Menu:
01/mar

Devo dizer que The Vampire Diaries foi a série que nem senti falta durante o hiatus. O retorno não mudou tanto esse sentimento, pois o episódio não teve nada de empolgante e nenhum ponto novo a se pensar. A trama permaneceu presa às mesmas frescuras do Damon e dos mesmos chiliques de Katherine, uma chatice. Parece que a série entrou em um repeteco, onde o mesmo disco gira a cada semana. Enquanto assistia, permaneci em um estado anestésico para não ficar tão revoltada, pois minha esperança de que as coisas melhorariam eram praticamente nulas. Não estava tão errada. Os envolvidos com a série resolveram ganhar tempo a essa altura do campeonato e se apoiaram na enrolação. A maior piada é ter que esperar praticamente o fim da temporada para conhecer o novo vilão. Tipo, oi? Tudo para ter um gancho para o próximo ano que, a meu ver, será algo sem sentido, pois não há mais história desde a quarta temporada. A renovação me fez rir de ódio, pois será mais 1 ano de fan service, vejam bem.

 

Chorumelas a parte, Damon e Enzo começaram o episódio deixando vários rastros de sangue e eu imaginei que eles permaneceriam presos em Whitmore. Até que eles chegaram longe. A nova storyline do Salvatore era o grande ponto de interesse e até que criei certa expectativa, mas, como sempre, foi em vão. Ele continuou no posto de bebê que não ganhou a mamadeira e foi bem irritante escutar as mesmas lamúrias. Damon é um personagem que precisa de algo novo para amadurecer. Ele não é o mesmo desde a terceira temporada. Simplesmente o estragaram e este episódio deixou isso muito nítido. Foi lastimável vê-lo cheio de mimimi de novo, ainda bolado com a bica da falsa Elena. Volto a perguntar se o término fosse real. Damon não agiria muito diferente. Talvez, até pior.

 

Eu esperava que Damon voltasse a ser um personagem superior, pois há espaço de sobra na série desde que Klaus saiu. Não tem ninguém para competir pelas atenções quando o assunto é maldade, mas lá vão os gênios terminar de destruí-lo. Eu revirei os olhos incontáveis vezes com as expressões de criança chorona do vampiro. A criatura é tão orgulhosa que recusou a ideia de Enzo em pedir ajuda para Stefan, como se o irmão tivesse sido muito errado em mandá-lo passear. Damon escolheu o próprio caminho. O coração partido dele precisa ser estilhaçado ou remendado logo de uma vez, pois simplesmente não dá para suportá-lo. Ainda me pergunto seriamente como ele se explicará para Elena, pois, independente de ser Katherine no corpo dela, ele cometeu atrocidades e trollou o Jeremy pela milésima vez, atitudes que não seriam diferentes se o término fosse real. Damon precisa amadurecer com urgência, pois não dá para levá-lo mais a sério. Eu esperava que o personagem fosse melhorar depois de ter conseguido a garota, mas até isso estragaram. Qualquer chance que ele tinha de ser melhor foi anulado para torná-lo patético, um ser desesperado. Isso me entristece.

 

Para piorar a situação Denzo, Wes fez uma aparição surpresa com a gangue de Viajantes que encantaram o ambiente para que Damon se alimentasse de Enzo. Posso dizer que achei a presença do pesquisador uma completa piada? Gente, eu dei risada com a cara de bobo dele, especialmente quando ele fica enlouquecido fazendo notas mentais sobre os avanços de Damon, o paciente número zero. Imaginem se Wes fosse o real vilão da temporada? Seria um completo fiasco ou então algo muito divertido de assistir.

 

Enzo foi o personagem de destaque desta semana por mostrar que se importa com Damon apesar da punhalada anos atrás. Isso me faz pensar que ele e Stefan foram escolhidos pelo destino para remendar o Salvatore, sendo que não tem mais jeito. Eu não teria a paciência deles. Por mais que Enzo se comporte como um assassino a sangue frio, ele é mais sensato que o amigo e demonstrou que tem bom coração. Denzo na mesma cena deu para analisá-los separadamente, ambos detentores de características que balanceiam a amizade. Enzo conhece as próprias limitações e é mais racional em comparação ao Damon que extrapola e quebra qualquer regra só pra degustar a tragédia. Enzo é racional enquanto Damon é irracional, o que ajuda a tornar o companheirismo entre eles um pouco mais interessante. Enquanto o Salvatore quer ser radical, Enzo bolou todo um plano para manter a sobrevivência dele, ao ponto de cronometrar até a fome do comparsa. Ainda me pergunto como Enzo e Stefan aguentam Damon de vez em quando. É muito amor!

 

Para não dizer que Damon ficou na pele de um vampiro velho e resmungão, a preocupação dele com a ideia de morder Stefan e Elena merece muitos créditos. Como sabemos como o triângulo funciona, seria bem animalesco se Damon mordesse a jugular da ex-namorada para magoar o irmão, mas, mesmo fora de si, ele sabe que os dois são as únicas pessoas que lhe resta. Stefan e Elena deveriam tirar umas férias de Damon, mas ambos se importam também, o que torna tudo uma teia recíproca de desentendimento. Em alguns momentos, me comovi com a injúria dele, especialmente no final do episódio quando ele se preocupa com a vida de Elena e fala meio bêbado com Stefan sobre o fato “dela” ter dado a ideia de matá-lo. Enfim, como Stefan disse, ele precisa parar de ser um pé no saco.

 

Alguém me explica o comportamento insano de Katherine neste episódio? Juro que se a encontrasse na rua, eu daria uns tapas nela. Quando a ideia de troca de corpo veio à tona, eu sabia que seria a pior ideia do mundo, pois isso mexeria com o ponto que é praticamente um tabu na série: o maldito triângulo amoroso. Alguém poderia me explicar também essa vontade louca dela se livrar do Damon? Eu não lembro desse ódio todo e está totalmente sem sentido esse fogo dela em querer eliminá-lo para ter Stefan só para ela. O que uma coisa tem a ver com a outra sendo que, em tese, ela tem controle permanente do corpo de Elena? Eu fiquei irritada com a Kath pela maneira desmiolada que ela começou a agir perto de Stefan, uma adolescente irritante sendo que a personagem não tem mais idade para isso. Essa vida de parasita pode ser muito bacana para alguns, mas chegou a um nível de desrespeito. Sem contar que Kath cogitar em tornar o problema de Damon em uma possível vitória própria para eliminá-lo foi enojante. Por mais que a Santa Gilbert me irrite, a personagem precisa voltar logo para terminar essa palhaçada escrupulosa que até eu fico ofendida.

 

A ideia da troca de corpo poderia ter uma storyline inusitada para dar um novo gás ao seriado, mas esse papo de Katherine querer tudo se tornou uma aventura de volta ao colegial completamente forçada e intragável. Nina é sensacional na pele das duas personagens e, como já disse em reviews passados, uma coisa é ter Katherine em um ou dois episódios, outra é tê-la o tempo inteiro. Quando ela escorregou durante os estudos com Stefan tive um pouco de fé de que a máscara cairia e fiquei tão feliz quando isso aconteceu no final do episódio. O que foi a viagem? Tinha necessidade daquele show de sabotar o carro e sujar a roupa de graxa? Não, né? Houve cenas engraçadas, não vou mentir, pois ver Katherine destrambelhada sempre foi uma graça, mas agora tudo soa falso, bem a cara dela. Eu não tenho porque esconder meu mimo pelo Stefan e vê-lo ser atraído, pouco a pouco, me fez querer bater a cabeça no chão e arrancar meus miolos. Durante a cena do quarto de hotel, meu maior medo foi que ele dormisse com ela. Juro que ele entraria para a minha lista negra.

 

O que me deixou bem irritada também é a maneira como Stefan ficou no meio disso e cego ao que acontecia por ser bom demais. Ele não tem a malícia de Damon que foi simplesmente genial ao notar as segundas intenções da suposta Elena. Stefan é puro e chega a ser repetitivo, pois já está na hora dele ver que o mundo não é só poesia. Eu via tristeza no rosto do Salvatore ao longo do episódio, aquele sentimento cruel de querer e não poder ter. Ele se limitou muito contra as investidas de Katherine e, quando ele dá uma recíproca, meu coração foi parar na garganta por temer o pior. Stefan ainda ama Elena e foi pensando nela que ele retribuiu 5 segundos de beijo. Sem contar que ele é homem e homens não pensam muito bem quando vê uma garota toda soltinha como Katherine. Ainda mais quando é a cara da ex. Claro que depende da canalhice e Stefan não é canalha. Ele recuou assim que percebeu que cometeria uma estupidez. É triste vê-lo ainda apaixonado por Elena, pois a garota o magoou demais. Dentre tantas coisas que eu queria é que parassem de fazê-lo de otário.

 

Pergunta que vale mais que barras de ouro: será que Elena sente ou tem consciência do que acontece no entorno dela? Sei que Katherine tomou o controle, mas seria possível? Mesmo Elena não podendo reagir?

 

O nível de amadurecimento de Stefan me choca. Nas primeiras temporadas, ele tinha toda aquela insegurança quando Elena respirava o mesmo ar que Damon, agora, mesmo limitado a não poder sentir o que ainda sente, ele recua e age de uma maneira muito tranquila. Em nenhum momento o vampiro deixou de colocar senso na cabeça da suposta Elena na tentativa de fazer Delena voltar, pois sabe que metade das burradas cometidas por Damon é por causa dela. Stefan conhece o irmão quando o assunto é estar apaixonado por ela e não retrocedeu a escolhê-lo de novo. Caroline simplesmente foi um anjo ao aconselhar o amigo a tirar a culpa dos ombros, pois foi o Damon quem escolheu o caminho das trevas ao lado de Enzo. Stefan tem demonstrado um autocontrole muito marcante para um personagem que não se deu bem desde que a temporada começou. Ele deveria estar perturbado, mas sempre opta pelo melhor das pessoas. Se é isso que o faz seguir em frente, ótimo. Melhor que choramingar.

 

Você percebe o quanto um personagem amadureceu pelas falas dele. Stefan simplesmente acabou com todas as exclamações de Damon e achei engraçado demais quando ele indaga sobre quem inventou o ripper lifestyle. Sabem o que acho muito bizarro também? É que o irmão mais novo age como babá do mais velho, sendo que deveria ser supostamente o contrário. As cenas Defan deste episódio foram incríveis, especialmente quando Stefan dá um jeito de controlar a sede do irmão. Está aqui mais uma prova de quem é o Salvatore de valor, sendo que, no mínimo, quem deveria representar metade desse papel era Damon. Ele é o mais velho. Ele deveria dar o exemplo. Stefan o admira e esse sentimento não o faz desistir dele. Entre amor e ódio, Stefan consegue encontrar motivos para respeitá-lo e isso é bonito se não fosse trágico.

 

Sobre os plots menores, Tyler merece meus parabéns por ter dado um fim (nem que seja parcial) na história que possui com Caroline e por ter mordido Nadia. Matt também merece um pouco de carinho por ter feito algo relevante que ajudou Stefan e Caroline a juntar A+B que deu em Katherine. A conversa dele com Nadia foi muito legal, pois deu chance para ela pensar sobre o comportamento da mãe. Com a mordida, a relação mãe e filha será colocada em teste e quero ver como Katherine segurará a máscara, ainda mais porque agora todo mundo sabe o que ela fez. Com certeza, rolará uma chantagem básica.

 

Questões a se pensar:

 

O que diabos esses Viajantes tanto cantam? É bem provável que eles tenham a ver com o grande vilão da temporada, mas não quero que o papo doppelganger volte – mesmo sabendo que voltará, pois foi a promessa desta temporada.

 

O defeito em Damon terá algum tipo de cura? Não acho que Wes tenha desenvolvido uma substância que pudesse ajudá-lo. Espero que não inventem coisa tosca.

 

E qual é o outro favor que Enzo fará por Wes?

 

No mais, não foi um episódio incrível, mas também não diria que foi totalmente dispensável.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • Luiza Morena

    Eu que fico feliz por pessoas como você escrever e descrever claramente pontos importantes de cada episódio, atingindo sentimentos que é difícil até para nós mesmos percebermos. Os fãs agradecem, querida.

  • heyrandomgirl

    Olá, Luiza, tudo bem? Obrigada pelo comentário!
    Eu fico bem contente por encontrar pessoas que pensam como eu. Às vezes, acho que sou radical demais com a série, sendo que ela é uma das que pertencem a minha lista de favoritas e é a que mais tem me decepcionado desde então. Às vezes, acho que estou falando abobrinha, mas, como disse na resenha, eu resolvi me anestesiar, pois, se eu começar a botar defeito em tudo, é mais fácil parar de assistir. Há personagens a se apegar ainda, no meu caso é o Stefan, mas não dá para mentir e dizer que tudo está uma maravilha, sendo que não está.

    Eu sempre fui muito apaixonada pela Kath e ela decaiu muito neste episódio e ficou muito superficial. Como você mesma disse, zombaram da inteligência dela em conquistar tudo o que deseja. Elena vulgar e burra. Eu adorei isso que você pontuou, pois é exatamente isso. A trama está muito fraca, não tem envolvimento. Se fossem mais inteligentes, teriam segurado Tessa e Silas um pouco mais. Eu sinto que esta temporada está dividida em fases. O primeiro arco foi doppelganger, agora vem Kath, quando encerrar a Kath chegará os viajantes, mas nada empolga mais como antes. Eu tbm cheguei a sentir pena do Damon, mas isso lá no final do episódio Hahahaahah.

    Eu sou muito suspeita pra falar do Stefan e tento sempre me controlar e adorei saber que você também se sente da mesma forma. Apesar de todo meu amor por ele, o personagem cresceu. Aprendeu muito desde a perda de Elena, uma temporada no cofre sendo esquecido e depois com o estresse pós-traumático. Ele foi o personagem que ficou mais perdido, mas foi o que mais aprendeu e cresceu. Ele é o único que tem me deixado satisfeita e se distancia demais da bolha que os outros personagens ainda são mantidos.

    Adorei todos os seus pontos. Adoro encontrar ou ser encontrada por pessoas que gostam de discutir TVD de uma forma consciente. Isso é sempre tão bom <3 Mto obrigada pela visita e pelo comentário <3