Menu:
19/fev

E mais um episódio rotineiro que nos aproxima do season finale desta temporada de Pretty Little Liars. Novamente, as meninas ficaram presas aos seus dramas pessoais e o único ponto de interesse, e que conseguiu agitar um pouco as coisas, foi o menino Mike. A trama teve muitos feelings adolescentes que têm muito a ver com o desejo das meninas em se encontrarem e, ao mesmo tempo, transitarem para uma vida longe de Rosewood. Nada como preparar esse terreno cheio de esperança para que A faça uns belos estragos, algo que começou com Hanna, que tem sido a preferida e a mais testada das Liars.

 

Sem conflitos extraordinários, as meninas continuaram focadas em Mike e nos possíveis serviços dele prestados para A ou para a Rainha da Maldade. Suei frio quando Spencer alcança uma das latinhas no frigobar, que tinha uma amostra de sangue. Tenho que dizer que achei brilhante o colar em código Morse, que se revelou ser para a Mona, o que mais uma vez exaltou o quanto a personagem foi (ou é?) inteligentíssima para entender a mensagem.

 

Tenho que agradecer pelo fato do Jonny ter ido embora – ao menos é o que aparenta, pois PLL ensinou que ninguém está apenas de passagem. Se ele durasse mais um pouco, arrancaria meus olhos, pois esse plot da Spencer atingiu o auge da irritação. Ok que achei superválido ela sair um pouco da pressão A/Ali. Essa é a Liar que sempre carrega tudo nas costas e, de fato, viver como uma adolescente é algo que tem lhe faltado. Porém, a personagem se deixou levar demais e foi facilmente contaminada pela arrogância desse cidadão. Para quem surtou com o vandalismo na semana passada, muito me espantou essa boa vontade de furtar o desenho. O cúmulo da falta de coerência. Cadê o desespero de já ter ido presa? Cadê o medinho da polícia bater na porta dela?

 

A única parte engraçada dessa loucura da Spencer foi como ela se sobressaiu nas artimanhas de abrir a fechadura e liberar os quadros. Nada como viver anos desvendando os plots de A.

 

O que me deixou mais enfurecida com Spencer foi a ignorância para cima do Toby. O pedido para ele “parar de ser policial por um instante” me fez revirar os olhos. A Liar sempre foi a mais madura do quarteto e, de repente, regrediu? Resolveu bancar a adolescente mimada, influenciada por um Zé que nem conhece direito? Como ela, sempre tão sensata, exige isso do namorado que engatou essa carreira para protegê-la – pela milésima vez? Foi egoísta em todos os sentidos. Foi o cúmulo também a personagem investir em argumentos incabíveis para proteger o comparsa. Foi furto, Toby atendeu ao chamado e exerceu a função.

 

Aceita que dói menos!

 

Leio muitas reclamações sobre o comportamento do Toby e não entendo (na verdade entendo sim. É o famoso apego ao shipper). O personagem optou em ser policial para ser justo, algo que não acontece há muito tempo no DP de Rosewood. Parece que a galera gosta mesmo de um Garrett ou um de Wilden, né? Torturadores, assediadores e abusivos. Toby está no dever dele. Está na ética. Não tem o que discutir sobre o comportamento dele. E foi inaceitável Spencer perder a cabeça com isso.

 

Para vocês terem ideia, o beijo do Jonny não conseguiu me tirar do eixo como “seja menos policial”. Queria estar morta! A parte boa é que o vizinho defendeu Toby com argumentos corretíssimos. Valeu, dude!

 

Por que eu acho que Hanna acabará sofrendo com o distúrbio alimentar de novo? Não confio tanto nos spoilers de PLL, mas a situação dela neste episódio me deixou tensa e preocupada. Essa necessidade de ir embora de Rosewood realçou o lado negro da personagem e sabemos que isso não é bom. A última vez que isso aconteceu, a Liar quase virou uma alcoólatra. Senti, muito, que esse probleminha do passado poderá atormentá-la mais uma vez. Há muita pressão ao redor dela, o que, automaticamente, a força desabafar na comida (o pratinho de pizza diz alguma coisa?), o que automaticamente força uma visita ao banheiro.

 

A provocou essa tormenta na 1ª temporada e não acharia nem um pouco inviável se todo esse foco acarretasse no retorno de um momento complicadíssimo da vida de Hanna.

 

Não sabia se ria ou se lamentava quando Hanna surtou na apresentação de dança diante da treinadora. Foi muito Little Miss Sunshine, não consegui não pensar nisso. A revolta dela, os pensamentos em Kate, a chateação por causa do pai explodiram e renderam um acesso de loucura que terminou dando a Emily a missão de honrar a amiga. Quero muito ver como isso se desenrolará, pois, finalmente, Ems terá um plot longe de romance.

 

Quem trabalhou no episódio foi Aria e gostei disso, porque a tirou da neura por não estar mais com Ezra e diminuiu um pouquinho a minha desconfortabilidade com relação a certos comportamentos dela. Tenho que dizer que tem sido bem divertido vê-la na companhia de Andrew e quero muito que role alguma coisa, mesmo que temporariamente. Ele todo compreensivo, disposto a ajudar, foi fofo demais – e de se desconfiar, claro. Pelo menos, o personagem teve o que fazer, pois nada me irrita como o resgate de avulsos a troco de nada.

 

No fim, Aria nos guiou para uma verdade da qual não estava preparada: o bafo do Mike. Todos os docinhos, todo o sangue, todos os surtos do menino Montgomery foram justificados e fico aliviada por ele não ter prejudicado as meninas. Não faria o menor sentido. A cena dos irmãos se abraçando acabou com a minha vida, gente, mas está permitida a saída dele (e nem acredito que esse cidadão vai para Teen Wolf. Quando acho que estou livre…). Fiquei com dó dele chorando… Não é todo dia que se acha boy sofrendo por amor, fatos.

 

O bafo da Mona

 

Então que Mona planejava a própria morte, um esquema para expor Big A. Todo aquele banho de sangue poderia muito bem ter sido obra dela, propositalmente jorrado pela casa. Pelo visto, A levou o plano para o lado pessoal e ignorou os tubos de sangue. Esse retrospecto abriu a lacuna e a incerteza sobre o assassinato da personagem. Será que aconteceu mesmo? Embora tenhamos visto o corpo, o relato de Mike soou muito real. Muito a cara da Mona. É bem do tipo dela sumir do mapa, ainda mais por ser alvo. A revelação foi pontual e meio que factual.

 

Mona é/era um gênio! É impossível não botar um pouco de fé nessa genialidade e pensar que ela poderá estar viva por aí. Ela queria expor A, um sentimento de motivação que veio assim que conseguiu espaço entre as Liars. Porém, com um Q de arrogância. Afinal, a personagem queria fazer tudo para terminar como heroína. Tudo o que ela narrou em retrospecto combina perfeitamente com o que tem acontecido agora: ela morta, Ali presa e uma a uma das Liars sendo encaixada nesse grande caso. O problema é que, até que provem o contrário, ainda há um corpo. Ainda há roupas. Ainda há evidências forjadas e escondidas que arruinarão o antigo quinteto.

 

No mínimo, Mona pode até ter tido contato com Big A, mas o plano se tornou uma mísera realidade. Isso explicaria a frustração de A, por imaginar que, descartando-a, todas as evidências seriam fáceis de encontrar. Vamos lembrar da fitinha da Bethany que Hanna passou a mão primeiro.

 

Por mais que haja um caso prontinho contra essa Liar, é preciso pensar em uma mão para dar força a acusação, e aí que entra a revelação de Toby sobre Tanner ainda ter Spencer no radar. Para A vencer, é preciso ter alguém que não conteste as provas, independente do sangue das meninas no que viria a ser roupas de Mona. Um DNA diz tudo, claro, mas em PLL isso tende a não dizer nada.

 

Ali está envolvida neste plot até o pescoço. Ela nunca hesitou em berrar que não matou Mona e, agora, Mike se saiu como a prova concreta. Uma prova que até Cyrus sabia e que pode justificar o que havia no envelope que o menino Montgomery deu a ele. Algo que também explica o súbito interesse de A em visitar o quarto do garoto.

 

Essa bagunça só alimenta algo que não acredito: a revelação de Big A. Não acho mesmo que Marlene entregará o jogo de uma hora para a outra. Se o fizer, o que sobra para duas temporadas? No máximo, seremos feitos de otários, como sempre. PLL nunca entrega nada de uma vez, mas vamos combinar que viver de enrolação até a 7ª temporada é triste demais.

 

Agora, e se Mona estiver viva e conseguir expor Big A? Só de pensar nessa possibilidade, meu cérebro parece que explodirá. Porém, não vou me encher de esperanças, pois é bem capaz dessa pessoa ser um personagem X e só causar revolta. Bem a cara da Marlene.

 

O episódio terminou com ar de suposição e com as Liars matutando sobre o que virá agora: como tirar Ali da cadeia? A está claramente de olho e sabe que tem algo a mais no quarto de Mike, possivelmente sobre Mona. E agora, gente? Falta pouco para o final da temporada!

 

PS: por que eu achei que a ferramenta que A tirou do bolso é da Spencer?

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3