Menu:
06/mar

Nota da autora: este post é exclusivo para quem é Harmony. Caso não curta o shipper, não leia o post. A não ser que você não tenha problema com isso, claro! <3

 

Eu pensei seriamente se deveria fazer este post desde que o babado da entrevista da Emma Watson com a Rowling para a Wonderland Magazine bombou na minha timelime do Facebook. A reflexão sobre a possibilidade deste texto nascer não só se deveu por eu já ter falado sobre um dos meus shippers de coração aqui no Random Girl, mas também pela necessidade de ter a matéria na íntegra. Quando estava prestes a ignorar essa possibilidade de representar a bandeira Harmony novamente, eis que minha soulmate fez isso daqui:

 

 

Agradeçam a ela por este post!

 

Em 2012, o ano em que revivi com mais intensidade o que Harry Potter representou na minha vida, fiz um post sobre os personagens/casais/eras que mais marcaram a minha jornada com a saga. Isso se deveu pelo simples fato de ter sido o lançamento da segunda parte de Harry Potter e as Relíquias da Morte no cinema. É muito engraçado voltar no tempo e perceber que me encaixei em fatias da saga que muitos nem fizeram parte. Um deles, claro, é o fato de ter shippado Harry e Hermione que, no mundo do fandom, os nomes compõem Harmony ou, atualmente (acho, porque na minha época sempre foi Harmony), Harmione.

 

Sendo assim, este post vai para aqueles que ainda se mantêm convictos de que Harry e Hermione formam a Heresia Potter mais linda do mundo.

 

Uma breve nova explicação para eu ser Harmony

 

Como membra oficial do grupo de heréticos, uma das coisas que fundamentam minha visão de relacionamento é cumplicidade. Emendado a isso, o sacrifício. Se o amor fosse fácil, todo mundo mergulharia de cabeça, algo que não acontece. Além desses dois pontos, a amizade é outra parte fundamental e isso sempre me encantou entre Harry e Hermione. Quando estou perdida nos meus projetos literários e preciso montar um casal, levo em consideração a experiência anterior das duas partes. Harry e Hermione cresceram juntos, fomentaram um amor genuíno e silencioso, algo que jamais vi entre Rony e Hermione, onde ambos perdiam tempo para se criticarem. Para ser bem honesta, Rupert Grint me ajudou muito a tolerar o Rony, pois simplesmente não consigo engolir o personagem.

 

O que sempre prezo quando crio minhas histórias é o que citei no começo deste parágrafo: cumplicidade e sacrifício. Um dos maiores exemplos atuais que posso dar para exemplificar onde quero chegar é o amor entre Stefan e Elena nas 3 primeiras temporadas de TVD. Tudo bem que eles pularam um pouco a questão da amizade, mas ele sempre respeitou as escolhas dela e ela, por mais impetuosa que fosse, algo meio Harry por causa do fator “herói da história”, sempre deu um jeito de pontuar o que ele tinha de melhor, mesmo sendo um vampiro. Stefan sacrificou a liberdade dele inúmeras vezes por ela e a confiança de Elena nele foi ao auge quando ela cedeu seu sangue para alimentá-lo. Aí está outro ponto que faz Harry e Hermione o meu casal: a capacidade de compartilhar.

 

Eu não vejo valor em um relacionamento que começa a base de brigas ou de indiretinhas, pois passei metade da minha adolescência aguentando críticas de garotos que eu acreditava que gostava, sendo que aquele, o tal do melhor amigo, sempre foi o encaixe perfeito. Todo o relacionamento é inclinado a ter falhas. Todo amor pode não ser eterno. Mas o amor tem aquele ponto-chave de fazer ambas as partes se tornarem melhores. Hermione impulsionou Harry a todo o momento e ele nunca escondeu o quanto ela tinha muito valor além da própria inteligência.

 

Hermione foi a força crucial que moveu Harry até o fim e isso para mim é mais do que suficiente, algo que J.K. pontuou na entrevista. Harmony é um shipper compatível. Sendo clichê ou não, os dois tiveram uma trajetória dupla e contínua, onde um sacrificou muitas coisas pelo outro, e é realmente de se lamentar que uma história que tinha pleno potencial de ser linda foi anulada.

 

O que eu disse em 2012 sobre Harmony:

 

Harmony Shipper

 

Harry e Hermione possuem uma relação muito forte. Eles se compreendem e funcionam corretamente juntos. Eles não perdem tempo discutindo com bobagens o tempo todo e são uma das poucas figuras maduras que existem nos livros antes de atingir os 17 anos. Harry sempre precisou de alguém destemido e corajoso ao seu lado e essa pessoa sem sombra de dúvidas foi Hermione Granger.

 

Na entrevista, Emma e Rowling comentam o fato de Hermione ter sido a única que ficou com o Harry até o fim. Isso de um jeito físico e emocional. Ela sacrificou a família dela para entrar em uma guerra que nunca lhe deu garantias de que retornaria com vida. Hermione sempre esteve ao lado do Harry e vice-versa, até mesmo quando os dois tiveram os corações partidos por causa de Ginny e de Rony. Eles não precisavam de muitas palavras para dizer que se importavam um com o outro. Eles simplesmente se entendiam, como mágica.

 

É fácil dizer que muitos sacrificariam algo por um melhor amigo ou amiga, mas volto a questão de que o encontro de duas pessoas simboliza, acima de tudo, a sensação de ter um lar. Ambos tinham familiaridade. Harry poderia ter passado muito tempo na casa dos Weasley, mas ele se identificava por causa da carência de pai e mãe. Com Hermione, Harry moldou sua identidade. Dou até um crédito para o Rony, pois foi com ele que o menino da cicatriz experimentou os sentimentos ruins da adolescência, tais como inveja. Harry e Hermione tinham cumplicidade. Bastam reler a cena da tenda no livro e entender o que digo.

 

Harmony Shipper

Honestamente, o erro da J.K. foi querer reprisar o relacionamento entre James e Lily. Garoto moreno com garota ruiva. Harry poderia ficar com qualquer pessoa menos com Gina Weasley. Ela é uma pessoa vazia que não cresceu durante os sete livros da saga. Quando digo vazia e que não cresceu, significa que a personagem não foi devidamente desenvolvida.

 

No sexto livro, seu personagem foi jogado de repente, como se houvesse necessidade de estar ali. Ela nunca foi vista, na verdade. Sua personalidade nunca foi apresentada. Ela foi colocada só para Harry ter um par sendo que a Hermione estava ali o tempo todo. J.K. colocou Harry ao lado de uma estranha que nem os leitores conheciam direito.

 

É fácil perguntar por quais motivos shippo James Potter e Lily Evans, sendo que tenho um amor incondicional pelo Snape (e que foi o melhor amigo da ruiva). Isso poderia me pegar em contradição. Por mais que Rowling não tenha escrito nada sobre a Era Marota, é muito fácil captar que James mudou pela Lily. Ele era um personagem cheio de segredos. Mesmo que James passasse boa parte do dia chamando a ruiva para sair, ele mostrou que era uma pessoa leal, algo que Hermione foi com o Harry. Sim, ele cometeu bullying com Snape, mas não acho que isso seja o suficiente para odiá-lo, pois todo mundo já fez isso na vida e nem precisa envolver cuecas encardidas.

 

O que me faz amar Jily é o fato de imaginar que, em algum momento, James mostrou todo um universo para ganhar a confiança de Lily, o que a fez apaziguar por perceber que aquele garoto petulante tinha valor. Na minha mente, Lily e James tiveram uma amizade antes de se entregarem ao que sentiam, pois, até então, se envolver com o Potter sempre foi algo fora de cogitação para ela. Assim, como amar sem conhecer? Sem compartilhar? Sem aprender? Harry e Hermione tiveram tudo isso. James protegeu a família até o fim. Ele ficou na frente do Voldemort. Tudo o que Snape fez foi vender a vida dele e do Harry para poupar Lily. Por mais que ame profundamente o Mestre de Poções, não há como negar que ele foi egoísta.

 

Harry e Hermione têm muito de James e Lily. Hermione sempre foi um escudo para Harry e vice-versa. Harry correu para salvar Hermione quando ela foi petrificada. Hermione ajudou Harry a coordenar a Armada de Dumbledore. Há muitas coisas que eu poderia pontuar, mas o post não teria fim. O que quero dizer é que esses dois casais cresceram, atingiram um grau de maturidade, começaram a ver o que realmente importa, algo que não acompanhou Snape e Rony que só se tocaram de alguma coisa quando estavam prestes a perdê-la. Posso até dizer agora que a Rowling pecou muito em não amadurecer o Weasley, pois, depois de tudo que ele viu e enfrentou, o comportamento dele deveria ter melhorado ao longo de Relíquias da Morte. Até antes disso.

 

O que eu disse em 2012 sobre Harmony:

 

Harry e Hermione são perfeitos um para o outro e ver isso na telona só comprovou ainda mais. Mesmo com toda aquela ideia de que Rony descobriu que gostava dela desde o “O Cálice de Fogo”, Hermione sempre pertencerá ao Harry. O coração dela sempre estava com o garoto e não com Rony. Fazê-la ter uma explosão de ciúmes por causa do ruivo ao vê-lo namorar com Lilá Brown foi muito tosco. É o mesmo que ver Damon Salvatore reclamando da vida, que todos são injustos e que ele não merece morrer. J.K. distorceu a personalidade dela no sexto livro, fazendo-a se render a posição de desesperada por causa de um garoto imaturo.

 

Rowling disse na entrevista que Harry e Hermione tinham um melhor encaixe em determinados momentos e vou dizer que saltitei de felicidade. Ela viu o que era óbvio tarde demais e isso corresponde ao meu outro pensamento sobre Harmony no primeiro post que fiz:

 

Em meio a tantos buracos na obra, principalmente quando Harry e Hermione ficam a sós dentro da barraca (correção tenda) quando Rony resolve ir embora por causa de suas crises de ciúme, duvido muito que não tenha acontecido nada entre os dois. Eles eram adolescentes, cheios de medos e com os hormônios bombando. Claro que a J.K. não escreveria nada específico, mas nada nos livros da saga aconteceu por acaso. Essa é minha tese. Ainda defendo as entrelinhas.

 

Eu não podia ter ficado mais contente quando Rowling afirmou que viu a chance de mudar o shipper que terminaria a saga justamente nesta cena. Minhas entrelinhas não estavam erradas. Ela viu o que eu e muitos abóboras viram. Um pouco tarde, mas ela viu. Como comentei durante o post opinativo sobre a entrevista para a Wonderland Magazine, o encaixe perfeito aconteceu na tenda e atingiu a face da Rowling como um tapa. Steve Kloves, que tenho certeza que era um H² assumido, viu a mesma coisa, e queria deixar meus agradecimentos para todas as cenas Harmony que sambaram em todos os filmes. Kloves sempre sentiu o poder do casal e isso se refletiu na mesma cena que abalou as estruturas da Rowling enquanto escrevia o último livro da saga.

 

Digamos que não estava muito errada, não é? David, Steve e Rowling formam uma trindade H², onde dois sempre mostraram que o casal sempre foi e sempre será imbatível, e a outra se poupou a sentir o óbvio e só tocou a real este ano. Vale mencionar que tenho certeza que Rowling fez a Hermione-Riddle beijar o Harry como um brinde compensatório, pois, como ela disse na entrevista, ela já estava com a mente feita sobre Romione.

 

O que eu disse em 2012 sobre Harmony:

 

No meu caso, já são 12 anos <3

 

Mesmo com o fim da saga, Harry e Hermione sempre estarão juntos e sempre serão o casal ideal. 

 

Entro no ponto delicado de que Rony e Hermione poderiam recorrer a uma terapia de casal para poder amenizar defeitos pessoais – o lado crítico dela e a baixa autoestima dele –, o que apenas me confirmou que Harry e Hermione formam uma heresia sensacional. Claro que não imagino que se Harmony tivesse se casado seria um antro de perfeição, pois Hermione sempre representará a parte racional da coisa toda e ela com certeza teria tirado Harry do sério e vice-versa. A diferença é que “esse tirar do sério” seria uma coisa positiva, não o início de um combate, algo muito comum em Romione.

 

Hermione fez Harry melhor, mesmo ele sendo abatido pela necessidade de salvar tudo e a todos. Harry frustrou muito a bruxinha, claro, mas os dois nunca arredaram o pé para abraçar o que realmente acreditavam. Harry tinha tudo para ser um bebê chorão, especialmente por não ter família, mas ele trabalhou esse sentimento de perda ao longo dos 7 livros. Hermione tinha inseguranças, mas amadureceu e não subestimou jamais a própria inteligência. Como foi dito na entrevista, a saga foi a jornada desses dois personagens que tinham tudo para ficar juntos no final.

 

Não, não acho que seria clichê. Não acho um incesto, um dos piores argumentos que já ouvi sobre Harry e Hermione. Quem fala isso nunca leu Os Instrumentos Mortais. Inclusive, tenho certeza que a maioria que é contra Harmony shippa Clace independente do suposto incesto. E se fosse clichê ninguém amaria Percabeth.

 

Aí, tudo hipocrisia.

 

O que fica de mensagem de uma abóbora herética que permaneceu com o barquinho dela na Abóboraland é que, se eu fosse capaz de escolher um tipo de amor, seria aquele que foi quase próspero e real para Harry e Hermione. Seria aquele que James e Lily conduziram por pouco tempo. Ambos são exemplos de sacrifício e companheirismo, onde as críticas não eram os maiores problemas da vida deles. Hermione sacrificou tudo para estar ao lado de Harry, um sinônimo de amizade incondicional para alguns, uma prova de amor para outros.

 

Este post de 5 páginas foi patrocinado pela igreja herética de abóboras, detentora do melhor shipper de Harry Potter. Não estamos nos livros, mas não precisamos de terapia. <3

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • Kiddo_Soulmate

    Primeiramente: [ajoelhada com lágrimas nos olhos e te reverenciando com vigor!]

    Mulher, quando eu achei que não podia ir mais fundo nos feelz Harmoniêscos (???), recebo um tapa na cara ao ler isso aqui.

    Quando as pessoas me perguntam o motivo da minha pessoa torcer por Harry e Hermione eu nunca sabia articular bem o que eu realmente sentia e o que eu via de sentido nos dois. Eu sabia o que era, só não sabia me expressar. Mas aí vc apareceu na minha vida e tudo ficou mais claro quando eu li aquele seu primeiro post. E eu, simplesmente, concordo com cada letra, vírgula e ponto.

    É realmente uma lástima que a tia JK tenha percebido isso só agora, algo que sempre foi tão ÓBVIO diante dos nossos olhos POR ANOS! Quanto ao Rony (personagem), vem cá, xô te abraçar Soulmate pq eu também nunca fui com os córneos dele e só foi tolerável por causa do menino Rupertino.

    Eu não poderia ter me expressado melhor, eu nunca, JAMAIS, chegaria a este ponto de pura introspectiva quando se trata desses dois, mas acho que isso se deve ao fato de que quando HP estava no seu auge eu era apenas uma pirralha tentando sobreviver no canto dos excluídos por gostar de H². Você, minha cara, é extraordinária com as palavras. Ler estes dois artigos acerca do nosso casalzinho amado foi como finalmente libertar o que há tanto tempo eu queria dizer, só não sabia como. E você, de uma forma tão simples, contagiante, racional e passional conseguiu fluir o que todo H² shipper sente.

    Eu só tenho a agradecer por nos agraciar com estes dois maravilhosos textos. Obrigada pela dedicação, atenção e carinho.

    E por fim, porém, não menos importante:

    "Este post de 5 páginas foi patrocinado pela igreja herética de abóboras, detentora do melhor shipper de Harry Potter. Não estamos nos livros, mas não precisamos de terapia. <3"

    GENIAL. ABSOLUTAMENTE GENIAL. [palmas]

    Te amo.

    <3