Menu:
04/ago

Pretty Little Liars retornou com mais informação e deixou a impressão de que nada foi desenvolvido. Não sei exatamente se gostei ou não do que assisti porque começo a ficar um pouco injuriada com as pendências românticas. Motivo? As meninas não pensam em outra coisa a não ser com quem querem ficar sendo que há uma coisinha mais relevante: as carreiras. Não é porque umas estão longe e outras foram demitidas que você anula a única coisa que sinalizava que as Liars migraram para a vida adulta. Tá bizarro demais!

 

E jamais pensei que protegeria Emily esta semana. Pois bem, está protegida e queria acreditar que Marlene e amigos pararão de dar a ela crushes aleatórias. Vão cuidar de Emison se essa é a meta para o series finale.

 

De maneira geral, o episódio foi tranquilo para a quantidade de especulação, independente da morte de Sara. O espação da trama foi usado para girar as Liars rumo aos antigos amores, o que rendeu momentos bem chatinhos. Só não reclamo muito porque fizeram o favor de acrescentar mais incógnitas em meio a essa nova pausa para refletir sobre coisas que nada agregaram na trama (aka os dilemas românticos). O que importou foi o resgate do consagrado mote de Pretty Little Liars que centralizou A.D. e lançou o novo covil. Nesse último quesito, estou satisfeita. Precisava, né?

 

Ainda me vejo chocada com as meninas presas a essa ausência de sincronia e se enganando com esse pânico sobre Rollins estar vivo ou não. Espero que as próximas investidas de A.D. as tirem dessa bolha, pois não tem como a trama inchar uma vez que elas têm segurado firme na poker face. Nem tudo nesta vida é relacionamento amoroso, detalhe que tem deixado de ser natural como antigamente. Parece que Marlene e amigos esqueceram que romance era um plus que agregava na medida do possível em alguma coisa na trama. Bastam ver a falta de necessidade em criar um drama Ezria se já estava na rede a confirmação de que esse babado rolaria.

 

O parecer do relacionamento das Liars está cada vez mais dispensável e tem conquistado o status de encheção de linguiça. Pelo menos, estou aceitando o fato de que as meninas terminarão com seus crushes escolares. Iniciativa que vocês sabem que não tem minha aprovação, mas chegou a hora de se conformar. Até porque as palavras de Hanna neste episódio com relação ao término com Jordan foram claríssimas. O tal meant to be, como se na vida não houvesse opções amorosas a não ser o primeiro amor. Seria mais bonito libertá-las desse peso que intenta meramente agradar o fandom.

 

Pingue-pongue com Jenna Marshall

 

Pretty Little Liars - Jenna

 

Um dos pontos altos da semana pertence à Jenna que estava como no passado: controlando quem considera bicho de estimação. Um posto que já foi de Toby. Ela pode até ter brilhado para cima de Emily, mas deixou o amargo das incoerências sobre sua história com CeCe. Então que você só precisa ler a Wikipédia e chegar junto para forçar uma amizade com quem deseja? Começarei a fazer isso para ver se subo na vida.

 

Essa ideia de dizer que a amizade com CeCe nasceu porque Deus quis não colou comigo não. Marshall foi trollada por A e por Ali, vale o lembrete, e guarda muito rancor. Esse papo de rejeição não cola mais comigo também porque nada justifica a inserção de Rollins nesse rolê – a não ser para garantir o happy ending do casal apaixonado.

 

Sara quem deixou várias pulgas atrás da orelha ao se relevar meio fantoche de Jenna. Meio porque essa personagem nunca fez nada sem intenção. Ela deu a entender que sabia quem é a nova ameaça e não duvido que tenha descoberto boa parte do caminho. Afinal, estamos falando de Red Coat e Black Widow. Com todo esse peso, não acredito em inocência, ainda mais por ter sido praticamente o braço direito de CeCe-A. Não há ingenuidade da parte dessa jovem e isso descredita um pouco o comportamento amedrontado, inclinada a tagarelar uma verdade para Emily. Agora, temos reticências para somar ao impacto de A.D..

 

Fiquei meio passada por Sara ter morrido, mesmo dando graças ao universo. Aos meus olhos, essa personagem não era tão dispensável para fins de trama, embora não tenha rendido nada depois da Dollhouse. Tenso é que ela foi cortada sem que sua trajetória na S6 fosse justificada. A moça conquistara uma storyline para chamar de sua e morreu logo agora? Ok, morte esperada, mas muito prática.

 

Bom é que essas duas incitaram a curiosidade e me pergunto aonde é que Noel se encaixa. O personagem simplesmente fez uma pontinha para deixar a dúvida no ar, já que terá um pouco mais de espaço daqui alguns episódios. Por achar que a história de Jenna não bate, principalmente esse papo de ter encontrado um canto para pertencer, arriscarei em dizer que ainda persiste a sensação de mega plot hole nos últimos 3 anos dela. Não fez sentido a inserção do médico fake em Welby só porque Marshall queria se meter na vida de CeCe. Ser a amiguinha. Nada vem de graça.

 

A reunião de Jenna, Sara e Emily valeu muito pelo curto flashback, mas sabe quando você vê um monte de furo e a confusão é tanta que você não consegue reunir os pontos? Exatamente assim que me sinto e Mary só fez o favor de me deixar ainda mais perdida.

 

No flashback, CeCe diz que quer encontrar a mãe e Mary ressurgiu em Rosewood reivindicando esse posto. Ali terminou o nó ao indagar como CeCe teria usado o Drake sendo que mãe e filha supostamente não se conheciam. Essa discrepância indica o de praxe: alguém está mentindo. Abordagem superválida que serviu para terminar de bugar o cérebro.

 

Rollins e a morte morrida (?)

 

Pretty Little Liars - Archer

 

Insiro o ponto de interrogação porque essa lama ainda está movediça. Afinal, A.D. manja das máscaras que engana (não sei como, né?) todo mundo. Porém, o episódio deu motivo para acreditarmos que esse meliante foi realmente dessa para melhor.

 

Brecha que deu espaço para o que está demorando a acontecer: as Liars serem oficialmente suspeitas pelo “sumiço” de Rollins. Uma demora que chamo de um belo milagre porque esse viés é mais repetitivo que arrumar namorada nova para Emily em toda temporada.

 

Marco me parece decente e senti amor por ele neste episódio. Essa ausência da malícia intitulada “tudo sei sobre as Liars e sei que elas são culpadas” tem sido um frescor maravilhoso para um DP que nunca foi importante para a série. O homem investiga, estipula, analisa e é cauteloso. Isso basta.

 

Os policiais anteriores, e isso inclui Tanner, chegavam sabidos e era irritante (e mais do mesmo). Ao contrário deles, Marco tem tudo para ser um justiceiro bacana. A única coisa que peço – além da possível trairagem para cima do quarteto – é que Spencer não seja usada para dar aval ao ditado de os fins justificam os meios. Já me basta Caleb.

 

Os outros plots

 

Pretty Little Liars - Mary

 

Fato é que essa pegada de vivo ou morto tem trazido um lado que considero inusitado de Mary. E nem deveria considerar nada porque nada tem sido dado sobre a personagem. Essa mulher apareceu aterrorizante no season finale da S6 e agora só tem me arrancado risos. Não entendam isso como uma ironia, mas não aguento olhar para a face dela sem dar uma gargalhadinha. Falsiane!

 

Depois da cena com Ali, só pude ver uma personagem que ainda age como criança. Algo muito semelhante à CeCe que justificou seu jogo por querer a mana só para ela – e a tratou, junto com as meninas, como boneca. Um sério problema psicológico existe, mas duvido muito que explorarão. Nem Mona e Spencer tiveram um diagnóstico decente, né?

 

O medo de Mary por Rollins pareceu acreditável, mas, sei lá, continuo a ter dúvidas. Para quem participou da tramoia de enlouquecer Ali, lidar com um forte temperamento não parece nada. Ainda mais quando o dono desse temperamento “tem” a grana que ela queria.

 

Preciso comentar sobre o comportamento de Ali. Gritei quando ela surgiu com a jaqueta, mas depois fiquei chateada porque nada mudou. Como disse na resenha passada, a dor da personagem sobre o que Rollins provocara será dado e mastigado a cada episódio. Há raiva nessa peneiragem emocional e quero que ela encontre um instante certo para explodir. E isso inclui explodir para cima das Liars que mantiveram o posto de falsianes.

 

Spencer explicando a troca por Hanna, dando de All Lives Matter, foi o cúmulo da hipocrisia. Não esqueceremos que ninguém hesitou na hora de botar Ali nas mãos de A.D..

 

Concluindo

 

Pretty Little Liars - Sara

Tchau, mana!

 

Tirando o draminha no coração das Liars, o episódio venceu pelos mistérios que continuam centralizadinhos. Continuam a usar o tempo de cada semana para dar o necessário, algo excelente porque as informações têm sido pontuais e até que bem sequenciadas. A nova abordagem de A.D. finalmente saiu das sombras e fisgou meu interesse. Agora tem até uma pegada de Pânico com o timbre britânico de Rollins ao telefone e gostei mais que as mensagens.

 

Assim, SMS é da fase juvenil delas e a mensagem de voz ajudou a mudar um pouco a carinha do jogo. Por mais bizarro que seja, trouxe um tom sombrio ao contrário das máscaras que me deixam inconformada. Como é que ninguém nota que o negócio é nojento e fake?

 

O episódio marcou a intenção de assuntos inacabados e quem sofrerá bastante, além de Ali que conquistou mais um trauma, é Hanna. Outra personagem que lidou com muito e que ainda não extravasou. Uma Liar que ao contrário da Queen não enfrentou o tempo e a tortura em cativeiro e penso que nada bom sairá de seu interior uma vez que quebrar. Liberta do noivado fake de Jordan, Marin tem menos uma coisa para se preocupar. Um novo vazio já ocupado por Rollins.

 

A morte de Sara me faz crer que agora as Liars se tocarão que o babado é certo. O tenso é que a falecida afirmou que Jenna e ela buscavam a mesma coisa que o grupinho e penso que não há cúmplices a não ser Marshall. Pergunto-me se a meia-irmã de Toby sairá ilesa das garras de A.D. já que é cúmplice da busca por Rollins/Archer, o que automaticamente lhe dá um alvo nas costas.

 

No fim, A.D. voltou a sambar e reuniu os trâmites que faltavam para enterrar as Liars. Além da morte de Sara, agora tem live do enterro de Rollins. Prova de que ainda consegue nortear as meninas rumo a burradas.

 

PLL SAC

 

Depois de conspirar sobre o que poderia ter rolado com Rollins, me pergunto o que A.D. ainda quer sendo que está ciente de que Ali não matou CeCe. Por que continuar atrás dela? O episódio vendeu perfeitamente que o médico fake está morto, mas o combate que quase custou a vida da Queen pareceu vingança pura. Retaliação.

 

Como e quando Rollins/Archer caiu na de Ali sendo que surgiu no flashback todo caidinho por CeCe?

 

Será que Jenna sabia das falcatruas de Rollins? De Mary? Do temperamento dele? Dos planos que arrematariam em grana dos DiLaurentis?

 

E como Sara foi parar nua na banheira, hum?

 

Será que agora dá para acreditar que a pessoa ultra botará todo mundo para correr como se deve? Talvez. Estava tudo mais ou menos e fico aliviada que esse mais ou menos começa a se dissipar. Tudo em nome da summer finale e os anjos iniciam o cantarolar de um belo amém.

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3