Menu:
22/jul

(Desculpem pela demora em postar a resenha ou ter sumido deste site. Minha internet anda uma porcaria e tudo voltou ao normal ontem de noitinha).

 

Prosseguir em um dia falsamente normal foi a regra da semana. Nova pausa no encaminhar da trama para as meninas respirarem enquanto se abria um novo leque de perguntas. Tô até zonza com tanta informação e quero só ver como Marlene e Cia. encaixarão tudo.

 

O que tenho considerado muito bom até aqui é que a trama não descartou Rollins. Processo que costumava acontecer no passado de Pretty Little Liars com relação aos avulsos. Uma vez que morriam, eram esquecidos para dar espaço a outros que poderiam ter o mesmo destino e render vários nada de desenvolvimento. A diferença agora é que o médico fake continua sendo um eficiente barbante que tem assegurado a missão e o foco das Liars em desatar os nós. Um ponto positivo porque faz com que a história fique mais fechada e centralizada. Basicamente, o mesmo ritmo da S6A, um ciclo abrindo outro sem dispersar. Continuem.

 

O episódio em si não teve grandes desdobramentos porque agiu como um alívio, igual ao 7×02. Houve certa qualidade, mas não trouxe nada eficiente para explodir os neurônios. O que era esperado uma vez que Mary encabeçou o título da trama desta semana e ela não rendeu.

 

O clima um tanto quanto calmo permitiu que as Liars retornassem às suas rotinas, parte ainda relevante de suas histórias além do drama A.D. vs. matamos Rollins. O tempo continuou desacelerado com Spencer atrás de Caleb, Hanna focada na empresa, Emily sendo Emily e Aria escrevendo. Tudo rotineiro, tudo silencioso, tudo para que o ruído do médico fake se apoderasse da trama em um crescendo. Agora, temos mais mistérios empilhados, o que não deixa de ser bom, mas rola uma preocupação porque é batata essa série se perder.

 

Pretty Little Liars - Resenha - Emily e Aria

 

Um dos pontos altos da semana foi o apartamento reserva de Rollins. Um espaço que não disse muito quem realmente é/foi esse cara chamado Archer Dunhill. Nome que rima com A.D. e que me faz manter a defensiva sobre isso. É uma pista óbvia, isca feita para enganar as meninas aka distração. O importante é que a dualidade do médico fake foi reforçada nessa vistoria, como se o quarteto estivesse lidando com pessoas diferentes (é possível). Pelo visto, havia um lado dele que estava tão cego de ódio sobre Ali e um outro que queria “acertar as coisas” ao saber que a Queen não matara CeCe. Eis uma imensa lacuna sobre quando o falecido descobrira essa tal verdade.

 

Se Ali foi mantida em Welby com Rollins ciente dessa informação, temos um cara sem noção que continuou a fazer o que fazia mais por bel-prazer que por vingança. Afinal, saber dessa verdade não o impedira de torturá-la. Agora, se soube depois, muito se explica a decisão de retirá-la do projeto de Radley. Há brecha de “bondade” que pode até anular o fato dele ser A.D.. Por que ele tiraria a esposa de lá? Para mim, esse moço só a tirou porque estava ferrado.

 

Recordando que: em dado momento, houve o mistério de mãos médicas injetando algo em Ali e que a norteara para o caminho da luz. Se fosse esse cidadão, teriam mostrado o rosto. Fato é que o perigo foi sentido em algum instante e Rollins zarpou e desencadeou o que assistimos agora mesmo.

Algo que emenda na surpresa da semana:
o que estava atrás do colchão. Revelação que me fez lembrar de uma teoria que acho que a promo do próximo episódio meio que confirmou: Hanna pode ter atropelado alguém que usava a máscara de Rollins. Assim, não seria Rollins o cadáver, o que justificaria o que Marco disse para Ali sobre seu ex-mozão bater perna em Baltimore. Se isso for real, já tremo bastante porque o trabalho até aqui está deveras convincente. Isso, ignorando os erros das Liars que continuam a tocar em futuras evidências. Duvido muito que A.D. seja a mesma pessoa.

 

Todo esse peso de Rollins e essa importância recaíram nos ombros de Ali que finalmente se reuniu ao mundo real. Ela rendeu os melhores momentos da semana, tendo que lidar com a realidade de que foi torturada porque amou e confiou. Esperei que a personagem fosse extravasar, ainda mais tendo Mary como companhia, mas sua atitude estava na medida certa. Admirei a compostura e penso que seu trauma nos será dado um pouco a cada semana para não perder a graça – o que também é correto.

 

Pretty Little Liars - Resenha - Ali

 

Deu até para sentir que as cicatrizes da tortura do marido funcionarão como gatilho, ação que tem tudo para se amarrar à sua revolta interna. Além disso, houve o peso da realização de que foi uma boa mentirosa, mas não tão esperta em capturar a mentira alheia. Ao menos, não quando se está tão apaixonada e deposita seu eu em outra pessoa. Ali caiu no famigerado ditado de que o amor é cego e terá que lidar com as dificuldades que são mais internas que externas.

 

Gostei de vê-la reagir e não se fechar, uma ação importante tendo em consideração de que esse capítulo foi o mais dark da sua vida. Nem um pouco leve em comparação a sua fuga de A.

 

Para piorar a dor de cabeça, temos a grana afanada e confesso que fiquei meio surpresa. Por ser o elo que ligava Rollins e Mary, jamais pensei que usariam esse ponto agora. Dona Drake nem começou a ser desenvolvida e a herança dos DiLaurentis (que muito lhe interessa) desaparecera. O aperto nesse subplot vem de Jason que tem sido bastante mencionado e não é possível que haja tamanho descaso com a irmã. Ok que há motivo, mas, nossa, já deu essa treta também.

 

Para piorar a dor de cabeça², o retorno de Ali ressaltou que só deu as falsiane. Ninguém falou da jaqueta e A.D. teve que tomar partido. Sério, não teve uma que não mentiu esta semana e nada teve a ver com o conflito.

 

Essa amizade começa a me preocupar porque, de novo, o grupo estava completamente desligado. Aria não pensou duas vezes em cair fora quando o mozão ligou e Spencer nem participou do caos como na semana passada. Atitudes singelas que provaram que o desconforto entre elas existe, bem como a falta de comunicação outrora articulada e vívida das temporadas passadas de Pretty Little Liars. Nenhuma ainda está disposta a ouvir A.D., a não ser Emily que não tem nada para fazer.

 

O tenso é que, uma vez que a situação as pegar pelos calcanhares, a guarda de todas estará baixíssima. Quem sabe Fields consiga se provar já que é a única insuportavelmente focada.

 

Mary está me deixando exausta

 

PLL-7x05---Mary

 

Esperei tantos anos para a teoria das gêmeas ganhar vida e ganho isso, Marlene? Sim, é cedo para cobrar, mas o mistério que supostamente essa personagem deveria trazer não está convencendo. Não tanto em comparação ao trabalho em cima de Rollins.

 

Mary sob o teto de Ali me fez lembrar do 5×13. Houve o flashback das gêmeas e comentei que Jessica meio que induzia a própria filha a mentir – basicamente fingir que não viu e inventar algo por cima. A Queen se saiu como uma bela mentirosa e manipuladora de informação por anos, herança que já julgo genética. Drake ainda paga de vítima, jura que tem esse lado retraído e vulnerável, mas sua sombra dá arrepios quando fica na soleira da porta. Queria muito um esclarecimento sobre esse retrocesso, os vestidinhos amarelos e tudo mais. Espero que role.

 

Concordei com Ali sobre meio que engolir a parte de Mary ter sido vítima de Jessica, mas confiar nessa mulher jamais. Porém, tenho que confessar que vê-la pairando sobre a sobrinha deu a impressão de que só estava presente neste episódio para tapar buraco. Talvez, seja a intenção fazê-la quase invisível, mas começa a ficar chatinho.

 

O que fica é que Mary não está sendo desenvolvida e penso que isso será um probleminha. Seguram o mistério dela enquanto a ordem de ação está nas mãos de duas pessoas que não me são atraentes: Jenna e agora Sara. Para fechar, Noel voltou, só sendo bonitão mesmo porque a petulância parece que nunca saiu de moda na vida dele. Não sei vocês, mig@s, mas esses revivals não estão me dando vida e agradeço por Rollins ainda ser lembrado. Que eu saiba, os DiLaurentis são o foco, mas, pelo visto, querem memórias da adolescência perdida.

Aria feat. Ezria

 

PLL-7x05---Ezria

 

As Liars não tiveram tantos desafios esta semana, mas o destaque constante em Aria não tem passado despercebido. Devo dizer que o conjunto da obra estrelando Lucy Hale estava lindo e maravilhoso neste episódio. Não que não estivesse antes, mas parece que a personagem se descobriu adulta agora. Ela ainda estava muito teen pro meu gosto.

 

E devo pensar que isso foi meramente por causa do pedido de casamento. Apostei em Ezria, acertei, não estou surpresa e, sim, estou temerosa. Já disse várias vezes por aqui que não confio no teacher desde que o pior lado dele veio à tona e continuo a não confiar. Claramente Nicole não foi superada e foi muito estranho o personagem prestar uma visitinha aos pais dela. Como também ter um celular com papel de parede junto com a moça. Além disso, ter uma ligação da moça logo para quem ver? A noiva do pedaço. Como confiar no Sr. Fitz desse jeito?

 

Isso pode ser coisa da minha cabeça, não sei, mas Ezra para mim é um completo desequilibrado e a experiência dele nos 5 anos o deixou ainda mais derrubado. A decisão de viver a vida só rolou por causa do conselho dos pais de Nicole e, intimamente, temo muito pela menina Aria. Espero mesmo que não seja uma trollagem maligna porque doerá pacas.

Concluindo

 

Pretty Little Liars - Resenha - Archer

 

Todo mundo deu uma de Caleb esta semana, mentindo à beça, e quero ver a hora da treta.

 

Entramos no arco Mary e estou um pouco decepcionada com a falta de informações sobre essa personagem. Ela apenas rastejou para dentro do seu ninho de interesse para ter pleno controle da vida da sobrinha e ter acesso às Liars. Perfeito, mas quando começa o terror prometido por parte dela? Ficará com essa de passeios e sonequinhas – que nada mais indicam que essa senhora tem se comunicado com alguém e manda a poker face?

 

Confesso que gostei do papel da polícia e depois de muito tempo gosto de um policial. Tanner me irritava, mas a adorava. Penso ser possível sentir o mesmo por Marco porque, ao contrário dos anteriores, não captei a típica malícia e a típica necessidade de forçar as meninas a falar. Independente do sumiço de Rollins não ser associado às Liars ainda, o novato foi light, fez uma abordagem profissional. Se a ideia é fazê-lo duas caras, continuem que tá dando certo.

 

Repito: Jenna sabe demais para quem ficou tanto tempo fora. Surreal ela ter reconhecido Sara pela luvinha e quis “desver” esse momento. Ainda espero que a ligação dessa personagem com Rollins seja linda e maravilhosa. Essa reunião programada com figuras do passado está me parecendo panelaço sobre quem foi vitimizado pelas Liars e pela Ali.

 

Não sei o que dizer sobre Noel. Ele tinha muito peso no passado, teve episódios centrados e haverá outro também em breve. Aqui entra a mesma coisa que disse na semana passada sobre Jenna: trazer personagem em que você tem que rebobinar a história depois de muito tempo cheira a nhaca. Ainda mais esse jovem que contou demais ao longo das temporadas de Pretty Little Liars. Muito mais que a própria Miss Marshall.

 

Bom é que A.D. voltou e isso me satisfez. Se for mesmo Rollins, temos o sinal de que esse cidadão está vivo. Por ter sido enterrado, ele quererá pagar na mesma moeda. Deu até para pensar um pouco mais de que ele é A.D. graças ao bilhete na jaqueta que dizia que não havia evidências.

 

Não aposto nessa ideia. O médico fake pode querer vingança, mas ser Uber-A é too much.


Perguntinhas

 

Quem roubou o dinheiro de Ali? Quem passou no teste pela Emily? O que será cobrado em troca pela Emily? Aria aceitará o pedido de casamento? Mary foi passada pra trás? Por que Rollins pagava MD e JM? O que Sara tá fazendo aí sendo que deveria ter sumido? Tinha alguém espiando Toby do lado de fora? Aonde vamos com essa obra de Shakespeare?

 

É, esta semana não passou de um bombardeamento.

 

PS: Toby me representou tanto, tanto, mas tanto no carão sobre Emily e Aria mexer aonde não deviam. Mil anos depois e elas não aprenderam a não tocar em nada? Péssimo! Que custa elas serem espertinhas e carregarem luvas? Não é tão difícil, né? Só não cutuquei essa situação porque ambas sabem o que houve com Rollins, então, nada a temer.

 

Pretty Little Liars retorna no dia 2 (com boatos de morte).

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3