Menu:
31/jan

Literalmente, foi tudo um inferno para as liars neste novo episódio. Se as coisas já estão horríveis, a tendência é levar todas ao limite da razão até chegarem à encruzilhada para abraçar o demônio mais próximo que, sem dúvidas, é a galera do “A” Team. Esse caos em Pretty Little Liars, que deixou meu coração na mão de muita tristeza e expectativa, é um provocador para o season finale que se aproxima. Assim, reapresentar os personagens que só deram as caras no começo da temporada e citar outros foi um indício de que, possivelmente, teremos um final arrebatador. E seria bem merecido!

 

No geral, este episódio foi um destruidor de corações. Ainda bem que deram uma folga para Mona e Toby que, desmascarados, perderam totalmente a graça. Pelo visto, quem assumiu os trâmites de aterrorizar as liars é a mestra do “A” Team que voltou a agir com glória, ao dar sinal de vida para a primeira vítima antes da temporada acabar: Aria. Foi sacal a jogadinha da sms para Spencer com a assinatura da liar. Contudo, não achei que Ezria fosse ter uma pausa tão cedo. Está certo que o professor estava fora da trama há muito tempo e este foi um momento propício para descartá-lo, pois é preciso dar espaço àqueles que possuem muitas respostas para dar.

 

Wilden voltou com a maior cara de pau e interpretou o bom samaritano para a mãe de Emily (qual é o objetivo da mulher na delegacia? Não fez sentido, mas beleza!). O policial comeu pelas beiradas como sempre para ter uma brecha para entrar no mundo das liars. Claro que ele conseguiria o caderno mágico de Biologia da Ems, onde ele é retratado como o gato sarado que possivelmente engravidou Ali. Esse papo de gravidez foi meio barra pesada, até porque não há uma motivação concreta para o assassinato da little bitch. Mas foi bom resgatar a velha guarda de Rosewood por meio dele, ainda aguardo o retorno de Melissa que ficou só na citação. Sabia que a participação dela na memória de Byron teria alguma utilidade. A irmã de Spencer é um baú de segredos e ela já tinha que ter aparecido desde a morte de Garrett.

 

O caderno de Biologia surgiu que nem coelho da cartola. A maior falha de PLL é encontrar soluções no meio do nada para fazer as liars trabalharem (alguém ainda recorda do apagão da Emily que, teoricamente, era a pauta principal da série?). Será que ninguém nunca viu o caderno rabiscado por Ali? Ems o emprestou para a garota, tudo bem que não houve afirmação de devolução, mas ele não ficaria para sempre aos cuidados da loira. Cartões de aniversário faz sentido, mas um caderno? Que nem diário é? Pelo menos, ele serviu para alavancar a preocupação das meninas que se intensificou com a suspeita de gravidez da víbora. Sinceramente, esse fato era o que faltava no plot de Ali, pois ela nunca foi santa. Mas não acho que ainda seja a causa principal da morte dela, mas não deixa de ser um fator dentre tantos que envolvem esse mistério.

 

O mais lindo da presença de Ali foi o flashback que envolveu Toby. Ela não segurou a onda nem com o meio-irmão de Jenna, né? Era preciso criar uma conexão entre os dois personagens e Marlene deve um episódio que explica o porquê de Toby ser do “A” Team. Não acho que tenha sido só o fato de Ali tê-lo acusado junto com as amigas sobre o Jenna Thing. Deu a entender que ele não fazia parte da equipe A quando a garota estava viva, então, há uma motivação que está em segredo. Os bilhetes jogados na cara dele foram sensacionais, sem contar a proatividade dele em querer se alistar para ajudar no rebuliço contra Ali e as outras liars. Deu para ver o asco que ele sente pelas meninas e a vontade de destruí-las.

 

Que barra a da Spencer, né? Por mais que Ali tenha sido a pauta, o episódio pertenceu à minha liar favorita. Foi simplesmente de doer o coração vê-la tão destruída. A cena de abertura Spoby me fez quase jogar um sapato na televisão. Por que você fez isso, Toby? Spencer não merecia um golpe tão baixo, por mais que houvesse a necessidade de desequilibrá-la. Ela sempre foi o elo mais forte do quarteto, a mais decidida. Sem ela, o trio não é nada. Quando ela consegue sair do vício de roubar os namorados de Melissa e consegue um namorado aparentemente perfeito, veio uma punhalada nas costas. Não há quem resista!

 

Troian é uma atriz teen (que de teen não tem nada porque ela tem minha idade) que cresce cada vez mais na série e isso é nítido ao longo das três temporadas de PLL. Lendo algumas entrevistas, ela comentou que a nova fase de Spencer seria absurdamente intensa e, neste episódio, não ficou dúvidas sobre isso. A liar ainda gosta de Toby e lutará contra este sentimento para pôr fim ao seu tormento. Ela precisará tirar força de onde não tem. Não a julguem por ter agido como uma tresloucada contra as amigas, pois foi a defesa dela contra a dor e a vergonha de estar destroçada (e ter sido traída). A personagem teve todo direito de ser ácida, petulante e mordaz. Deixem ela!

 

Os diálogos da personagem funcionaram melhor que tapas na cara. Spencer acabou com Emily ao dizer que precisava saber a hora de parar de caçar A e desmoronou ao ler que Toby e Ali chegaram a se falar sobre o/a grande vilão/vilã da história no caderno. Mas nada se equiparou a atitude dela com Ezra que demonstrou o quanto Toby a afetou, o que é uma novidade, pois a liar sempre foi um muro insondável. Ela apareceu abatida e descabelada, magoada e destruída. Spencer nunca saiu do controle e foi ótimo e ruim ao mesmo tempo vê-la lutar contra si mesma e contra a pessoa que quer eliminá-la. Agora, ela precisa reagir e arregaçar as mangas para bater de frente com A.

 

Finalmente, Spencer mostrou resquícios de cansaço e não hesitou em levantar a bandeira branca em sua crise de loucura. O que foi a cena do carro, gente? Simplesmente amei essa parte, pois mostrou o autocontrole que ela tentou buscar para seguir em frente, que conflitou com a necessidade de perfeição e a falsidade em querer transmitir que está bem, demonstrada no ato de se maquiar. Mesmo fora do trajeto, Spencer continua a ser a melhor personagem de PLL e eu espero que ela tenha uma boa recompensa no final da temporada.

 

Além de ter me remoído por Spencer, fiquei com dó da Aria. Sei que reclamei bastante sobre o envolvimento dela com Ezra, por ser melado demais, mas ela sustentou uma carga que uma garota adolescente jamais conseguiria abraçar. Há sacrifícios que fazemos por amor sem ter certeza se receberemos honrarias e Aria terminou o dia sem o namorado por achar que o protegia. Pelo menos, Ezra não foi um ogro com a liar. Jamais seria, né? Ele teve direito de ficar chateado pela omissão da informação sobre o filho. Agora, o casal será testado e vou achar a maior injustiça do universo se ele largar Aria para ficar com Maggie. Afinal, a liar pode ter escondido a fofoca, mas foi a ex que vivei na surdina e não é certo ele largá-la só porque tem uma criança em jogo. Mas, ele chorando no final, deu a sensação de que Ezria vai ficar no congelador por um tempo.

 

Emily só serviu para trazer CeCe para o foco da situação de Ali. Ela não fez nada de interessante, esperava mais, mas não dá para pedir personagens bons tudo de uma vez. Eu ainda acho que ela é irmã da Ali, só digo isso! Enquanto Ems tentava ajudar as amigas, Paige safadinha estava nas boates lésbicas da vida. O que foi a Hanna na balada, gente? Eu ri demais, especialmente quando ela ganhou a bebida. Mas continuei curiosa para saber o que Caleb incumbiu Paige a fazer contra Mona, pois ela não estaria em uma boate gay para nada. E, outra, não acredito em traição por parte dela, até porque Ems comeu o pão que o diabo amassou com Maya.

 

Os pais dessa série estão muito chatos, diga-se de passagem. O único que acho bacana é o pai da Emily e ele deveria passar mais tempo com a filha. Nem preciso comentar nada sobre Byron, né? Ele fala com Aria como se ela fosse filha única. Mas, gente, cadê o Mike? É como se ele tivesse sido engolido por uma força maligna. Bom, depois do descaso de Ella com a filha doente, era de se esperar que o garoto fosse ignorado.

 

Agora, para tudo que Vivian Darkbloom tem as bonecas das Spice Girls na forma das liars. Já perceberam que é sempre a Hanna que tem que dançar primeiro? Foi demais a cena da mestre A, com suas unhas rosas, queimando a boneca dela. Alguém percebeu alguma diferença na organização dos brinquedos da pessoa misteriosa? Ai! Não quero nem pensar o que ela fará com Hanna, sério!

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • Anônimo

    Com certeza, livro fantástico, e um dos meus preferidos