Menu:
28/fev

Não sei como me sinto com o início deste crossover que foi muito episódio de S3 pro meu gosto. Gostei, bastante, principalmente por finalmente terem dado algo útil para o Stefan se ocupar. Porém, por ser The Vampire Diaries, ainda rolou alguns momentos frustrantes que só não me irritaram mais porque Klaus estava presente e tomou toda minha atenção.

 

Este foi aquele tipo de episódio que me faz ter vontade de sentar diante da Dries e perguntar porque ela não larga a produção e só escreve a série. Ela como showrunner não tem condições, mas como escritora essa danada ainda manda bem. Daí, essa pessoa fica só demandando enquanto sou obrigada a aguentar lambança de roteiristas que nem devem saber o que ainda fazem no writer’s room de TVD. Fato é que poucos são das antigas e são justamente eles que ainda se salvam vez ou outra – como a própria Dries.

 

Daí, aconteceu o apocalipse: Dries não escreverá mais, parece que sairá de TVD e quem assumirá seu banco é o Brian Young.

 

Depois de tantos anos, eis que um crossover finalmente acontece entre irmãs e não esperava lá aquelas coisas. Levando em conta a pontinha vingativa do Tyler lá na S1 de TO, meio de promover o spin-off a realmente criar uma história, este começo foi deveras inteligente. Rayna se destacou como o norte de Stefan para New Orleans e, de quebra, descobrimos que o envolvimento da caçadora com vampiros é de muitos e muitos séculos mesmo. Klaus a conhece e só faltou mandar o amigão de Mystic Falls ir lavar louça no Bayou.

 

TVD-3x14---Rayna

A caçadora serviu de elo para reunir Stefan e Klaus. A única ponte deste crossover que acarretou um reencontro saudosista ao extremo. Além disso, Rayna parece que foi responsável pelo futuro até mesmo do líder dos Mikaelson. Klaus, sumido por 3 anos, o tempo que TVD tem vendido a torto e a direito. Fiquei curiosa, não só por Caroline ter ido atrás do híbrido, mas porque ele simplesmente sumiu! Levando em conta o que rolou em TO, que relembrou que qualquer um morre menos o bebezão Original, só me restou berrar: não podicê!

 

Só que daí fico bolada com esse cruzamento de timeline. Os Mikaelson estão em uma vibe, por assim dizer, completamente diferente. Como é que encaixarão Rayna na S3 de TO, sendo que todo mundo está focado na sire line feat. a bendita profecia? Digo S3 porque TVD engatará o futuro em sua S7. Pode até ser que o sumiço de Klaus seja um cliffhanger para a S4, pois Plec garante que as manas continuarão independentes mesmo com essa súbita ligação. O híbrido desaparecer pode ser parte de outro plano tendo em vista o contexto de New Orleans.

 

Daí, me lembro que existe uma coisa chamada profecia e me pergunto se Rayna não será o inimigo. Uma empreitada que seria bem interessante, completamente distante do mais do mesmo que é trazer pessoas X, tipo o Enzo, com uma sede súbita de vingança, tipo o Enzo.

 

Daí, fica a pergunta: como farão para que os desdobramentos que começaram em Mystic Falls casem com uma The Originals que nem se lembra da irmã mais velha?

 

Perguntas que podem ser respondidas mais tarde, pois quando se tem Klefan na mesma cena depois de tanto tempo, até Enzo pode ser ignorado. Não sei o que senti nesse reencontro, mas sei que senti muito, depois fiquei com raiva ao relembrar de toda a destruição que TVD passou ao longo da S4 até o fim da S6. O mesmo comentário vale para TO que vira e mexe se apoia em histórias repetitivas que impedem a evolução de Klaus. SOS aqui porque precisa!

 

TVD-3x14---Klefan

Foi como voltar para casa. Klaus ainda tratou Stefan com certo respeito, jogou indiretinhas e fez bico ao saber que a crush agora namora com o Salvatore. Morri e voltei com o momento mais forte do episódio, quando o híbrido descobre a cicatriz e dá piti por causa de Rayna. Tinha que ter show de Klaus Mikaelson em nome dos velhos tempos sim, com certeza. Ainda mais quando o dono do Quarter conhece a caçadora, motivo que o deixou na paranoia rapidinho, indicando que a família Always and Forever poderia retornar ao radar da moça se o amigão continuar nas redondezas. Socorro!

 

Gostei bastante de ver Stefan colocar Klaus a par dos últimos acontecimentos de Mystic Falls, o que os deixou na mesma sincronia e abriu possibilidades de criar paralelos entre as duas séries para sustentar o futuro. Esperei qualquer citação à Elena e me espantei com a ausência de comentário (já que esse Mikaelson é mais Team Stelena que os próprios Stelenas). O foco foi Caroline e não sei se fico bem com isso porque não consegui me desligar de TO.

 

(Klaus está superconcentrado em Cami e dar essa ideia de que ele ainda sente algo por Caroline foi o que chamo de “vou agradar os migos desse shipper, mas só hoje”. Não façam isso, a não ser que intencionem finalizar com Klaroline. Afinal, a chama do crush foi reacesa).

 

Fora isso, o maior ato de Klaus foi ir atrás do seu velho amigo e protegê-lo da implacável Rayna. O Mikaelson agiu completamente como um irmão mais velho, puxando a orelha e norteando para uma possível solução. Foi emocionante vê-los juntos, essa é a palavra correta, e quando acabou esse primeiro momento fiquei triste por saber que depois de TO, acabou.

 

E nunca desejei tanto que Rebekah estivesse acordada. Seria lindo um reencontro Stebekah.

 

Em poucos minutos, Paul e Joseph inundaram o episódio com uma belíssima química que reforçou a sensação de que seus personagens nunca deixaram de se ver. Peço que cancelem o Team Mystic Falls e mandem esse Salvatore para o Quarter para sempre, ASAP.

 

Armory = tentando corrigir a Augustine

 

TVD-3x14---Enzo

Dries chamou Plec com a ideia de reescrever a Augustine e Plec adorou e decidiu inserir seu sofrimento de ter visto The Tomorrow People ser cancelada. Copia e cola de coisas que ambas já fizeram e só me restou rir internamente dessa reciclagem um tanto quanto melhorada.

 

Reescreveram essa história, como reescreveram Stefan e Valerie com base em Steferine, e paro por aqui porque a lista de reescrita de TVD é imensa (er, a cura?). Não curti não. Quem sabe teria gostado mais se fosse plot de outro personagem, mas Enzo? Que perda de energia.

 

A ideia dessa sociedade serviu para preencher todos os buracos da storyline de Enzo. Melhor, a ausência dele todo esse tempo. Matt o capturou com ajuda de Tyler que já era envolvido com a Armory, mas daí Enzo não foi judiado e ficou como estagiário. Foi a partir disso que começou a brincadeira dos bilhetes para os Heretics e o lugar aonde Rayna rejuvenesceu. Really?

 

Por isso que amo tanto a Bonnie: queria eu ter cortado a mão dele.

 

Para acabar com o rolê, todos os motivos de Enzo ser Enzo é por causa da família, sendo que nem storyline desenvolvida esse cidadão tem. Só pontinha nas histórias alheias para ter o que fazer (ao ponto de se apaixonar pela Lily e se vingar de Stefan, oi?). Nessas horas que agradeço por Matt ser avulso e Stefan a babá porque eles não pagam esses micos.

 

A única coisa boa dessa sociedade é ter engatado outra trama para a temporada se segurar até o finale. Sem contar que houve um Q de mistério por causa da coleção de artefatos sobrenaturais e os motivos dos quais essa turma realmente quer Rayna. O que é falho é essa coisa de sequestro, como as meninas Heretics, que é repetitivo e chato demais.

 

Apesar dessa invenção aleatória, a empreitada foi boa para Bamon ter o que fazer e é bem aqui que mora minha frustração. Não-aguento-mais-todo-mundo-de-babá-do-Damon. Parece até que ele é o mais novo da turma, sendo que é uma velharia, não mais que os Mikaelson. Isso que chamo de forçar a barra, porque o vi repetir a mesma ladainha verbal de arrumar as coisas, de parar de ser um estorvo, tudo para o personagem ir lá dormir no caixão. Que tal elevar caráter?

 

O ponto fraco deste episódio foi fazer Stefan retroceder para salvá-lo das garras de Tyler. Foi muito fora de tom, sendo que o personagem principal do crossover era para ser unicamente esse Salvatore por causa da vilã principal que é moça Rayna. Damon, cê não tinha nem que tá aí, lindo!

 

Pelo menos, os desdobramentos na Armory testaram a lealdade dele com Bonnie – em mais um ato “salvem minha traseira que é prioridade”. Dou o meu perdão porque a sinceridade de Damon emocionou. O fato dele não ter hesitado em salvá-la (ele nem pensou na Elena e achei bem bom) e ter ficado no leito dela para mim bastou.

 


Concluindo

 

TVD-3x14---Caroline

Não sei, mas este crossover, tendo em vista só The Vampire Diaries, soou de novo como o começo do fim. O futuro começa a se encaixar na vida de Caroline e não quero que tirem isso dela. Nem muito menos do lento do Ric. Sou a favor de todo mundo ir embora dessa cidade e vê-la tendo experiências humanas, morrendo de fome a todo instante, destrambelhada com as gêmeas, deixou meu coração bem quentinho. Estou com Klaus: Stefan, deixe-a ir.

 

E não poderia deixar de terminar este texto sem falar da ligação Klaroline: não sou fã assídua, mas bateu uma nostalgia também porque amei o desenvolvimento deles na S3 (e veio aquele episódio 100 completamente vergonhoso e desencantei). Parece até que recuperaram o tom que os fazia desconcertantes, não é Dries? Foi lindo e aquele adeus doeu também – por causa do desaparecimento que tenho até medo de ser um flop.

 

E, sem Dries, não há ninguém que escreva Klaroline, migos.

 

Gostei dessa primeira parte do crossover. Pareceu mesmo TVD com os Mikaelson das antigas. O episódio conseguiu ser eletrizante e envolvente do começo ao fim, até mesmo o plot do Enzo que até trouxe o melhor que Tyler consegue fazer em momentos de apuros. O intuito de estabelecer Rayna e sua relação com vários vampiros também foi lindo, pois tirou toda a ideia de que Stefan buscaria abrigo em um lugar em que ninguém teria escutado falar dela.

 

Só tenho a agradecer a saída da Nina por isso. Certeza que não teria essa qualidade.

 

O que preocupa é Bonnie em coma e Caroline presa no plot do Ric. Ou seja, não tem mais mulheres a não ser Valerie que faz as obras tudo.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3