Menu:
31/out

Episódio intenso e importantíssimo para situar os sentimentos dos personagens com relação aos desdobramentos do flash-forward. Teve muita informação boa, e inédita, que centralizou três pessoas que podem ser as maiores dores de cabeça de Annalise: Wes, Nate e Asher. Tudo bem que os dois primeiros não são uma novidade, ambos têm sido vítimas da advogada desde a temporada passada, mas Millstone-filho é o que chamo de bela novidade. Ele ficou de lado na S1 e estou feliz (e agoniada) pelas grandes chances de vê-lo brilhar daqui por diante.

 

O caso da semana à parte dos Hapstall não foi envolvente/incômodo, mas deixou sua mensagem. Amei a presença de uma personagem trans e imaginei uma bela cena no tribunal estrelando uma Annalise ativista. Não foi isso o que aconteceu, mas a ausência do júri não desvaloriza a situação. Foi uma grande oportunidade de discutir transfobia, o quanto situações de agressão descreditam as vítimas e dão aval para o caçoar das autoridades. Algo semelhante aos casos de estupro, o que me faz pensar no babado Tiffany que nem começou a ser desmembrado, mas me cheira a uma covardia incitada e silenciada por envolver um monte de filhinho de papai.

 

Um ponto bacana nesse caso da Jill foi ver mais indiretas que têm caminhado nas entrelinhas dos roteiros desta season: o quanto certos homens derrubam as mulheres. Annalise deu amém por Sam ter morrido. A miga trans louvou a queda do parceiro. Bonnie deve engolir a seco o abuso que – e se – sofreu. Michaela é enganada a todo o instante e isso afeta sua autoestima. Prevejo que Laurel quebrará a cara com Frank, porque está tudo muito cor-de-rosa.

 

O bom disso não é a ideia de mostrar que homem não presta, mas pontuar com seriedade o quanto um relacionamento abusivo, por exemplo, acarreta tragédias, compromete a saúde mental e silencia as vítimas.

 

O melhor é saber que é um homem que dá autorização para esses tópicos serem levantados. Annalise foi abusada e se supera a cada semana, se tornando um exemplo de personagem multifacetada. Tóxica, mas real. Ela não se tornou a megera vingativa ou a coitadinha. Ela preferiu lutar por si mesma, embora tenha contornado o que lhe aconteceu até nos apresentar sua linda mãe.

 

ShondaLand sempre dá um jeito de sambar com personagens femininas e fico muito feliz. Até pelo Peter que poderia estereotipar essas mulheres tendo em vista o que sofreram.

 

Annalise continuou a jogar, mas penso que ela passou dos limites dessa vez. Quando digo limites é quebrar promessas e sabemos que o retorno nunca é bom. Wes maior prova, agora Asher. Essa mulher foi lá e cutucou o papa Millstone em nome da sua reputação. Engana-se quem achou que a advogada se compadeceu com um dos membros do seu grupo de cúmplices, pois, como de praxe, só houve interesse pessoal. Uma investida que deixou no ar a preocupação de Bonnie.

 

Não consigo crer ainda que o vídeo da semana passada é sobre a Bonnie. Annalise deu motivos de sobra neste episódio para provar que foi apenas um caso aleatório para silenciar Asher. O mais legal é que a personagem tem implorado pela ausência de segredos para Nate e agora para Wes, sendo que não tem peito para ser sincera com absolutamente nada. Essa mulher ainda me matará.

 

O bom da investida da Annalise é que Asher voltou ao grupo. Sentia falta dele no miolo da série e mandando ver nas gracinhas. Uma pena que essa felicidade, bem como meu amor, morreu quando Sinclair revelou do que realmente se trata o caso Tiffany. Agora sim sabemos os motivos desse personagem correr em círculos. Precisa mesmo, porque o quero em cana.

 

Então que Annalise sambou para proteger um mau-caráter? Um tipo de homem que despreza com todas as forças do planeta? Sério mesmo que há um estuprador embaixo do mesmo teto em que duas mulheres foram abusadas? Irônico e trágico. Fico sem vida só de imaginar o quanto essa suposta verdade afetará não só a mentora e a aprendiz, mas o grupo. Nem consigo imaginar como a advogada receberá a notícia, caso sua seguidora abra o jogo. O que acho bem difícil considerando que o casal estava juntinho no flash-forward – mas provavelmente com intenções diferentes.

 

Desencantei com Asher e duvido muito que meu amor volte, independente dele ser inocentado. Quando Sinclair abriu a boca, deu vontade de resgatar todos os textos de Murder e apagar o quanto disse que o amava. Que decepção!

 

Tem que virar o maior big deal da temporada sim, porque é muito taxativo ver o riquinho sair imune. Já me basta Sam que não sentiu na pele a emoção de ser acusado, o que facilitou todo o problema com Lila. Ok que ele não era estuprador, mas foi motherfucker em todos os sentidos, meu Deus.

 

O que quero ver é como Annalise reagirá ao perceber que o garoto que “protegeu” não é tão santo quanto aparenta. Estupro em grupo, gente! Podem liberar os detalhes para sabermos se Asher estava envolvido, mas acho que nada o aliviará. Só o fato dele proteger a traseira desesperadamente, com medinho de ser descoberto, me enoja. E enoja mais o pai ter corroborado com isso e Sinclair ter encontrado um meio de silenciar. Murder só tem corja, socorro!

 

A situação ficou ainda mais tensa por Asher ter vendido sua alma para Annalise. A advogada fará uma devolução? Só sei que Sinclair pagará por isso de alguma forma. Por revelar o tal segredo, de boinha, a personagem tem tudo para ser vista como um mero efeito colateral do que tenha acontecido no futuro. Ela começará a colher espinhos ao ter entregue uma informação tão impactante para uma Bonnie que nem sabemos com toda certeza se foi abusada na infância.

 

Clima pesado de lado, o que dizer sobre Frank Maravilha? O cara não vale nada, mas queria ser a Laurel, fatos reais. Não em todas as partes, mas vocês me entendem, não é? Estou embasbacada por ter conhecido a família dele. Por pensar que todo mundo ao redor de Annalise pertence a famílias endinheiradas, jamais cogitei que a turma desse personagem é da zoeira. Churrasco na laje!

 

Gostei muito de saber que Frank é povão, que só paga de elegante. Um sinal de que ele deve ter sido o mais ambicioso da família e perspicaz o bastante para conseguir trabalhar com a advogada mais conceituada da Filadélfia. Muito se explica como esse homem tem vários contatos para tocar qualquer obra. Geralmente, pessoas ricas pagam, mas garoto de bairro tem amigos na vizinhança, aquele clima em que todo mundo se conhece e deve uma. Até cara de cemitério ele tem na agenda.

 

Ao contrário de Wes que vem lá de baixo, cheio de traumas, e morri quando Annalise lhe mete na face o passado relacionado à mãe. Não sei, mas não consigo engolir essa de suicídio, pois esse jovem tem cara de que cometeria assassinato. Bastou ver o que ele fez com Sam quando foi tirado do eixo. Ele é muito intenso, emocional, se envolve rápido, e ir em defesa de alguém que se importa não lhe dá tempo de mensurar os estragos que suas atitudes podem provocar.

 

As cenas dele com Annalise tendem a ser estrondosas de lindas e dessa vez não foi diferente. Tudo bem que Viola brilha mais que Dino Thomas, pois a poker face dela carregada de lágrimas de crocodilo pede por todos os Emmy até Murder deixar de existir. A raiva que tenho dessa personagem e o amor que tenho pela atriz tornam minha vida tão complicada que terminarei no hospício. Muita cara de pau a dessa mulher que se lamuriava enquanto Frank eliminava Rebecca de vez do mapa.

 

Pergunto-me se essa situação será silenciada para sempre, pois, quanto mais Wes é barrado, mais ele cavuca ao mesmo tempo que fica mais distante de Rebecca. Não há cúmplices, só a tríade, e sabemos que ninguém, até então, consegue saltar esse muro.

 

Um muro que acredito que Nate tem plena capacidade de destruir – se quiser. Annalise e ele formam um casal que lá no fundinho torço para que se resolva, mesmo ciente de que não tem solução. A não ser que o personagem seja idiota de ceder a uma mulher que o colocou na cadeia injustamente e lhe tomou um tempo que poderia ter sido utilizado para ficar com a esposa.

 

Ambos conseguiram me destruir essa semana, porque, apesar dos pesares, há uma recíproca ali. Não chamaria de amor, mas há algo que os fazem se reencontrar, claramente nada saudável, especialmente para o policial.

 

Lamento muito pela Annalise ter encontrado um cara bacana e ser orgulhosa demais para destruir isso em nome do ego e do prestígio. As cenas dela escorada naquela porta acabaram com a minha vida, porque essa mulher ama esse homem. Só que nunca abriria mão da própria reputação em nome do seus sentimentos mais íntimos – que aprendeu a externar por causa de Sam.

 

Penso que se Nate for uma das causas principais do tombo, a dor será imensa para ela. Não tanto se for Asher ou Wes. O policial tentou protegê-la ao longo da S1, tentou colocar um pouco de juízo naquela mente, mas quando se tem prestígio e um nome do qual se é viciado em proteger, fica difícil ir em auxílio ou se colocar no lugar do próximo. Tudo que Annalise tem engolido desde então é efeito colateral essencialmente do seu egoísmo e isso a afogará.

 

Só não sei por quanto tempo ela manterá essa pose, pois o flash-forward se estendeu e parece mais doentio com relação aos acontecimentos da temporada passada.

 

Flash-Forward

 

Se Frank sambou com o rango em família, nada se compara ao seu show no futuro. Considerando que até aqui ele tem sido o escoteiro, só posso pensar que Annalise mexerá no seu relacionamento com Laurel. O ponto fraco de um homem frio e meticuloso, e não vejo outra maneira para essa parceria se arrebentar ao ponto dele bancar a falsiane no hospital.

 

No mais urgente, o tombo da advogada pertence a um plano maior, em que era necessário afetá-la para conseguir abocanhar todos aqueles que se voltaram contra ela. De novo, a personagem teria a faca e o queijo na mão, o que faria a sua parte do teatro ser ministrado por um dos mosqueteiros.

 

Uma atitude que encaixaria Bonnie, outra que ou pode agir contra a mentora por vê-la quebrar a promessa feita ao Asher – o que não acho ainda um grande motivo, considerando a choradeira dela para cima de Sam e por ter se mantido aonde está depois de tudo. Ou, ela também está atuando para saber qual dos membros do quinteto quebrará. O crush fará a denúncia, mas sobre o quê?

 

O nó desse flash-forward se complica quando Catherine é usada e está meio claro que a personagem é o novo bode expiatório. Caleb está com Michaela, o que rende um baita álibi, enquanto a menina estava provavelmente na casa, dopada por ter dito em episódios anteriores que usa remédios para dormir, e foi arrastada para o meio da floresta, ensanguentada, para….?

 

Acho que a presença de Frank diz muito do futuro. Não consigo ver qualquer possibilidade dele trair Annalise. Para isso acontecer, o motivo tem que ser gigantesco, pois assim como a advogada tem o quinteto no espeto, o mesmo vale para a sua dupla cúmplice. Por mais que todo mundo tenha a quem culpar, penso que só a mulher conseguirá coordenar o espetáculo e afundar geral. Teorias?

 

Concluindo

 

Importante mesmo foi a frase de Nate nos minutos finais deste episódio: ninguém se importa com Annalise. É tanto jogo de manipulação, tantas feridas abertas, tantos bodes expiatórios, e tanta gente outrora inocente pregado nessa teia, que só resta rancor. Essa linha de diálogo é o rótulo dessa temporada, que começa a reunir todas as pessoas que a advogada tirou do sério, em nome da sua vitória pessoal, para fazer loucuras contra ela.

 

De longe, este é meu episódio favorito desta temporada. Cheio de ironias e de indiretas sobre sorte e não ser compreendido em meio a uma acusação. A trama plantou como será a treta entre Annalise e Sinclair, aproximou Michaela e Caleb e mostrou que Catherine deve ser meio control freak. Foi tudo muito intenso e ao mesmo tempo assustador.

 

Para acabar com a vida, Connor e Oliver estão em perigo. Por que acho que um dos dois morrerá?

 

Se Oliver morrer, estará explicado o que Connor diz em cima do corpo de Annalise. Porém, vamos lembrar que todos os hacks foram feitos por conta e risco do namoradinho. Ele passou dos limites dessa vez e agora foi visto por um possível lunático que pode ter matado os pais Hapstall. Meu coração está na mão, porque a tragédia é iminente. No mundo nas séries, ninguém diz eu te amo de graça e ver um OTP da vida se dissolver já me faz ir ao mercado limpar a prateleira de lenços.

 

Se Rebecca morreu por ser crush do Wes, quem garante a vida do Oliver?

 

O que importa é que, pelas promessas, logo saberemos quem atirou em Annalise. Help!

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • Vc vortou <3

    Eu deveria fazer psicologia de personagens. Uma pena que essa profissão não existe hahahaha Não consigo conter os dedos na hora de falar dessa turma – ou de qualquer outra turma de várias séries. Acho que me envolvo demais hahahaha Mas muito obrigada pelo elogio. Isso quer dizer que minhas intenções de escrever de forma sempre aprofundada está dando certo *-*

    Queria que Murder voltasse a pautar transgênero. Tinha uma oportunidade tão valiosa, mas o importante é que há uma porta. Um retorno é possível e isso me faz feliz.

    Gosto muito tbm como conseguem desenvolver a história do quinteto mesmo entre os casos da semana. Pior que a gente fica na corda bamba sobre quem ou não gostar, porque essa turma deve ter cada segredo que… – tipo o Asher. Mas Connor é meu favorito e não conseguirei sobreviver se algo acontecer com Oliver, fatos reais. Estou apavorada!

    Beijos sua linda!

    • Tenho um serio problema em demorar 7495 dias para responder as pessoas haha

      Psicologia de personagens soa como a profissão mais legal do mundo, então, se eu fosse vc eu abandonava tudo e corria atras -q

      Anyway, passei no site na esperança de ja ter review do episodio 2×09, o que é ridiculo pq saiu ontem e nunca q daria tempo de analisar e escrever em tão pouco tempo, mas acabei de ver o ep agora e preciso de ajuda *surta* hahaha

      Beijos!

  • Novamente, ótima review! Adoro a forma como você desenvolve seu argumento e analisa de forma tão clara as várias intenções e pensamentos dos personagens.

    Sobre o episódio:
    Achei o ritmo bem mais lendo do que o último, mas me agradou muito. O caso da semana foi interessante e tocou um assunto polêmico, mas que deveria ser mais abordado. A cena da Annalise conversando com a cliente sobre não sentir o luto foi incrivel.

    Gente, cada dia que passa gosto mais do enredo dos estagiários. Wes gritando verdades pra Annalise foi lindo, não quero ele acreditando nela denovo.
    Laurel e Frank são estranhamente perfeitos um para o outro. Medo do Frank.
    Michaela linda, Asher flopado (to apostando q ele não é um dos estupradores, pq isso seria horrivel demais)
    E o q falar do Connor? Meu personagem favorito. Adoro a dinâmica dele com Oliver. Meu coração até bateu mais forte com a cena do stalker… poxa Oliver! Hackeia os trem direito!

    Nem comento sobre o flashfoward pq to perdidinha haha