Menu:
02/jul

1. Como você entrou em contato com os livros.

 

Vamos começar este Desafio. Aew!

 

Se eu disser para vocês que não cresci nem um pouco interessada na leitura vocês acreditam? Pois é. Eu tive muitos livrinhos infantis de leitura rápida. Lembro-me de um da Rapunzel que era no formato pop-up, com duas fitas que, amarradas, formavam um cenário. Era possível até pendurá-lo no lustre. Acredito que meu interesse por livros cresceu no ensino médio, pois comecei a levar a sério a lista de títulos obrigatórios para leitura. Tudo bem que eles não eram minha prioridade, pois estava muito ocupada em amar os Backstreet Boys e a Britney Spears. Contudo, foi nessa época que entrei em contato com Pedro Bandeira e Shakespeare.

 

Na infância sempre fui mais ligada ao videogame, aos desenhos, a pular elástico e tudo mais. Nunca fiz dos livros uma prioridade, um detalhe que melhorou com o passar dos anos, de um jeito que minha prateleira está prestes a desabar. Quem tornou isso possível foi Harry Potter. Sem vergonha, eu faço parte do grupo de pessoas que começaram a investir na leitura graças ao contato com a saga da tia Rowling. No regrets!

 

Era 2001 quando Harry Potter caiu no meu colo em meio a uma situação um tanto quanto bizarra. Foi algo meio “Draco Malfoy empresta um livro para Harry Potter”, pois a pessoa que me apresentou a saga pertencia a minha lista negra. Como tudo na minha vida acontece de um jeito desordenado, com o menino bruxo não foi muito diferente. O primeiro livro da saga que li foi Harry Potter e a Câmara Secreta. Essa pessoa ficou de me emprestar os demais, pois ela só tinha me indicado esse título para ver se eu gostava, mas não houve tempo. Harry saiu da casa dos Dursley para Hogwarts, e eu saí da escola que passei metade da minha vida para finalizar dois anos do ensino médio em outra.

 

Assim, foi bem barra. Nem tive tempo de saber como Harry descobriu que era bruxo, mas, na época da transição, nem dei tanta bola. De uma rotina da qual estava acostumada há anos, lá estava eu de frente para o desconhecido. Literalmente. Porém, o bruxinho não passou nem um pouco batido, pois amo a internet e foi lá que descobri coisas valiosas.

 

Então que ingressei no 2º ano do ensino médio em uma escola muito longe de casa e foi um pesadelo ter que correr atrás de se enturmar sendo que não tinha mais esse hábito. Afinal, eu passei anos com a mesma turma. Eu não era obrigada a me reapresentar, pois sempre estudei com as mesmas pessoas. Se é uma coisa que eu não curto é correr atrás dos outros e eu acabei sendo encontrada, justamente por uma pottermaníaca. O início de uma amizade começou por causa de um fichário com o símbolo de Hogwarts e com a seguinte pergunta: você gosta de Harry Potter?

 

Foi amor à primeira vista e, como tinha que ir para a escola de trem, comecei a encarar essa minha nova aventura como uma ida à Hogwarts. Lílian e eu fizemos de um ambiente de ensino o nosso lugar mágico. Nós nos tornamos personagens à parte da saga. Foi ela quem me emprestou os demais livros para ler (acho que deu para sacar que eu não tinha dinheiro para comprar nenhum, né?). Foi ela quem me deu de aniversário o VHS de Harry Potter e a Pedra Filosofal. Foi com ela que bolamos um plano para assistirmos Harry Potter e a Câmara Secreta no cinema. Foi com ela que fui ao primeiro evento potteriano. Inclusive, foi com ela que escrevi minha primeira fanfic sem ter ideia do que fazia. Se eu tenho uma pessoa a agradecer por ter firmado Harry Potter na minha vida é ela. Te amo minha Ginny <3.

 

O que marcou também esse meu contato com os livros foi que tive que ralar para comprá-los. Com 16 anos fazia aqueles bicos de final de ano na loja em que minha mãe era gerente para ter dinheiro. Eu só tinha em vista ter a saga para poder relê-la. Quando saí da livraria com todos eles, quase me joguei no chão de tanta emoção. Foram os primeiros livros que chamei de meus, pois suei para tê-los. Eu não tenho palavras, só sei sentir essa nostalgia tremenda.

 

Não tenho vergonha de dizer que me tornei uma leitora melhor por causa dos livros de Rowling, pois não tinha paciência. Era daquelas que sentia sono enquanto lia, juro! Nem era por preguiça, mas não sentia vontade de ir adiante. Quem conseguia fazer isso na época era Pedro Bandeira com Os Karas (livro que li milhões de vezes), meu primeiro e eterno amor literário que tem um carinho especial na minha prateleira.

 

Harry Potter incitou essa minha fome por livros, embora eu tenha passado muitos anos só lendo e relendo a saga porque para mim não existia melhor obra. Agradeço a todos os envolvidos.

 

Amanhã o desafio continua com a seguinte questão: os dois livros favoritos e os motivos.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3