Menu:
16/jul

Eu não sei se isso só acontece comigo, mas, desde que Harry Potter acabou, eu não consigo chegar perto nem dos livros e nem dos filmes. Eu juro que tentei, mas não consigo. Sempre saio pela tangente, como se fosse uma lagartixa. Parece até que sofri algum tipo de trauma, um terror psicológico que me fez ter fobia da saga que foi minha companheira durante árduos 10 anos. Essa fobia foi diagnosticada com o seguinte termo: saudades. Eu não sou muito boa para lidar com a falta de algo ou de alguém muito importante. Por isso, externei durante dois anos o que o menino bruxo representou para minha vida.

 

Parece até que me tornei uma hater de Harry Potter, mas não é isso. Quando se vive algo desde o começo (nem precisa ser tão do começo assim) com muita intensidade, com direito a choro e a histerismo, é difícil acordar em dado momento e ver que aquilo acabou. Que não vai acontecer da mesma forma que era antes. Que os bons momentos na comunidade de fãs de HP se acabou e que não tem mais como reviver tudo de novo, a não ser na memória.

 

Pausa para eu chamar as inimigas porque essa sou eu sendo chata e egoísta como uma velha pottermaníaca (termo que era mais usado antes do potterhead, boa noite! Mas amo os dois, porque são lindos, own!).

 

Eu sou uma dos milhões de fãs velhotes que cresceram com Harry Potter. Eu, ao lado de muitos, vi até o Potterish nascer. Quem acompanhou a saga desde o início, lá em meados de 2001, tem um efeito emocional completamente diferente daqueles que descobriram esse universo em 2010, por exemplo. Infelizmente, o novo fandom potteriano não teve a oportunidade de ver as coisas incríveis do passado para compartilhá-las conosco, de forma igual, sem arrogância. Minha irmã é muito chateada com isso, embora ela tenha acompanhado boa parte. A primeira vez que ela foi ao cinema foi para assistir a Câmara Secreta (e ela afundou na poltrona, porque era muito pequena).

 

Sempre que vejo um barraco do fandom, lembro como os potterheads velhotes eram civilizados. Nós brigávamos sim, algo bem digno de batalha de Hogwarts, mas eram por questões do livro, não porque o “FC” foi montado por um poser (oi?). Se era para brigar, a briga era com sangue nos olhos, como aconteceu com a guerra de shippers. Independente disso, no final do dia, quem era Dramione, Romione ou Harmony juntava as mãos e chorava pela mesma causa.

 

Os potterheads mais novos têm todo o direito de sentir inveja dos mais velhos, pois eles não terão as mesmas emoções que eu (e milhões) tive com Harry Potter ao meu lado. Claro que a emoção da geração que chegou agora é diferente, mas eles perderam a parte mais legal (na época não era) que foi a tortura psicológica de esperar pelos livros. Sem contar a correria com um monte de capas esvoaçantes para pegar o melhor lugar no cinema e terminar sem o cachecol (isso aconteceu comigo, mas uma alma caridosa me devolveu).

 

Vocês não sabem o que é chegar no trabalho de cosplay, pendurar uma coruja de pelúcia no monitor, abrir um dos livros na cara dos clientes na recepção e achar que está lindo. Eu fiz tudo isso, sem contar as folhas de sulfite que gastei para imprimir fotos e escrever fanfics. Esse era o poder clandestino de quem é da velha guarda potteriana, que brigava até com os pais para conseguir ir aos lançamentos dos livros (em inglês) e tinha que ficar na casa dos colegas, porque o evento terminava altas horas da noite.

 

Na nossa época, não havia redes sociais. Só blog. E a gente se amava nos comentários e não tinha frescura para divulgar o amiguinho do lado.

 

Quem era ficwriter como eu, queria agarrar as 30 pessoas ou mais que deixavam reviews fofas em fóruns. Quem viveu desde o falecido Edwiges Home Page sabe do que falo. Não tinha nada de Nyah!. Nós trabalhávamos na era 1.0 da Web, com página estática e internet discada. Vão vendo como era um desafio ser fanático por Harry Potter! Agora, idealizem o drama para ver os trailers nessa época.

 

No fandom de Harry Potter todo mundo tinha o que fazer. Todo mundo era reconhecido por alguma coisa e era respeitado por isso. Não tinha essas frescuras de ~melhores fãs~, ~você é poser~, ~meu site é a melhor fonte~, etc. O que tornava o mundo potteriano sensacional e irresistível eram as amizades, os recadinhos nos blogs, a troca de figurinhas dos álbuns, ser metido e exibir na escola o fichário com a foto de Hogwarts…Ai que saudades disso, por favor!

 

Nós, os antigos (quase os Originais, vejam bem), sofremos durante os 10 anos de Harry Potter. Assistimos o início. Curtimos o meio, com direito a querer bater a cabeça da J.K. na parede quando ela teve bloqueio de escritor e atrasou por mais 1 ano a Ordem da Fênix, e xingar no ainda inexistente Twitter a morte do Dumbledore em O Enigma do Príncipe (no meu caso, eu teria usado o Caps Lock para expressar minha felicidade). O fandom de HP, acima de tudo, era humilde e abraçava gente nova, algo que não vejo acontecer mais, pois há muitos grupos de fãs no Facebook que recebem a galera aos sopapos.

 

Harry Potter acabou em 2007. O que aconteceu no dia 15 de julho de 2011 foi apenas um sacode, um alerta de que tudo finalmente terminou. Literalmente, foi um tapa. Porém, foi em 2007 que vi fóruns fechar, sites ficarem abandonados, meus autores de fics pularem do barco… Foi nessa época que o vazio nasceu, que Dobby morreu, que Snape foi inocentado e que a guerra de shipper terminou.

 

Hipoteticamente, claro.

 

O que mais sinto falta desde que Harry Potter acabou?

 

Minha infância. Talvez, a sensação de segurança. Quando lia os livros, me sentia imbatível. Ninguém poderia cruzar meu quadrado, pois era uma bruxa maligna. Meu sonho era lançar Avada Kedavra nas pessoas. Eu me sentia uma personagem, o que fez minha transição da adolescência para a vida adulta muito mais fácil.

 

Há pessoas que não aceitam quando um fã afirma que só criou gosto pela leitura quando entrou em contato com Harry Potter, mas foi exatamente isso que aconteceu comigo. Eu tenho um TCC que comprova isso. Quanto a este ponto, ninguém pode me desafiar. Há pessoas que não acreditam que um livro é capaz de moldar caráter, como também há os céticos que descreem quando alguém diz que, por meio da obra, descobriu a vocação. Eu também tenho provas disso, pois sou escritora wannabe.

 

Talvez, meu medo de tocar de novo nos livros e nos filmes vem da dura verdade em saber que não viverei os últimos 10 anos mais uma vez. Não terei mais as emoções da espera dos livros, o desespero de encontrar uma tradução meia boca, o tempo divertido em responder 30 reviews das minhas fics, brigar em fóruns de discussão, fazer festa nos encontros potterianos e virar a noite nos chats intermináveis que perduravam, especialmente se fosse uma partida de RPG. Eu sinto muita falta disso e me veto de sentir. Minha mãe diz que lembrar é sofrer, mas como sofrer se foi algo tão incrível?

 

Eu sou daquelas que adora mencionar Harry Potter para tudo e, se me derem oportunidade, dou pitaco. Sou daquelas que olha feio para a geração Z que diz que os livros são ruins. Cada gosto é um gosto, mas, desculpem, não dá para fazer um gráfico comparativo de Crepúsculo com HP. Isso é uma babaquice, pois as autoras colheram méritos diferentes e são respeitadas pelas respectivas bases de fãs. Uma coisa que não aguento é berrar só porque a KStew estava ao lado do Daniel no Oscar. Please, vão lavar louça!

 

Quem chegou agora, acha que o universo Potter é cheio de clichês, mas não é. Ele se moldou ao longo de 10 anos. Nada do que a Jo disse na festa de lançamento da última parte de Relíquias foi em vão, pois Harry Potter ajudou muitas crianças, especialmente aquelas que não se enquadravam na escola. Atualmente, quantos livros dão essa sensação de esperança para um público infantojuvenil? Quase nenhum, pois todos agora são focados em estúpidos triângulos amorosos ou em um relacionamento ‘n’, onde uma garota é obrigada a ser uma doida varrida.

 

Não haverá novas Hermiones, nem novos Harrys e nem novos Ronys. Os autores atuais podem tentar, mas jamais conseguirão. Não haverá outros Voldemorts, nem outras Bellatrixs (como é o plural disso, gente? Hahaha). Tudo o que veio depois se embasou em Harry Potter, salvo Suzanne Collins que trouxe um ponto de vista novo que tirou o foco do mundo da magia para abrir espaço para os universos utópicos.

 

Nada se compara a Harry Potter e vou defender isso ‘till the end. Seja você velho ou novo, apenas ame essa saga incrível com todo seu coração.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • Rafael Sousa de Lemos

    eu comecei a ler Harry Potter em meados de 99, ainda era uma criança, a minha vida em casa era muito complicada, e a historia nos livros me levou a um mundo magico onde um garoto, dito pequeno e fraco, conseguirá derrotar o maior mal de sua realidade, eu nunca quis ver os filmes porque eu fiquei velho e chato assim como o elfo “monstro”, e havia esquecido da “magia” , assisti a todos os filmes hoje com meu filho, e as lembranças da minha infância que apesar de dolorosas, foram marcadas por essa saga, o que eu tenho a dizer? Obrigado Harry, Hermione, Ronald e J.K. Rowling…

    • Hey, Random Girl

      Hey, Rafael, tudo bem? Mil perdões pela demora em responder ao seu comentário. Tive alguns impasses pessoais e agora estou aqui <3

      Sua história tem muito da minha, como também de tantos outros fãs, que tiveram contato com a saga em fins da década de 90. Foi meu refúgio, assim como toda a rotina da comunidade de fã. Hoje penso que não conseguirei reler os livros e nem rever os filmes porque, quando "tudo acabou", eu botei tudo na caixinha e só quero proteger. Só tenho a agradecer tbm por tudo que HP me proporcionou <3

      Beijoss e obrigada pela visita!

  • heyrandomgirl

    Saudades eternas, sem dúvidas <3
    PS: adorei seu blog de utilitários 😀

  • Sarah

    Não é só você que sente isso.

    littlethingoficial.blogspot.com

  • Karla Kélvia

    Eu não estou falando aqui só porque adoro vc de verdade, ou porque o texto foi lindo, ou porque Harry Potter é um dos melhores livros do seu gênero já vistos na literatura. Eu estou escrevendo com lágrimas nos olhos porque, principalmente, você, prima, me fez lembrar de coisas muito fortes relacionadas a isso. Eu tinha 17 anos qdo li HP pela primeira vez. Se o livro não teve o mérito de me dar gosto pela leitura (nesta época eu já devorava Machado de Assis e trocentas outras coisas e escrevo desde os 9 anos), ela me deu fantasia. Eu lia, lia, mas nunca nenhum livro me deu o poder de sonhar e imaginar tanto como HP. Qdo saíram os filmes eu fiquei muito curiosa sobre aquilo , e aí uma colega de classe me disse "eu tenho a Pedra Filosofal, tu quer ler?". Eu lembro que li em 3 dias. Eu passava as páginas sofregamente, e só não li mais rápido porque estava fazendo prova.Seu texto me fez lembrar da época em que eu não tinha dinheiro para comprar os livros (muito caros, pros padrões dos meus pais), e que eu corria atrás de colegas na escola que tinham, pedindo para me emprestarem. Eu lembro agora, também, da primeira vez que vi um filme do HP no cinema ( com um dos meus melhores amigos vestido de Cedric Diggory hahaaha). Nossa, passa tanta coisa pela minha cabeça… de qdo eu fiquei tão aficionada pelo quinto livro que chegava a sonhar com ele, do quanto eu chorei quando o Dumbledore morreu, e do quanto eu fiquei feliz até quase explodir quando minha mãe (SIM!), teve dó de mim e me deu HP e as Relíquias da Morte. Fiz trocentos amigos por causa de Harry. Esperei ansiosamente os livros. Assisti muitíssimas vezes aos filmes. Tinha pôsteres de HP no meu quarto, e tenho, até hoje. Esse livro me ajudou a crescer, Hogwarts foi meu lar durante muito tempo, Harry, Rony, Hermione, Luna, Dumbledore, Hagrid, foram meus amigos ao longo de muitos anos. De vez emquando, eu vou dar aula com uma blusa que tem HP estampado, para que meus alunos vejam que sim, vale a pena acreditar em um sonho. E obrigada à J.K. Rowling, que é um ser fantástico.

  • heyrandomgirl

    A pior coisa do mundo é ter que fazer faxina no quarto, pq a gente sempre acha cada coisa que olhilá Hahahahahaa. Aguarde pra chorar um pouco mais no dia 31. Guarde lágrimas, pfvr love*

  • Isis Renata

    no meu caso, está doendo mais este ano que ano passado. eu meio que estava ainda anestesiada do 'fim' mas este ano não. a dor veio logo no começo de julho e chorei muitas vezes durante o mês. eu fiz faxina no quarto e achei mil e um posters dos lançamentos dos livros, fotos, ingressos, foi foda. está sendo, na verdade
    hoje mesmo, que foi a última sessão. já acordei tipo 'nossa porque deus' rs

    beijo ♥

  • heyrandomgirl

    Pottermaníaca é VIDA! Essa palavra tinha que ser eternizada, metade, tenho dito. Amo/sou potterhead, mas pottermaníaca não tem como fugir kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    HP sempre será nosso baby, own ♥

  • heyrandomgirl

    Nem-me-fale! Ano passado eu dei uma ignorada na data, mas posso culpar a época bendita do TCC. Mas eu acho que sofri mais em 2012 que agora, pq fiquei com HP o tempo inteiro e tinha horas que chorava que nem uma boboca sozinha quando começava a digitar a tese. Este ano meio que veio a ressaca, a saudades bateu, estou até considerando ler os livros de novo, mas ainda é SÓ uma ideia HAHAHAAHAHAHAHAH

    Mtas descobertas que esta geração não terá. Por isso, somos os Originais HP HAHAHAHAAHAH ♥

  • Isis Renata

    ain prima ♥

    a melhor época foi a nossa. que me perdoem os novos fãs, mas de fato aguardar o livro (em inglês) a meia noitem, numa livraria lotada não tem preço algum.

    sou como você e mudei após harry potter. sou prova viva que antes era uma zé ninguem (não sou tanto), mas ganhei MUITO. eu me ENCONTREI com essa saga, e ela me encontrou também.

    que outra pessoa me recebeu tão bem quanto as pessoas que conheci através do mundo mágico? raríssimas!

    era um coração aberto, um 'vem cá que eu traduzo'

    e internet discada. meu deus eu baixei TODO o livro da ordem da fenix. porque sofremos com a espera e então todo domingo (mais barato) eu baixava e lia.
    meu deus, da onde vinha tanta loucura. não era possivel explicar. a mudança era visível aos amigos que eu convivia antes, eles não me reconheciam mais, eu tinha encontrado O MEU EU MÁGICO, de fato.

    devo confessar que ano passado não senti tanto, mas este ano não sei o que me deu, e ainda faxinei o quarto e achei mil posters e lembranças, revistas e caderno de figurinhas. chorei por dias a fora.


    always

    ps. e somos primas, por esta razão também!

  • Mylene Pedrazzi

    Lindo, metade!!!
    Os novos fãs nunca saberão o que passamos. Nunca passarão por todo sofrimento, toda a angústia e expectativa. E é isso o que torna HP parte da nossa história.
    Crescemos com isso, esperamos por isso, torcíamos por isso… e agora que acabou, fica esse vazio, que jamais vai ser preenchido por saga nenhum.
    Fazia teeeempo que não ouvia o "Pottermaníaca" HAUAHUAHAUHAH tô velha, gente, socorro :(
    HP é e sempre será nosso xodó (L)
    Lindo texto, metade *-* Mto lindo mesmo!!!