Menu:
27/mar

Hoje é dia de música aqui no Random Girl como afirma a etiqueta do blog. Faz tempo que não falo nada sobre o assunto e, confesso, que ano passado estava mais empenhada. Porém, voltei com as terças-feiras musicais. Todos prontos?

 

Minhas aventuras musicais acontecem no período de trabalho, pois enjoo de ouvir a mesma coisa com extrema rapidez. Na semana passada, com aquele cansaço impregnado no corpo, eis que uma tal banda chamada Dead Man’s Bones veio ao meu encontro. Fui atraída logo de cara pelo som folk, com um vocal supercalmo, a cara de dias frios.

 

O surreal foi a presença do coral muito forte e sensitivo de crianças que rendeu um amor à primeira vista. Decidida e já apaixonada, joguei o nome do achado no Google e me deparei com a seguinte informação: o projeto musical tem dedo do ator Ryan Gosling.

 

Imaginem minha cara ao saber disso. Como ninguém me falou que o Ryan Gosling tinha uma banda tão incrível?

 

O Dead Man’s Bones está na ativa desde 2008 e se divide entre alguns gêneros que gosto bastante de ter como companhia diária, que é o indie rock e o indie folk. A banda é formada por Ryan, aquele lá de Diário de uma Paixão, e Zach Shields. Gosling atende pelo codinome Baby Goose e já fez algumas apresentações na gringa com o companheiro de palco bastante interessantes.

 

Além das batidas musicais que dão vontade de sair aos saltos pela casa ou realmente se deprimir e pensar na vida, o que chama atenção em cada acorde da banda, além das vozes de Gosling e Shields, é o coral formado por pequeninos do Silverlake Conservatory Children’s Choir que está presente em todas as músicas e, o mais sensacional, é que ele foi formado com a ajuda do Flea, aquele do Red Hot Chili Peppers.

 

O encontro da dupla aconteceu em 2005, quando Ryan ainda namorava Rachel McAdams (por que terminaram?). As motivações para a formação da banda é bem sinistra. Gosling e Shields se uniram pelo gosto comum por elementos sobrenaturais, base do Dead Man’s Bones. Posso com isso?

 

A partir daí, ambos decidiram escrever músicas românticas com base em monstros, fantasmas e zumbis, onde algumas canções são bem sombrias, meio góticas com um toque folk – basta ouvir Werewolf Heart.

 

Em 2008, a banda começou a se divulgar no querido Myspace e lançou o single In The Room Where you Sleep, cujo vídeo foi filmado no último dia de gravações com o coral de crianças. O primeiro álbum do Dead Man’s Bones, que levou o nome da banda, saiu em 2009, com um novo single para divulgação, Name in Stone. No mesmo ano, com clima de filme de suspense, Gosling e Shields investiram em uma turnê no Dia das Bruxas. Imagino que tenha sido sensacional.

 

O objetivo principal do Dead Man’s Bones quanto à sonoridade era manter os acordes mais reais possíveis. Isso quer dizer que ambos não ligam em mostrar limitações com relação aos vocais e a determinados instrumentos musicais. Gosling e Shields queriam algo bem sujo, como o som do The White Stripes, e se saíram muito bem.

 

Para alcançar os desejos mútuos, ambos inventaram algumas regrinhas de produção: nada de guitarras elétricas, nada de mais de três tentativas de gravação e os dois seriam responsáveis por tocar os instrumentos.

 

O resultado disso, vocês podem conferir no vídeo abaixo:

 

 

Ao longo de algumas músicas, os vocais ganham entonações mais pesadas e toda a imperfeição dos instrumentos musicais torna a musicalidade saída de um filme trash. O projeto chegou a ser comparado com o do Arcade Fire pela crítica musical americana. Então, quem curte esse tipo de som, provavelmente vai se entregar ao Dead Man’s Bones, como aconteceu comigo.

 

O gosto por coisas assustadoras até que deu muito certo. Toda a receita para um desastre, como bandas adolescentes de garagem que acham que fazer um gutural é realmente incrível, foi a fórmula que deu certo para Shields e Gosling.

 

Além de ter engrandecido como ator, Gosling também demonstrou ser um bom músico. Além de cantar, ele se arrisca no piano, no baixo e na guitarra. Posso me apaixonar mais? A brincadeira de falar sobre o sobrenatural e aceitar os erros de acordes tornam o Dead Man’s Bones aquele achado musical incrível, com direito a sentir ciúmes.

 

Faixas de destaque: In the Room Where You Sleep, Lose Your Soul, My Body’s a Zombie for You, Pa Pa Power.

 

Imagem: divulgação | Vídeo: hospedado no YouTube, portanto, pode sair do ar a qualquer momento

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3