Menu:
06/jul

5. Estudante favorito durante a Era Potter em Hogwarts.

 

Draco Malfoy. Quando ele zomba o Rony antes da Seleção das Casas, foi amor à primeira vista. Acho que o único momento em que o odiei foi ao humilhar a Hermione na frente de meio mundo na Câmara Secreta. Tirando isso, só queria ser a esposa dele, fato.

 

O que eu gosto no Draco é que ele foi um dos personagens que teve um incrível desenvolvimento ao longo dos 7 livros da saga. Se bobear, acho que foi até melhor que o do próprio Harry. O menino cobrinha começou como uma criança mimada, que não escondia certa devoção e dependência do pai, e que gostava de ostentar sua riqueza, especialmente ao estar diante de um Weasley. Petulante, porém, engraçado demais. Sério! Eu não ficaria ofendida se ele me chamasse de sangue-ruim, pois eu daria muita risada. Não tem como levá-lo a sério na fase kid.

 

O que mais me encantou no Draco foi a fragilidade demonstrada ao longo de Enigma do Príncipe. É ali que descobrimos o real caráter dele e o duelo de ter vergonha de admitir que precisava de ajuda. A vergonha de admitir que estava inseguro. Ao hesitar diante de Dumbledore, descobrimos que o sonserino não passava de mais uma peça nos jogos do Voldemort (citando Peeta Mellark). O bruxo não queria estar lá, mas não teve opção. Afinal, ele foi a punição dos Malfoy por causa da falha de Lucius no Ministério da Magia. Harry poderia muito bem tê-lo ajudado, mas, novamente, ele optou seguir e obedecer o pai.

 

Enquanto Harry tinha crises de criança órfã, muito mais petulante que o próprio rival da escola, Draco foi manipulado ao longo do crescimento. Literalmente, o sonserino foi moldado para ser perfeito. Isso o impediu de ter uma personalidade e de falar por si mesmo. O sarcasmo era o mecanismo de defesa, mas, no fundo, era fato que ele queria fazer parte da zoeira contra o Voldemort. Muitos podem não ver, mas Draco é um dos personagens mais palpáveis. Ele cresceu dentro de um regime rígido e aprendeu que sentir é coisa de gente fraca. Com certeza, o menino se privou de muitas coisas por medo. Draco recebeu uma educação para ser o 2º homem da casa na ausência de Lucius. Ter um pai que vive de aparência como inspiração não poderia tê-lo feito agir de um jeito muito diferente.

 

Nunca deixarei de pensar que a implicância de Draco com certas coisas foi por mera carência. Em O Cálice de Fogo, ele apoiou o Potter Fede para chamar atenção. Em A Pedra Filosofal, ele ficou frustrado por não ter o Santo Potter como melhor amigo, o que assinou o recalque eterno dele. Draco cresceu em um lar que todo mundo chamaria de ideal, mas ele não recebia carinho suficiente. Acredito que Narcissa nunca demonstrou tanto amor, pois Lucius era o ponto de choque, que via o filho como um futuro Comensal da Morte. O personagem não contou com companhias ideais para amadurecer, mas ele mudou a cada livro motivado pelas circunstâncias. O bruxo é aquele tipo de pessoa que cresceu recebendo tapas da vida. Ele não passou de uma figura solitária que tentou se adequar às tradições dos bruxos de puro-sangue. E se deu mal, muito mal. Poderia ter sido pior, mas o saldo no final da guerra é que, provavelmente, ele se tornou uma pessoa com um ponto de vista diferente sobre a vida.

 

 

Draco confrontou seus próprios medos. Seus próprios fantasmas. O que sempre imaginei dentro da Malfoy Manor é que ele era um simples joguete que, no máximo, deveria esboçar algum tipo de opinião sobre o que sentia só para a mãe. Tudo em segredo. Acho que Narcissa não teria se empenhado tanto em salvá-lo se soubesse que o filho tinha inclinação para ser como Bellatrix. O personagem nunca teve independência, nem muito menos o direito de opinar. Dominar um bando de sonserinos foi um meio de mostrar o quanto ele era tão bom quanto o pai, mas o tiro saiu pela culatra. O bruxo foi uma peça do Lucius, movida conforme as necessidades. Mais tarde, do Voldemort. Não é à toa que Draco foi responsável por um dos desfechos mais épicos de um livro da saga ao plotar contra Dumbledore, e é aonde vimos que ele foi uma pessoa que cresceu sem muita alternativa.

 

Ao longo da saga, vi uma criança insegura que se transformou em um adolescente que não tinha coragem de pedir ajuda. Draco poderia muito bem recorrer ao trio, de um jeito parecido ao que aconteceu entre Snape e Dumbledore, mas se é uma coisa que ele herdou muito bem foi o orgulho de pertencer a uma linhagem divosa do mundo bruxo. O único defeito de Draco Malfoy foi ser humano. A humanidade que tenho certeza que ele herdou da Narcissa.

 

Aproveito para dizer algo sobe a Narcissa: a bruxa sempre foi a personagem que eu via na corda bamba por ser a irmã Black mais nova. Bellatrix herdou toda a loucura. Andrômeda virou a casaca. Ficou na responsabilidade da bruxa aparentar a normalidade que os Black não tinha. Narcissa é a mulher bem-sucedida, bem casada, bem de vida, bem de marido, bem de amante (que eu sei que teve ao menos 1, mesmo ela não me contando), bem de filho. Enfim, os Malfoy seriam a família perfeita. Narcissa deve ter duelado muito para não ser mais uma desequilibrada da família. Assim, entramos no dilema dela, do marido e do filho: viver das aparências.

 

Enfim, Draco é um dos meus milhões de personagens favoritos justamente por causa dessa dualidade, desse conflito, dois itens que foram bem desenvolvidos e explorados conforme ele crescia. Sim, ele poderia ter inveja do Harry, mas eu diria que era aquela inveja boa, sabe? Só parecia ruim porque, de novo, o sonserino precisava manter as aparências. Eu diria que Draco, se tivesse oportunidade, seria um Sirius 2.0. Simplesmente chutaria o balde, mas ele teve a sorte de ter uma mãe que, apesar dos pesares, o amou e o protegeu.

 

E tudo isso que me faz considerá-lo um dos melhores personagens da Era Potter.

 

Amanhã o desafio continua com a seguinte questão: o personagem que mais gosto.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • heyrandomgirl

    Sério que vc não curtia o Draco? Gente, eu amo criança insolente. Lembro que me encantei com o Macaulay Culkin em O Anjo Malvado. Não que seja o caso do Draquinho, mas gosto de um jeito estranho de crianças petulantes. É bom para dar umas puxadas na orelha. O bichinho era apenas carente.

    Luna <3 Eu pensei em falar dela. Eu não sou chegada no trio, nunca fui. O mais próximo foi com a Hermione, mas, de resto, dispenso. Ah! O Neville <3 Amo como ele cresceu tbm.

  • Mônica Oliveira

    Eu tinha tanto ódio pra Draco no começo! Hahahaha. Mas depois de um tempo, principalmente depois do Enigma, ele se tornou um dos meus favoritos também.
    Outra que eu adoro é a Luna. Só realmente não gosto do Harry, da Hermione (sorry XD) e da Gina.

  • Karla Kelvia

    Ai, deixa eu ver… eu amo tos personagens. O Harry, o Dumbledore (sim, prima rsrssr)… mas acho que a Hermione tá naquele patamar de adoração, sabe? Nossa, não teria HP sem a Mione. Ela é o alicerce, a sabedoria, o elo. Mione é forte, é mãe, amiga, namorada, enfim, além de ser gênia, né? Mas devo dizer que desde a Ordem, uma outra personagem realmente disputa um pouco com ela no meu coração, que é a Luna, acho que é pq as duas são a minha personalidade, sabe? Mione tem o lado nerd, focada, estudiosa, gosta de cuidar, se preocupa; a Luna tem o lado meio distraído, gosta tb do etéreo, do impalpável, e isso tb me instiga.