Menu:
30/jul

Lá vamos nós com mais uma resenha de Teen Wolf. Este episódio serviu para formar aliados, unir velhos inimigos e esclarecer algumas coisas no meio do caminho. Estou fora de mim com tudo que aconteceu. Como na semana passada, a trama situou os personagens e preencheu novas lacunas. Se antes Scott e Cia. não tinham quase nada, agora a turma possui basicamente tudo, porém, nada veio de graça já que algumas cabeças rolaram (RIP Meredith). Se a ideia foi transmitir controle, o que aconteceu foi um efeito dominó, cuja primeira peça foi retirada por Kate, responsável pelo ritmo desnorteador, banhado de ação e que promete plot twists avassaladores. Ao menos, essa foi a impressão deixada na promo da mid-season que rolou no painel de Teen Wolf na Comic-Con (como aquela felicidade de uma 5ª temporada com 20 episódios, hein? Agora não tem desculpa pro Sharman não fazer uma pontinha). Isso me fez preparar os calmantes. De gracejo, ainda houve revivals (Sterek!) e o que pesou nem foi a Kate descontrolada, mas o toque humanizado que mais parecia um tapa de tão dolorido. Juro que tinha momentos que eu estava prestes a chorar junto com o Scott. Assim não dá!

 

A trama abriu com um flashback de 4 semanas atrás, indicando o timing em que Kate já tinha escapado dos Calaveras. Ainda bem que a personagem retornou, pois o subplot dela estava muito de lado e, até então, dava a impressão que não se encaixaria em nada com o plot central. Por intermédio da were-jaguar, conhecemos os Órfãos que não passam de mandantes liderados pelo Benefactor. Se estou satisfeita com a resposta? Não. Esperava mais. Considerando o lado serial killer do Garrett e da Violet, o comportamento deles não se justifica apenas com a ausência familiar. Tem gente que passa por coisa pior e nem por isso age que nem louco. Contudo, vale lembrar que a motivação em torno da lista é meramente monetária. Quem não tem eira e nem beira não recusa uma oportunidade dessas. Eu queria que o passado da Violet e do Garrett fosse mais trash, mas ambos acabaram mortos sem darem as devidas explicações e, confesso, fiquei meio infeliz. Eles mal foram revelados e já foram silenciados. Enfim, quero pensar que haverá mais respostas sobre esses Órfãos, especialmente porque Scott terminou com a fita.

 

A presença de Kate não foi apenas importante para mostrar as raízes dos Órfãos, mas para frisar de novo a importância do triskle x controle durante a transformação. Pela fita, ficou claro que o desenho é destinado para quem nasceu com gene de lobito e eu não sei bem se funcionaria com ela. A personagem também mostrou de que lado da moeda está e muito me surpreendeu o interesse em caçar o Benefactor. A doida varrida sabia da grana e muito provavelmente deve ter conhecimento da lista de morte. Isso me deixou com a pulga atrás da orelha, pois, até então, a meta dela era conseguir o que quer que fosse com Derek e fugir. Kate parecia bem inteirada e empenhada em matar os Órfãos. Um detalhe que não faz sentido, pois agindo assim não se chega nem no rastro do financiador.

 

Foi interessante vê-la no controle dos Berserkers, o que deu a entender que ela só quer a cabeça do Benefactor e, para isso, focou sua busca em quem recebeu a fita. Kate sabe jogar muito bem e o que me espanta é ela estar por dentro de tudo sendo que, em tese, deveria estar foragida. Inclusive, o problema dela é a ausência de controle. Então, o que diabos a ex-caçadora quer com a incógnita da temporada? Certeza que a personagem sambará linda com o acordo feito com Peter, pois ele não teria se insinuado sem uma carta coringa na gola V. Ele a eliminará assim que conseguir o poder que tanto deseja. O que pega agora é que houve uma mudança na storyline de Kate, pois está óbvio que o foco é Scott.

 

Mais uma vez, o episódio não se esqueceu do senso de continuidade e o drama prevaleceu na escola depois da partida de lacrosse. Vimos Violet ser presa e ser consternada com a verdade. Eu não fui com a cara dela, então, foi tarde! Graças a esse ocorrido, Liam e Scott tiveram as primeiras cenas como uma dupla imbatível (ou quase), o que me fez morrer de amor. Ficou evidente que Liam não precisa mais provar o quanto confia no seu chefe e Scott não fez pouco caso ao dar mais liberdade para o pupilo agir dentro do dilema da vez. O interessante é que, durante o desenrolar dos fatos, o Lobito duelou com uma crise de caráter, algo que nunca o abateu tão forte como agora. Deucalion bem que tentara mudá-lo, mas acredito que quem tentará fazer isso de novo é Peter. Além disso, Scott ainda se viu na saia justa por causa das dívidas de Melissa e do montante de dinheiro que pode até ajudar Stiles. São nessas horas que vejo o quanto amo Teen Wolf por causa dessa intenção de manter a humanidade presa à trama, independente da quantidade de criaturas sobrenaturais.

 

Eu fiquei com tanta dó da Melissa. O toque tenso e emocional ficou nas costas da personagem que estava desolada com tanta conta para pagar. Essa abordagem é sempre ótima, pois mostra que, independente de ser lobisomem ou Banshee, a vida desses adolescentes continua. Que nada é fácil. Que tudo ainda exige pé no chão. Quem ganhou um pouco do meu amor foi o papa McCall. Não teve como não achar fofa a maneira como ele foi atrás do Scott, mostrando de novo que está empenhado em fazer a diferença e dando uma força para Melissa. A vida não tá fácil para ninguém, nem mesmo pro Lobito Alfa.

 

Quem também fez meu coração ficar na mão foi o Liam. Eu não consegui suportar esse menino dentro do poço. Nem muito menos as tentativas dele em sair de lá. O que foi o abraço entre Beta e Alfa? Gente, não pode forçar a barra desse jeito porque meu coração é frágil. Essa lealdade é demais para minha saúde, especialmente porque Derek nunca teve esse tipo de relação quando Scott estava em transição. Tenho muitos créditos para dar ao Liam que, mesmo empacado, foi responsável em dar as melhores cenas ao Scott (até então). Como um choque de realidade tende a trazer resultados positivos, a quase perda fez o Lobito decidir pela mudança da roleta do jogo. É um bom momento para adotar o código dos caçadores, né?

 

Tenho que dizer que acho linda a atitude de Scott em querer salvar todo mundo, mas está na hora da dose de realismo, né? Depois de 3 temporadas, o personagem ainda é alvo fácil. Ele é Alfa, pelo amor de Deus! O que me preocupa é o delicado fato dele ter um X na testa tanto da tia Calavera como de Peter. Eu quero muito que Scott se poste como um verdadeiro líder, que trabalhe tática e ataque junto com o bando. Acima de tudo, que ele seja mais frio. Acho que as coisas daqui para frente serão intensas, pois, enquanto ele acredita que tomará o caminho certo, muitas bombas serão jogadas para tirá-lo do percurso.

 

Quem teve uma relação surpresa e muito boa na minha opinião foi Derek e Malia. Eu jamais pensei que ambos funcionariam tão bem no mesmo frame. Derek continua engolindo em seco a realidade da perda dos poderes, o que me fez lembrar do que Hoechlin disse na Comic-Con sobre seu personagem: sexy Hale passará por uma longa reflexão sobre quem é sem o mojo de lobisomem. Uma informação que deu para sentir neste episódio. Ele jamais falaria para Malia sobre a ausência do faro, pois ela não hesitaria em contar para Stiles que automaticamente tagarelaria para Scott. O personagem deu um show de aula para inteirar a garota dos acontecimentos e acho que ele foi mais professoral que na época do Scott. O lobisomem em crise foi muito paciente para quem adora meter um carão.

 

Amei a oportunidade dada à Malia. Foi uma chance de mostrá-la além do arco amoroso. Mesmo na missão com Derek, ainda estão evidentes as falhas e as inseguranças da personagem que foram deixadas de lado para que ela desse o melhor. Malia precisava muito desse momento para mostrar que não está em Beacon Hills apenas para agarrar o Stiles. Ela tem aprendido muito com ele se querem saber, o pedido para pensar como detetive foi a cereja do bolo. Mesmo com todas as incertezas e a ausência da sensibilidade humana, a werecoyote fez pouco e arrasou. Quero mais cenas dela individualmente.

 

Stiles e Lydia voltaram a ser a dupla de investigação e de raciocínio rápidos. Estava com saudades de vê-los juntos. O interessante é que não houve nenhum peso amoroso ou comentários sobre Malia. Amém! Ambos estavam focados na última lista e isso fez as interações valerem muito a pena. Melhor ainda foi a inclusão do Parrish e a passadinha na Casa dos Ecos para abordar Meredith. O abraço que Stiles dá em Lydia depois de saber o que aconteceu com a outra Banshee foi de arrebentar o coração, mas, mesmo em uma situação triste, Stydia conseguiu quebrar a 3ª senha com sucesso. Nela constam os nomes de Malia e de Liam, e isso confirma que o Benefactor é alguém que está acompanhando/acompanhou de perto o que acontece. Eu pensei muito no Chris durante as 2 semanas que se passaram, mas ele me fez mudar de ideia. Chamem as Little Liars para darem uma força!

 

Não é segredo para ninguém que Chris é meu xodó. Ele acabou comigo neste episódio. Eu senti que ele queria apanhar dos Berserkers por autopunição, sabem? Por mais que essas criaturas sejam fortes demais, não captei força de vontade do caçador em capotá-los. Há muitas formas de luto e há meios estranhos para aliviar o que se sente. Punir a si mesmo é uma delas e não me espantaria se Chris tivesse se deixado levar pelos socos e pontapés para tentar aliviar a perda da Allison. O confronto dele com a Kate fez meu coração bater na garganta. Eu esperava por isso desde o começo da temporada e a maneira como o caçador agiu, acabando com o cartucho da metralhadora sem dó e nem piedade, explodiu minha cabeça. Fiquei largada quando ela o poupa, o que deixou a nuance de que de certa forma a were-jaguar se preocupa. Que de certa forma ainda há humanidade no coração dessa doida.

 

Como Peter pontuou no final do episódio, Kate quer a ascensão da família. Para isso, é preciso controle. Não acredito que Chris a aceitaria de volta, mas tudo pode acontecer, certo? Para concluir, preciso parar de derreter toda vez que o caçador trata Scott com tanto cuidado e carinho. Eu desconfiei desse tratamento na 1ª aparição do personagem nesta temporada, pois ainda há a incógnita do quanto ele despreza a galera pelo ocorrido, mas, depois do que vi, acredito que Chris culpa mais a si mesmo que qualquer outra pessoa. Acho que rolou um momento de penitência que deixou no rastro o sabor azedo do fracasso. De novo…

 

O episódio foi aflitivo e pesado no quesito emocional para muitos personagens. Scott agora tem uma grana boa que pode ajudar até mesmo Stiles. O problema é que ela é do Peter, né? A trama trouxe à tona o melhor e o pior de todo mundo. Estou com medo do que está por vir.

 

A refletir:

 

Peter quer o mojo Alfa de Scott. Esse plano não é de hoje. Na S4A, o demônio da gola V entoou em alto e bom som diante do Nemeton que é o Alfa. Eu não entendi o que ele quis dizer, até porque esse foi um ponto não trabalhado na S4B. Isso me marcou, pois achei uma tremenda falha no roteiro. Pelo visto, esse é o momento das respostas. Kate terá o controle que almeja e não hesitará em dar de volta o que Peter quer. É irônico, pois voltamos aos acontecimentos da 1ª temporada: Peter x Kate x Scott. A diferença é que Derek foi descartado com classe e com propósito, pois o titio dele está se deliciando com essa perda lenta de poderes.

 

Quem sabe Peter é o Benefactor? Eu não votaria nele, pois o subplot do personagem soa como mais uma tramoia para ser o rei do camarote. Eu matutei sobre essa possibilidade, especialmente neste episódio em que ele cobra o dinheiro para Kate, sendo que ela estava atrás do mandante da lista de morte… Há muitas divergências de informação aqui, especialmente porque a were-jarguar prometeu dar a outra metade da grana que está com Scott, não? Peter pode muito bem ter bolado o assalto ao cofre, ter feito a lista de um jeito a inserir o próprio nome para não levantar suspeitas, ter matado o Mudinho para não estragar o plano e, de certo, poderia muito bem ter passado o rodo na Meredith por causa da 3ª senha que tem a ver com a morte de Derek. Peter foi muito frio e urgente ao matar o Mudinho, um comportamento que pode ser usado contra ele. Sem contar que Derek sem poderes é uma força a menos para Scott. Saudades bando da 3ª temporada, saudades.

 

O que diabos a Braeden estava fazendo no meio do nada?

 

O que o Parrish é? Fiquei chocada com a ignorância do personagem. Só sei que a inteligência dele foi ressaltada de novo. Quem sabe, ele lê mentes? Socorro! Prevejo uma manifestação perto do season finale.

Quero saber mais da saga dos Órfãos. Toca a fita Scott!

 

Foi impressão minha ou o papa McCall foi muito assertivo ao jogar a verdade na cara da Violet? Eu achei bem estranho.

 

Derek, você morrerá?

 

PS: Cadê a Kira? Sabe o que é pior… Começo a achar que a personagem não tem tanta utilidade assim, pois a trama funcionou muito bem sem ela. Sem contar que cada um estava muito bem distribuído nos afazeres. Sad but true.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3