Menu:
29/mar

Os Instrumentos Mortais ainda não é muito popular aqui no Brasil (constatei isso no Dia do Fã), mas no circuito cinematográfico e livreiro internacional, ele é muito conhecido e tem uma base de fãs bem sólida. Quem nunca ouviu falar de Cassandra Clare é capaz de ser atingido por uma lâmina serafim.

 

Como já comentei aqui no Random Girl, este ano o cinema será dominado por adaptações que representarão várias comunidades enlouquecidas e ansiosas de fãs que ocuparão a melhor fileira para conferir os amados livros ganharem vida nas telonas.

 

No caso de Os Instrumentos Mortais, esse tipo de comportamento não será muito diferente. A obra é um best-seller mundial e, em agosto, terá a adaptação do primeiro livro, Cidade dos Ossos, nos cinemas. Fãs apaixonados por histórias de fantasia podem até encontrar afinidade com Clary e companhia, mas a realidade é que o fandom, em geral, precisa se alimentar de algo novo todos os dias.

 

Um exemplo disso vem com o término da saga Crepúsculo e, mesmo com Jogos Vorazes, há pessoas que procuram preencher o vazio de Edward e Bella em novas obras YA para criar vínculos com outro fandom. Todo mês, aparece uma história diferente no mercado livreiro. Ela mal respira e já ganha um roteiro adaptado para o cinema. Nesse corre-corre, as comparações são inevitáveis.

 

Quem não se lembra das brigas incessantes entre os pottermaníacos que batiam o pé quando Harry Potter era comparado com Crepúsculo? Ok! Já escuto burburinhos, mas as comparações são as únicas formas de criar buzz, de forma que os fãs trafeguem de um lado para o outro.

 

Se não houvesse essa comparação entre Harry e Edward, a obra de Stephenie Meyer não teria ganhado um pouco mais de força ao lado da publicidade em cima da obra. A mídia adora ver a fogueira ganhar força ao fazer matérias que comparam uma saga à outra.  Eles não estão nem aí se os fãs gostam disso e tenho certeza que os envolvidos amam ler os comentários para rir dos mais ferrenhos que escrevem teses para defender aquilo que amam.

 

A despedida de Harry Potter completará dois anos em breve e quem ficou no centro das atenções para ocupar o vácuo foi justamente Crepúsculo. Não é uma questão de gostar ou não, de citar que uma coisa não tem nada a ver com a outra. É tudo uma questão de marketing. A mídia sempre buscará o “novo sei-lá-o-quê”, pois faz parte das táticas de divulgação. Se um fã concorda ou não, isso é indiferente. Publicações como o Examiner adoram fazer esse tipo de coisa e ele engatou um comparativo entre Crepúsculo e Os Instrumentos Mortais.

 

A matéria do Examiner já gera calafrios com o título: “12 razões que farão os fãs de Crepúsculo adorar (ou amar) Os Instrumentos Mortais”. Eis mais um processo de transição prestes a ganhar forma, onde a meta é tirar os fãs do Edward para brincarem de serem Caçadores de Sombras. Ano que vem, esse público transitará em massa em direção a qualquer outra saga, e assim segue-se a vida do fandom, onde as obras serão comparadas em um ciclo sem fim e os fãs procurarão novos lares.

 

Já que o papo é Os Instrumentos Mortais, eis aqui os 12 motivos pontuados pelo Examiner que fará você, fã de Crepúsculo, amar a obra da Cassandra Clare (ou não!), como também gerará uma possível indignação entre os fãs dos Caçadores de Sombras.

 

Confiram a adaptação do texto comparativo com relação às duas sagas:

 

1. Jamie Campbell Bower: o ator tem os dois pés fincados na saga Crepúsculo por ter feito Caius. Até aí, tudo bem, ele também fez uma pontinha em Harry Potter. Mas o site ressaltou a transformação física do ator para dar vida a Jace Wayland, personagem de Os Instrumentos Mortais, que o distanciou da versão vampírica vivida na adaptação da obra de Meyer (e isso foi breve, hein?). Agora, Jamie é o centro das atenções, pois o papel do herói pertence a ele. De acordo com o Examiner, Jamie será o grande responsável em fazer a transição dos fãs de Crepúsculo para Os Instrumentos Mortais.

 

2. Clary Fray: a personagem que será encarnada por Lily Collins nas telonas é dita como outra razão para os fãs de Crepúsculo se identificarem com Os Instrumentos Mortais. O motivo é bem óbvio: a garota sai da vida confortável e mortal, como aconteceu com a Bella, e encontra o sobrenatural. Assim, o twilighter que gosta de reviravoltas, ainda mais quando se encontra O garoto dos sonhos, vai se render à obra de Clare.

 

3. Os personagens secundários: Jasper e Rosalie foram muito amados à sua maneira, o que fará com que Hogde, exemplo dado pelo Examiner, seja tão querido quanto (até chegar o final da história). Ele é o cara responsável pelos Caçadores de Sombras, o bom samaritano que comanda o Instituto e que tem uma relação incrível com os Lightwood (inclui-se Jace). Hogde é semelhante nesses quesitos ao Carlisle, o responsável pelo bem-estar dos Cullen.

 

4. Isabelle Lightwood: o sucesso de Crepúsculo deveu-se, em grande parte, pela presença de Alice Cullen que se tornou a todo custo a melhor amiga da Bella. Em Os Instrumentos Mortais, a sensação da vez é a Izzy. Porém, a Caçadora de Sombras não vai com a cara da Clary à primeira vista. Assim como Bella e Alice, ambas transmitem a sensação de BFF que as garotas tanto amam, embora a relação das personagens de Cassandra não tenham um elo forte logo de cara. Além disso, Izzy e Alice se assemelham por gostarem de moda.

 

5. Simon Lewis: a nova versão de Jacob Black. Os fãs de Crepúsculo irão amar Simon por ser o melhor amigo de Clary e ser apaixonado por ela, algo que aconteceu com o menino lobo da Bella. O personagem de Os Instrumentos Mortais, por mais que seja chamado de humano o tempo inteiro, não hesita em dar um passo à frente para defender Clary, comportamento de Jacob com Bella, independente se o amor é recíproco ou não.

 

6. O romance: Crepúsculo é uma história de amor, onde Edward fica ligado à Bella de maneira inquebrável. O mesmo equivale ao Jace e a Clary. Porém, o relacionamento Clace é bem mais complicado, como bem sabemos.

 

7. O sobrenatural: Crepúsculo se assemelha ao Os Instrumentos Mortais por causa do cenário de fundo voltado para criaturas sobrenaturais. Vampiros, lobisomens, anjos, demônios. Contudo, em Forks não tem um bruxo chamado Magnus Bane.

 

8. Irmandade: Edward Cullen tem irmãos “adotivos”, mas a questão de Os Instrumentos Mortais é que Jace é abrigado pelos Lightwood. Para esquentar mais, Alec, o mais velho da família, tem sentimentos por ele. Os Lightwood criam Jace e ele desenvolve uma grande afeição pela família, como Rosalie, Jasper, Emmett e Alice por Carlisle e Esme.

 

Assim como os sentimentos de Edward por Bella causou dores de cabeça entre os irmãos, a situação se repete com Jace que enlouqueceu Alec e Isabelle que desaprovaram o namorico dele logo de primeira. No final da história, todo mundo se ama e luta pela mesma causa.

 

9. Vilões: palavras minhas, pois não se compara Valentine e seu glamour aos Volturi, se é que posso chamar os vampiros de alto escalão da obra de Meyer de vilões. Nem mesmo o Sebastian, o divo, merece ser comparado à Jane e vice-versa.

 

10. Batalhas: as conquistas de Crepúsculo foram nas lutas (hum?) e com Os Instrumentos Mortais não será diferente. Como a saga de Meyer, os personagens de Clare têm dons sobrenaturais que apimentam os momentos de conflito.

 

11. Casal na ficção. Casal na vida real: os twilighters apreciaram e enlouqueceram com Robsten. Os Instrumentos Mortais traz Jamily, casal formado por Lily Collins e Jamie Campbell Bower, que dão vida aos protagonistas Clary e Jace.

 

12. Cassandra Clare: ela respeita Crepúsculo e qualquer fã gosta desse tipo de comportamento vindo da autora favorita. Ou não é bem assim?

 

E aí, pessoal? Concordam com esses 12 pontos de vista? Lembrando que não são minhas essas palavras, mas, sim, do Examiner. Porém, isso não quer dizer que alguns comentários não me pertençam (#maldades).

 

Admito também que não sou grande fã de comparações. Cada obra é uma obra e ela atende as pessoas de maneiras diferentes e indiscutíveis.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • Comparações sempre vão acontecer e isso é óbvio, mas confesso que só dei risada com essa matéria. Socorro HAUAHAUHAUHAUAHUA não bastava comparar as obras, o pessoal ainda teve que comparar personalidade e drama familiar… Só rindo, viu?!
    Quem tiver de gostar de TMI ou THG ou BC ou qualquer outra saga, vai ser pela obra em si e não pq se assemelha a outra obra em algum aspecto u.u
    "Cada obra é uma obra e ela atende as pessoas de maneiras diferentes e indiscutíveis." [2]
    Definiu tudo, metade!!!

    • Verdade, verdadeira, metade! Como compararam THG como o ~ novo Crepúsculo ~ . Deixem a obra da Meyer descansar em paz HAHAAHAHAH parem de comparar todo mundo, pfvr. Isso me gastaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!