Menu:
18/mar

Eu nunca fiquei tão indignada com relação a um episódio de The Vampire Diaries como fiquei neste. No último review, me solidarizei com a causa de Elena, entendi o problema dela sobre a morte de Jeremy e o fato dela querer se desligar da dor. Ok! Achei justo a personagem despencar, porque ela precisava cair na real e notar que a vida  dela não é perfeita. Sem contar o choque de estar sozinha, sem ter apoio de ninguém, pois toda a família Gilbert foi para o saco. Porém, neste episódio, a personagem renasceu das cinzas para se tornar uma vampira infantil, mimada e teimosa, totalmente mais insuportável que a versão humana. Eu acreditava que ela não seria dessa forma, não tão cruel com relação às pessoas que já deram a vida para mantê-la satisfeita umas quinhentas vezes. Morder as pessoas sem consciência foi aceitável, pois Elena realmente precisava agir conforme sua nova condição, mas descontar sua insatisfação pessoal em Caroline? A melhor amiga?

 

Minha preocupação com a nova versão de Elena sempre foi com o fato dela se tornar uma nova Katherine. Afinal, Nina Dobrev encarna as duas personagens com diferenças de personalidade gritantes. Uma era boa demais e a outra ruim. Agora, Elena quebrou todos os vínculos emocionais e frisou o episódio inteiro que era tudo uma questão de diversão. Independente do que ela é, isso não lhe dá o direito de passar por cima das pessoas que realmente gostam dela. Sim, ela está desligada, mas a personagem não é o poderoso Hulk. Esse despertar formidável se tornou um processo rodeado de absurdos e se tornou um grande divisor de águas. Digo isso porque a nova Elena não favorece ninguém, especialmente quem só vê na série a questão de shipper.

 

Elena não ama mais Stefan e nem Damon, mas consegue sentir ciúmes de pelo menos um dos Salvatore, que foi o mais novo, quando ele estava com Caroline. Se ela está desligada, como ela é capaz de sentir o recalque? Não é uma questão de diversão, mas, sim, de superioridade. Na minha singela opinião, Elena se tornou a versão feminina de Klaus, pois não aceitou uma negativa e fez barbaridades para chamar a atenção e mostrar que ninguém é capaz de contê-la.

 

Stefan e Damon conseguiram me irritar também de uma maneira que não tenho como explicar. Os primeiros 10 minutos da série foram intragáveis pelo simples fato deles voltarem na mesma tecla: um quer salvar Elena e o outro quer deixá-la como ela é. Stefan ainda quer a cura e Damon acredita que quer quebrar o elo com a garota, e sabemos que isso não é bem verdade. Rebekah teve que cutucar o Salvatore mais velho sobre a versão real dos fatos de que Elena assumiu a personalidade e posição de vampira que ele sempre quis. É uma grande oportunidade deles ficarem juntos, sem dúvidas, mas Elena já deixou bem claro que não se importa com ninguém e, o que pode vir a partir daí, é por mera satisfação pessoal e desejo de libertinagem, algo que combina demais com Damon.

 

A palhaçada ficou por conta do fato de que Damon e Elena vão curtir um tempo juntos por conveniência, pois é óbvio que a garota não ficará assim para sempre. Uma hora ela vai acordar e quem vai se dar mal? Damon.

 

Sem contar que Elena acumulou muita discórdia no que condiz ao universo paralelo e lindo de Stefan e Caroline. Foi patético a garota deixar a melhor amiga cair no chão no campeonato de líder de torcida, como também foi grotesco vê-la voar para cima de Liz só porque a policial falou a real e a bonitinha se sentiu ofendida. Ora, por favor! Elena ainda está na escola, não sabia nem quebrar um pescoço direito e, de repente, ela vira a maior badass da série? Nem Katherine é assim, digo logo, pois ela é meticulosa. Foi o fim do mundo Elena ficar bravinha por não querer ser comparada com sua “gêmea”. Afinal, ela é muito boa, né? Isso me leva a pensar em Kath, que curtia com a cara de Damon e amava Stefan. Se esse processo se repetir, lavo minhas mãos quanto a esse fato de quem ama quem e mimimi. Elena fez estupidez atrás de estupidez neste episódio e eu não vou ter estômago para engolir o fato de que ela vai voltar a choramingar e pedir perdão pelo que provocou contra o pessoal que sempre demonstrou lealdade a ela.

 

A única parte que concordei com Elena, além dela se alimentar das pessoas, foi o fato dela dar um pedala em Stefan ao dizer a ele que deveria se desligar do que sente por ela. Não defendo esse comportamento dela por ver a questão de shipper, detalhe que já abri mão no que condiz à série, pois The Vampire Diaries não é só isso, mas porque não aguento mais ver Stefan bancar o cachorrinho atrás dela e querer salvá-la o tempo todo. Elena não quer ser salva. Será que não dá para deixá-la caminhar sozinha e depois sentir o peso das suas burradas? Por que querem poupá-la o tempo todo? Deixe-a aproveitar o lado da vida que ela desconhece. Achei bom ela ter falado isso, mas, por ser Stefan, nada adianta, porque ele não vai desistir dela. O pior de toda essa questão foi a promessa que ele fez com Caroline para não perder a esperança na garota.

 

Ah! Pelo amor de Deus! Isso não é bonito. Elena quase matou a melhor amiga e, depois disso, as pessoas ainda querem salvá-la? A jovem não precisa mais da redoma de vidro que a circundava, isso ficou muito claro, então, deixem-na voar e depois responder pelas consequências. Fim!

 

Foi imperdoável a maneira como ela tratou Caroline, a personagem que foi zoada o episódio inteiro. A luta entre as duas foi desnecessária e a birra de Elena em querer ser superior de uma hora para outra foi intragável. O que ela queria provar com essa cena, me digam, por favor? Só consegui odiar ainda mais a santa Gilbert. A personagem não tem motivação para nada ou uma explicação que dê respaldo ao comportamento dela. Ah! Mas ela perdeu o Jeremy. E daí? Isso não justifica ela cuspir na cara da galera.

 

Caroline se tornou vampira por causa de Elena e agora ela dispensa a amiga porque é boa demais por não ter sentimentos? Eu perdi toda a crença na personagem, não que gostasse dela antes, mas fiquei inquieta o episódio inteiro, como se eu estivesse sendo agredida no lugar de Caroline. Pergunto de novo: o que Elena queria provar? Que foi treinada por Alaric? Opa! Só assim para ela se lembrar do professor, né? Ela foi arrogante ao pisar nos sentimentos da amiga, como se ela nunca tivesse enchido o saco com seus choramingos quando era humana.

 

Este episódio só deixou bem claro que Elena vai fazer da vida de todo mundo um inferno. O elo virou a desculpa do século e, por enquanto, ele não existe mais. Para que né? Elena quer ser usada e Damon pode oferecer isso da melhor maneira, mas o que me mata é ver um casal que tinha todo o potencial de ter uma história bacana ser reduzido a algo corporal. Eu vi a promo do próximo episódio e espero que a cena que deram ênfase dos dois juntos seja espetacular para compensar toda essa babaquice que fizeram com Delena. Sei que há fãs que adoraram a interação dos dois nesta temporada, mas que fique claro que apenas expresso minha opinião negativa. Eu acredito em histórias de amor bem conduzidas e, o caso Elena e Damon, virou para mim uma extrema sacanagem, por mais que os dois tenham ganhado a temporada só para eles. Ambos também tinham direito de ter uma história bonita e eu estava mais feliz com o casal na temporada passada que nesta.

 

Sobre os plots pequenos, Klaus e Hayley brilharam com a canalhice e sensualismo. Meu Deus! O que foi ver as tatuagens do Joseph? Quase tive um enfarto do coração. Gostei bastante desse viés que deram para o Original e a lobisomem, pois ambos estarão no spin-off destinado aos poucos Mikaelson, o que gerou ainda mais minha curiosidade para saber como funcionará. Rebekah e Damon também tiveram seus momentos engraçados, mas nada bateu tão forte quanto o papo da cura e sobre voltar a ser ou não humano. O único momento sábio do Salvatore mais velho neste episódio foi dizer que ser normal é uma porcaria. Não com essas palavras, mas essa foi a mensagem direta. Rebekah é linda, fofa e, se achar o cara certo, poderá ter o que sempre quis que é ser amada. Para que largar de ser vampira? Ainda mais sendo uma Original? Por favor, Rebekah, acho seu desejo muito digno, isso te faz uma das minhas personagens mais queridas, mas mantenha-se desse jeito, obrigada!

 

Preciso comentar algo das cenas de Stefan e Caroline? O que foram eles na festinha, gente? Queria muito que o Tyler não voltasse para ver se rolava algo entre os dois, mas ainda há Matt, cuja esperança de matar as saudades de Maroline (sempre tenho dúvidas quanto essa junção. Se alguém souber a verdadeira, me avise 😀) ainda persiste. Mas foi triste ver a vampira desmoronar depois do dia infernal que teve e saber que o lobisomem não voltará mais.

 

A cara de desolado de Matt ao descobrir ser o novo dono da casa dos Lockwood me fez recordar do posicionamento dele no episódio passado. Realmente, não sei o que está guardado para o personagem a não ser a morte. Por mais que goste do Sr. Donovan, o coitado está perdido e precisa de um rumo urgente.

 

Qual é a linhagem de lobisomens da Hayley? Ela tem que ser muito poderosa, pois a desculpa dela em dar com a língua entre os dentes toda vez que lhe prometem informações dos pais é uma motivação meio fraca. Ela tem que ser, no mínimo, ultra sensacional.

 

Estou curiosa também para ver Damon em Nova York e saber mais da sua relação com Will. O mais bizarro agora é ver o Salvatore se importar com as coisas e levar nos ombros a versão dele do passado que é Elena. Aposto que ficarei muito mais estressada do que já estou no próximo episódio.

 

Silas passou o rodo em todos os bancos de sangue e eu queria que ele levasse a Elena embora para trazer Katherine linda e diva para o centro das atenções. Ainda tento entender o que fizeram com a santa Gilbert, essa tentativa estúpida de fazê-la superior à Katherine, algo que ela jamais será. Espero mesmo que as doppelgängers se encontrem para que Elena seja colocada de volta no seu lugar.

 

O season finale de The Vampire Diaries terá que ser milagrosa. Só isso que tenho a dizer.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3