para sentir que Toby gostava de Spencer e vice-versa, mesmo que fosse fake da parte dele o tempo todo. Ele nos fez acreditar que um amor existia ali e a primeira vez deles só intensificou os sentimentos, que me divide entre gostar dele e odiá-lo. E esse será os sentimentos que Spencer terá que duelar daqui para frente. É sempre assim, a mágoa sempre vem daquele que se menos espera, e não tinha como saber da má índole de Toby. Ver Spencer descobrir que o namorado é aquele que ajudou a planejar a destruição dela e das amigas é como arrancar o coração inteiro e jogar no lixo. Na hora que ela reconheceu a chave que Hanna deu a ela, senti meu estômago embrulhar, pois ali a liar sabia que o cara que gosta é uma falcatrua. E, depois da fake ID dele, tudo desmoronou.

 

Mas nada machucou mais que ver Spencer se humilhar no final do episódio ao chorar na porta do apartamento de Toby. Todas as suas defesas esvaíram pelo ralo, pois ele era seu alicerce quando A atacava. Foi triste, muito triste, e eu esperava esse comportamento por parte dela desde que Toby foi revelado. Até esperava algo pior, como uma revolta e tudo mais, por ela sempre se passar por forte, mas nessas horas não dá para raciocinar, a vontade de reagir não acontece e só resta chorar e se perguntar por que a pessoa que mais ama te traiu. Pela próxima promo, acredito que haverá mais surpresas para Spoby. Quero muito saber como Toby agirá de agora em diante e a reação de Mona sobre a descoberta do parceiro pela mais impiedosa das liars.

 

Falando em Mona, ela apareceu pouco, mas o suficiente. Ela deu uma dica de que a mandante do “A” Team é uma mulher. Eu não consigo pensar em mais ninguém a não ser Aria, mas a falta de envolvimento dela, como aconteceu com Toby, a deixa como uma pessoa praticamente impossível de trair as amigas. Mas essa é a fachada, né? No sonho de Aria, Ali diz que vê A em todos os lugares e que admirou Spencer por não ter descoberto Toby. Depois, emenda no fato da liar ser escolhida. Ah! Meu Deus! Não aguento mais todo esse suspense.

 

Ainda tem muita coisa para rolar, pois esta temporada de Pretty Little Liars se aproxima do fim. Fiquei curiosa para saber com quem Melissa falava ao telefone no relato de Byron, pois não frisaram esse comportamento só por frisar. Eu sinto falta da personagem na série, assim como Jenna que já deveria ter dado o ar da graça de novo. E qual é o plano dos namorados protetores aka Paige e Caleb? Não vou muito com a cara da namorada da Ems, mas o boy da Hanna vai arregaçar as mangas para proteger a liar (de novo), talvez, até que Mona pare de respirar. Fico imaginando a cara dele se chegar a saber do Toby…

 

Enquanto semana que vem não chega, Mona bem que poderia me convidar para bebericar uns bons vinhos e comer uma boa lasanha, ao som de música clássica, né? Pessoa fina é outra coisa!

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3