Menu:
02/jul

A grande atração deste episódio foi o retorno de Mona – que fez cosplay Jenna. Ao contrário dos anteriores, não houve ação para deixar os ânimos aflorados, mas não quer dizer que foi de todo ruim. Foi monótono, mas, de novo, houve informações pertinentes para abafar a sensação de que não aprendemos nada esta semana. A trama se salvou por causa de picos certeiros, que manteve a atmosfera paranoica em torno das Liars. Quando achei que não teríamos nada, eis que Charlie (de Charles) pode ser uma garota. Uma ideia que me deixou animada e um pouco temerosa.

 

O episódio foi eficaz em meio a tentativa das Liars voltarem à rotina de vez – o que incluiu a leve menção à formatura. Muitas coisas não mudaram, como os policiais e os pais à paisana. Ali estava na tristeza, Spencer nas drogas, Aria sendo stalkeada, Hanna Tulla Luana e Emily sonolenta desde que se entende por gente. Tudo a essa altura muito banal, mas que não ficou chato por causa da inclusão de Mona, o ponto de interesse, no cerne da treta com menino Charlinho.

 

Mona retornou com o único objetivo de ser lançada no Radley. Um tiro das Liars que saiu pela culatra. Ela me deixou bastante intrigada, justamente por me representar com a dose de ceticismo sobre a passividade de Ali. O episódio resgatou esse dilema da personagem que um dia quis ser como a Queen Bee e, mais tarde, focou em chutá-la de Rosewood. Esse medo parece até falso, mas todas as aflições dela foram, e ainda são, incitadas pela ainda inimiga de bairro.

 

Um sentimento que me fez considerar que o elo dela com Lesli está mais vívido do que nunca. Nada tira o fato de que ambas se uniram para ferrar Ali, seja para saber quem é A ou não. Duvido muito que Mona não tenha sentido prazer em sabotar a Rainha da Maldade, fatos reais. Não acreditei um só minuto no conflito dessas duas e achei muita encenação o que aconteceu no Brew.

 

Ato que soa como tentativa de enganar as Liars, no caso Hanna, e convencê-las de que há coisas a serem resolvidas com Lesli por causa dos desdobramentos do julgamento de Ali. Uma ideia que ganhou um pouco mais de força na minha mente quando Mona surge no Radley abraçada ao arquivo da amiga e, logo em seguida, avisando que o quarteto está por dentro do passado dela.

 

Aquele surto no carro de Lesli pode até ser real, mas acredito que há uma parceria. Porém, a realização disfarçada de Mona sobre isso me fez pensar também se ela não fez tudo de propósito.

 

É o seguinte: o repúdio de Mona por Ali prevalece. Este episódio trouxe muito de leve a dualidade da personagem que nos retransmitiu a sensação de não ser confiável – mandar cartinha para a Rainha da Maldade, really? Essa jovem sabia do quarto que Spencer se referia e, somando 1+1, correu para fazer a limpa. Só queria ajudar Lesli? Quer mesmo que eu faça papel de trouxa, né?

 

Acredito que o arquivo de Lesli é outro viés para remontar a timeline de Charles. Por Mona querer salvá-lo, isso me fez cogitar que ela ainda responde ao comando A e só fez o que fez para o jogo continuar. Essa jovem não bate bem, né? Não acho que Charles (ou outra pessoa) a deixaria viva para contar história. Deve haver um algo mais. A essa altura do campeonato, as coisas já soam fáceis e o esquema é não se conformar.

 

O ceticismo de Mona sobre a mudança de caráter de Ali dá margem para muitas coisas. De tudo que poderia lhe causar traumas, ela só soube temer a Rainha da Maldade. Como Sara temeu a mãe dela desde o início da temporada. Há uma obsessão pela inimiga, como Charles e a tal 3ª pessoa envolvida nessa charada. Por isso, também não me espantaria se a personagem, na companhia de Lesli, estivesse empenhada em calar a verdadeira identidade de A.

 

Afinal, A não teve a real Ali. Penso que essa meta não foi esquecida de um dia para o outro e tirar a Queen Bee de cena sempre foi o maior sonho de Mona. Considerando que já foi do “A” Team, será mesmo que ela nunca prestou contas ao boss cara a cara? Não sei, mas a trama agora só gira em torno de Charles, que é a causa, e Alison, que é a razão. As Liars são os fantoches que compõem o teatro.

 

Inclusive: estou amando o questionamento das meninas mais no por quê que no quem.

 

Enfim, não acharia absurdo se Mona e Lesli estivessem a favor de A. Mona sempre demonstrou gosto pelo sadismo, o covil dela na S2 ditou muito da sua personalidade e da sua obsessão. O fato de ter criado relações com Lesli no Radley cheira a uma conveniência se pensarmos nos planos diabólicos que um dia teve contra as Liars em nome de Ali. Uma aliança cômoda justamente com a pessoa que dividiu a lancheira com Bethany, que virou BFF do Charles. Essa personagem sabe onde pisa. Não vamos nos esquecer das provas que essa moça colheu com facilidade no fim da S5.

 

Lesli: a nova A

 

Como disse na season premiere, Andrew foi o bode expiatório até alguém ocupar seu lugar e ser o centro das atenções. Não sou tão fã da Lesli, mas achei seu retorno válido, só para que seu plot seja encerrado. Ao menos, é isso que vejo, pois chega de ponta solta, né?

 

Mais uma faceta é dada sob suspeita para desviar as atenções do que realmente importa. Com Charles devidamente morto (não quero acreditar nisso 100%), a BFF de Mona roubou os holofotes como suspeita de ser a gêmea do mal: a menina Charlie.

 

A inserção de Lesli soa interessante porque ela aparenta ser o miolo que nos fará conhecer Charles ainda mais – um explorar de storyline que não pode ser abandonado, já que tudo volta para ele/ela – e, talvez, Bethany – uma lacuna que não foi preenchida desde a S5. Sinto a mera intenção de Marlene em faxinar a história de fora para dentro, a fim de alinhá-la e cortar ervas daninhas. Eliminar as pontas soltas da temporada passada. Tem sido sensato amarrá-las conforme as descobertas das meninas – um processo que está até maduro em comparação às temporadas passadas.

 

Penso assim porque ainda sinto que não há uma resolução sobre a Dollhouse. Por mais que Radley tenha voltado a ser palco dos mistérios, ainda sinto que o cativeiro de Charlie voltará com força total em algum momento da história. Até porque não creio que todo aquele bunker incendiou.

 

Penso também que uma hora as Liars terão que retornar para lá. Algo que seria ideal para elas lidarem com o que aconteceu e encontrarem algum tipo de absolvição.

 

A é uma garota?

 

Sabia que em algum momento as lentes de Aria nos daria um teaser de A requebrando pelas ruas de Rosewood. A silhueta não entrega muito, mas, se uma Liar diz que é uma menina, acredito até que se prove o contrário. Pior é que não há tantas girls em jogo atualmente na série. Todas sumiram e tenho medo de Charles ser Charlie e a escrita perder a força.

 

Se for uma 3ª pessoa, uma reescrita na história de PLL é necessária, né? Só assim para convencer como menina X, tendo em vista que todas viajaram, é A. Pode votar em uma das Liars? #Aria

 

Antes que me batam, atualmente é mais condizente A ser uma menina que é recorrente na série. Sempre quis que uma das Liars se revelasse dessa maneira. Seria fatal e PLL terminaria com todas as estrelas. Por outro lado, se for para pensar em uma opção, chuto CeCe (o que seria o cúmulo da obviedade!).

 

Não faria o menor sentido, por exemplo, ser Jenna, uma personagem que nunca tem a storyline concluída. Na S5, ela entrou para o exército de Ali, e aí? Mesmo Sydney, etc., etc., etc.. Isso inclui Melissa porque penso que a história dela na série acabou, a não ser que investiguem a morte de Bethany de novo, porque daí sim a irmã de Spencer terá que reaparecer e responder sobre o que aconteceu. Um detalhe que abriria margem para entendermos um pouco mais daquela noite.

 

Meu medo é resgatarem personagens que nunca influenciaram em nada a trama de PLL. Ok que não duvido disso, mas, considerando que a entrega dos fatos tem sido bem sólida até então, sem muitos motivos para ficar teorizando, é plausível usar as pessoas do presente. No máximo, quem apareceu na temporada passada, como Lesli. Marlene, estou te observando!

 

Os outros plots

 

Divertir-me com a cena inicial envolvendo Spencer. Aquela menina dançando tirada de um spin-off de O Chamado não me impactou. Achei freak de sem noção mesmo. A investida só se salvou por não ter sido aleatória. No fim, o balé das Trevas fazia referência a um quarto do Radley que essa Liar visitou em algum momento da sua estadia. Por que tenho uma péssima impressão sobre isso?

 

Falando nela, dei amém por Spencer ter saído do papel de cega com relação ao mistério de Charles. O mais legal é que a personagem não perdeu o senso de humor devido ao cookie abençoado. Vê-la de novo no cerne da situação, comandando o badalo, me fez feliz. Foi cômico demais os ânimos dela que rebateram na falta de compostura de Hanna.

 

Alguém me explica o que diabos acontece com Emily? Só em PLL você joga a ideia de emancipação e o negócio acontece da noite para o dia. E com alto teor de convencimento. Já demorou demais para mostrar o que ela passou na Dollhouse, pois só assim conseguirei ser amena. Esse sentimento de proteção da personagem intensificou e, desculpem, está chato demais.

 

Os surtos da Sara começam a irritar também. Ela está muito bem para até mesmo sair correndo pela rua escura, sendo que tem mais traumas que todas as Liars juntas. Juro que senti que essa cidadã conhece A, pois a expressão dela diante da mensagem de Aria meio que entregou isso.

 

O que pega é o desejo dela em querer fazer parte da brincadeira. Sei lá, essa caracterização já perdeu o convencimento. Está tão chata quanto Emily.

 

Gente, o Buzolic! Nessas horas lamento muito Spencer namorar Toby. Sinto falta da versão pegadora dela. Não tem como resistir a um homem lindo todo disposto a ajudar, pfvr!

 

Alguém me explica as bonecas para todos os lados? Ok que é um meio de prolongar a atmosfera da Dollhouse, um lembrete de que A queria/quer as Liars como bonequinhas, mas logo Aria demonstra essa obsessão? Essa temporada já pode ser resumida na palavra obsessão, fato.

 

Lesli foi miga da Bethany, e as duas podem ter compartilhado o bolinho Ana Maria com menino Charlinho. Que recreio! Isso até que faz sentido já que pode ser explicado os motivos de Bethany ter aprendido a odiar Jessica. Um sentimento que nasceu por se comover com o abandono de Charles? Isso daria a A ainda mais motivo de se vingar, pois sua amiga de sanatório foi tombada como se fosse Ali. Espero ser surpreendida!

 

E essa obsessão de A por Aria versão Avril Lavigne com mechas rosa? Isso só me faz voltar a conversa abafada entre a Liar e Mona na temporada passada. Um ponto até então não esclarecido.

 

E, sério, demorou para explicar porque Mona se fingiu de morta tão perfeitamente. Li em algum canto que haverá uma explicação, e espero que tenha mesmo, porque é algo difícil de esquecer.

 

Até semana que vem! <3

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3