Menu:
02/nov

Eu estava com faniquito para o próximo episódio de The Tomorrow People e isso quer dizer que já estou bem amorosa com relação à série. Quando sei que algo me pegou por amor, não consigo pensar em outra coisa. Por isso, anuncio: a série me arrebatou. Depois da trama de Cara na semana passada, a história do John ganhou a vez e queria muito pegá-lo no colo nesse presente momento. Confesso que alguns pontos do passado dele não me deixaram surpresa, como a presença de Jedikiah na vida dele, um companheirismo fraterno que transformou John para sempre em meio à maldade genuína de um homem que não tem nada de “pai” do ano.

 

O episódio nos fez dar um salto no tempo, onde John enfrentava uma infância difícil. Eu imaginava que a história dele fosse um pouco mais sombria, sei lá, devido ao semblante meio triste do personagem. Na verdade, esperava algo meio malévolo, pois alguém entre os seres do amanhã deveria bancar o chatão, já que Stephen é o protagonista-mocinho. John tem o perigo sobre o que realmente é guardado a sete chaves, mas ele foi apenas mais um injustiçado na vida, onde aprendeu a se virar com os poderes que não compreendia para roubar alimentos para os irmãos adotivos e aguentar o abuso de um tutor alcoólatra. A história dele tinha tudo para ter um final feliz, mas o encontro com Jedikiah deu outro viés ao destino do rapaz, onde tudo se intensificou, pois, além de ser diferente, ele se tornou a exceção da espécie sendo capaz de matar.

 

O crescimento de John se tornou uma dor de cabeça extra para Jedikiah, especialmente quando o ser do amanhã foi treinado por um igual, Killian, o dono da ação deste episódio. Realmente faltava o embate mocinho versus vilão, não que isso tenha sido o caso, mas foi importante situar um personagem preso ao desejo de vingança e a necessidade de querer se expor contra alguém que só quer sobreviver. Isso bateu de frente com John que vive na moita ao lado dos amigos, por não querer provocar danos que possam colocar a espécie dele em extinção. Como ele mesmo disse, os seres do amanhã não são super-heróis, mas ele se viu em uma nova situação que mudou o jeito dele pensar sobre o assunto. Killian pode não ser o único a pensar na necessidade de expor os poderes, pois pode vir outros na retaguarda.

 

O que tornou tudo mais interessante neste episódio foi o plot sobre os seres do amanhã não serem capazes de matar. Killian e John brilharam como a exceção da regra, um detalhe que os tornam semelhantes. Porém, a questão do caráter os difere. Eles podem ser a perfeição mais rica do universo que Jedikiah conseguiu conquistar, mas John não sente prazer em alastrar atentados contra humanos. Os dois seres do amanhã são apenas o topo da pirâmide, o diferencial, o ponto de gatilho.

 

O lado bom de Jedikiah é só encenação, pois, dessa vez, os objetivos dele ficaram muito claros. Ele quer que os seres do amanhã sejam capazes de matar, afinal, é o passo que falta para a perfeição da espécie. Claro que o intuito dele jamais seria salvar e proteger a raça humana, mas ter armas contra uma sociedade sombria e deturpada. Com certeza, ele tem uma mágoa por ter sido humano ao contrário do irmão que nasceu com superpoderes. Por mais que Jedikiah tenha ambições para ser dono dos seres do amanhã, ele tem um ponto fraco: John, o garoto que ele ainda chama de filho. O filho que anunciou oficialmente que o “pai” é um alvo dele.

 

Neste episódio, a dualidade de Jedikiah e a facilidade dele mudar da água para o vinho, na tentativa de não demonstrar como se sente, foram expostas. Isso gera a questão: seria ele realmente um vilão? Em meio ao caos com Killian, parte do passado do pesquisador também foi revelado, onde ele montou um lar em cima de John, mas o ser do amanhã o abandonou por ter sido parte do Projeto Anexo, aquele que o tornou perfeito aos olhos do “pai”. Jedikiah tinha Killian e John na palma da mão, ambos cresceram juntos, mas, a maneira como os dois veem a evolução da própria espécie e do que ela é capaz de fazer, os separou. Ele simplesmente falhou e quer retomar todo o plano de mestre.

 

Jedikiah teve o lado emocional explorado e eu gostei disso, pois todo vilão tem um ponto fraco. A prova de que ele se importa tanto com John vem da infância, quando ele matou o tutor para assegurá-lo. John era o favorito. Talvez, não por amor, mas por Jedikiah ter visto a oportunidade de torná-lo um monstro. Tem sim como entender o porquê de John ter afirmado que o homem é o mais próximo de pai que ele teve, pois, male, male, o cara o ensinou a se virar e a se proteger, mesmo que o intuito o tornasse um agente Ultra mega qualificado. O relacionamento entre Jedikiah e John é muito mais complexo que apenas uma transformação extremamente brusca e isso chamou o ser do amanhã para a batalha.

 

A partir disso, fica a questão: Stephen passará pelo mesmo? O garoto é diferente, possui poderes a mais e, com a habilidade de matar, seria o novo favorito de Jedikiah. O projeto Anexo não parará por aí, pois o vilão precisa de armas para seu império. Killian e John foram corrompidos e não deram certo. Quantos agentes Ultra, que são seres do amanhã, não seguirão pelo mesmo caminho? John é um foragido por ser capaz de matar. Uma ameaça maior ao Jedikiah. Não me surpreenderia se, algum dia, Stephen e John se tornassem rivais, especialmente por causa de Cara e pelo fato de John omitir sobre o que é realmente capaz de fazer além dos 3 Ts. Seria apenas uma reprise de John e Killian.

 

Stephen não ficou nos holofotes, mas houve uma aproximação valiosa entre John e ele. O crítico e o antiquado. Ambos aprenderam bastante um com o outro neste episódio e foi bacana o fato de John querer treiná-lo, como também Stephen reconhecer John como líder. Os seres do amanhã possuem um passado obscuro, pois é a partir das emoções que os poderes implodem. Se a vida fosse fácil, ninguém seria tão extraordinário a ponto de ser caçado pelos agentes Ultra. Mesmo com os atritos, ambos têm tudo para serem bons amigos, mas é bem provável que isso mude se Roger voltar vivinho da silva para assumir o grupo.

 

A trama foi uma perfeita corrida entre gato e rato. Morrer ou ser morto. Essa é a grande questão que ficou com este episódio de The Tomorrow People. Não sei dizer se a guerra sombria começou, mas taí uma grande chance. Jedikiah quer a perfeição dos seres do amanhã e eles apenas querem sair do submundo sem serem ameaçados pelos humanos. Estamos de olho!

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3