Menu:
04/fev

Quero a bombinha do Scott para recuperar meu fôlego. Permaneço na vibe de elogiar os episódios desta temporada de Teen Wolf e este foi tão sensitivo, tão visual, que não sei muito bem o que dizer.

 

Teen Wolf tem manjado bem no quesito eletrizar os minutos iniciais de cada episódio. Esse se tornou meu favorito da temporada junto com o 5×01, focando em uma Besta descontrolada e em um DP que não fazia a menor ideia do que acontecia. Com múltiplas fatalidades no percurso, só restou fingir dar um jeito, algo que caiu nas mãos de Parrish. Ri horrores do Stiles dando ordens no rádio e tremi na base quando Melissa aparece tentando conter o caos no hospital. Muita adrenalina!

 

Se há uma coisa que me levou para essa série e que me fez casar com ela foi o envolvimento dos pais na bagunça adolescente. O papel do Xerife estava maravilhoso neste episódio, enaltecendo seu conflito já praticamente inexistente sobre humano vs. sobrenatural. Um combate que agora reflete em Natalie, a única perdida na noite que trata as tragédias como coincidências. Nem depois de todo aquele aprofundamento da história da Banshee essa mulher acredita em uma, socorro!

 

TW-5x15---bando

O resgate de Lydia veio à tona com o intuito de refortalecer uma amizade quebrada e de devolver a autoestima para cada um dos envolvidos – que tinha desmoronado em decorrência dos eventos da S5A. Em nome dos velhos tempos, a turma estava em uma ótima e atrapalhada sincronia, e os desdobramentos desta semana oportunizaram trabalho em equipe, algo que não acontecia desde que Theo separou o bando, e permitiram que todos se apoiassem em seus próprios poderes.

 

O plano para entrar na Eichen House contou com muito rigor e parecia perfeito e praticável. Deaton marcou o seu retorno e me fez passar mal ao mostrar o que de fato aconteceria com Lydia caso permanecesse aos cuidados de Valack. Que imagens, não? A curta conversa engatou a finalização do que foi visto no 5×01, marcando os experimentos na Banshee e a intrusão do Team Quimera. Até um pouco mais ausente, Theo surgiu no momento certo e ao mesmo tempo errado. E irritou, claro!

 

Esse momento tenso no hospício destacou novas nuances de Valack. O personagem sempre foi meio duvidoso e seu entendimento sobre os Dread Doctors o botou automaticamente na fila de pessoas não tão confiáveis assim. De início, ele parecia muito bem intencionado com relação à Lydia, especialmente sobre ampliar os poderes dela para salvar o bando de Scott. Até então, só ouvi mentiras e lorotas, e começo a me perguntar se os Argent poderiam derrotá-lo só de osmose.

 

TW-5x15---Máscara

Valack ainda alimentou um pouco mais a curiosidade sobre a influência da máscara dos Dread Doctors. Algo que começou com Malia e que agora pairou nas mãos da funcionária mal-encarada. Estou ansiosa para saber o que aconteceu com ela. Considerando os fragmentos da pele desses médicos, só presumo que a humanidade desaparece – algo prático considerando que os enfermeiros da Eichen House não parecem humanos at all. Todos malditos, fatos reais.

 

Outro ponto pertinente deste episódio foi a Besta que, aparentemente, relembrou quem é e sabe como perambular por aí. Só aparentemente, pois acredito que o duelo com Parrish deve ter despertado alguma coisa. O policial não morreu no combate, o que anula também essa ideia de rivalidade. Consigo ver uma camaradagem, só assim para Theo querê-lo. Uma isca.

 

Como disse na semana passada, Theo começa a perder o respeito e sua história a força. Deveriam tê-lo anulado na S5A, pois todas suas metas agora não fazem o menor sentido. Ele se acha inteligente sendo que claramente não é. O personagem gira em círculos e, se Deucalion não mentiu, mal posso esperar para vê-lo quebrar a cara. Tudo o que ele quer não passa de ilusão adolescente e que não deixa de ser condizente com o contexto da série.

 

Theo é tão petulante que chegou para atrapalhar o resgate de Lydia. Os minutos sem ele foram um alívio! Não sei quando esse cidadão me mata mais de raiva, quando causa o tempo inteiro ou quando causa por cinco minutos. Nessas horas que desejo o Void Stiles, pois tenho certeza que ele acabaria com essa quimerinha. E seria um embate incrível e justo, considerando tudo que rolou entre Sciles na S5A.

 

O episódio não focou tanto em dar informações novas, mas em restabelecer a sincronia e a energia do bando. Não sei descrever quais foram os melhores momentos. Torci pela Kira, cuja missão foi descobrir no que mais era boa além de dominar a espada. Ri com Malia e me senti grata por vê-la em ação com a galera (outra coisa que há muito tempo não acontecia). Senti orgulho de Stiles que estava bem Stiles fora daquela bolha de melancolia. Me desesperei por Liam e Scott tomando uma surra dos policiais. E, claro, meu coração se repartiu ao ver o estado da Lydia.

 

Os minutinhos finais em que todos despertam foi demais, o fortalecimento de que eles estão juntos pro que der e vier. Cada um fez sua parte neste episódio, brilhou na medida do possível, e foi lindo e engraçado de ver. Só foi o Alfa fazer um escândalo que todos fizeram também, e só restou gritar de emoção.

 

Com a Eichen House lacrada, só resta saber se o bando de Scott resgatará Lydia. Que agonia!

 

PS: será que Hayden cairá na do Deucalion?

 

PS²: quem é essa Besta em nome de Chris Argent?

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3