Menu:
15/nov

I didn’t ask for any of this path…

 

Este episódio deixou o objetivo desta temporada final de The Vampire Diaries bem mais claro. Simplesmente porque retornamos ao ponto de atrito que transformou os Salvatore nos famigerados Blood Brothers. Um capítulo essencial para a composição deste universo, mais precisamente escancarado no 1×20. Período em que tínhamos um Stefan entregue à sua sede fora do normal por sangue e descobrimos como ele e o irmão se tornaram vampiros.

 

Em poucas palavras, o ponto onde tudo mudou. Assim, os desdobramentos desta semana resgataram essa problemática que nem deve ser chamada de problemática porque o assunto é mais batido que repetir o nome de Elena. Porém, deu para esquecer disso devido ao paralelo com a história de Sybil que beneficiou bastante a reintrodução dessa storyline. TVD estava tão habituada a tirar as coisas do nada que me sinto no direito de considerar brilhante o retorno do assunto reforçado pela presença não só de uma vilã, como de duas.

 

Sei que não é tão “brilhante”. Porém, e considerando que a série se acostumou a ter atrito e resolução do nada, a preocupação em tornar um assunto tão esquecido importante de novo por meio de um recontar mitológico muito me deixa contente e muito me deixa satisfeita. Afinal, respaldo é tudo. Este episódio fez completo sentido na sua intenção e convenceu de certa forma que a transição é o maior de todos os problemas Defan.

 

Até chegarmos nesse raciocínio, The Vampire Diaries investiu no que eu aguardava ansiosamente: flashbacks. A razão do papo transição ter vindo à tona em nome dos velhos tempos. Nada como aprofundar as raízes de um inimigo/inimiga com aquele retrocesso gostosinho. Toda mudança tem um começo e lá fomos nós nadar em uma mitologia que me deu um pouco mais de força em acreditar que teremos sim uma resposta sobre o que aconteceu com Katherine. Afinal, Arcadius (aka Cade), morto injustamente pelo seu poder psíquico, criou seu próprio inferno para sugar aqueles detentores do “verdadeiro mal”. Uma natureza de verdadeira crueldade, o que resultou na explicação do propósito de Sybil em expurgar esses homens da Terra.

 

Ao longo desse retrocesso, me perguntei seriamente se o foco de Cade era só aniquilar homens, mas daí Georgie morreu e fim. Honestamente, agradeço por ele de fato “não existir” porque tiraria o brilho das mulheres-vilãs e TVD precisa encerrar com a mulherada nos holofotes para compensar o descaso do arco S4-S7.

 

Resenha The Vampire Diaries - Sybil e Selene

 

Graças ao flashback, deu para ver Sybil com clareza e Cade nem chegou perto de ser a causa da sua mudança. Embora o poder psíquico tenha sido ponto em comum, uma herança do nascimento, a personagem mostrou o que a faz tão igual ao um dos Salvatore. No caso, transitar a força. Ela representou o Damon da história, a parte que acabou empurrada para ser um monstro. Afirmação que resgatou o que um dia foi o maior dilema da vida de Stefan: ter forçado o irmão a concluir a transição.

 

O inocente corrompido pelo dito monstro. Ato que mudou duas irmandades. Sybil diante de Stefan serviu para mostrar que uma mágoa que rima com transição forçada pode ser camuflada, mas não esquecida. Sendo que eu mesma já tinha esquecido que isso foi um dilema entre os Salvatore. O flashback foi tão pontual quanto os diálogos intuitivos desses dois personagens que levaram o episódio nas costas. Um papo que rendeu um cruzar de histórias que mostrou o caráter da temporada final da série com critério. É em cima disso que provavelmente haverá o grande divisor de águas.

 

Que sereia Stefan será no final das contas, não é? Esse é o mistério não tão misterioso.

 

O foco do episódio foi resgatar esse tópico, aprofundá-lo novamente, torná-lo importante, e gerar uma comparação sobre o impacto da transição nessas irmandades. Seline fez Sybil comer carne humana sem que essa soubesse. Stefan empurrou uma garota para Damon se alimentar ludibriado pelos poderes iniciais do vampirismo. Seline e Sybil mudaram por condições de sobrevivência e os Salvatore por amor. Além disso, o retrocesso ainda fez o favor de rever os estragos do ponto de vista de Stefan, o personagem-foco que a sereia de nº 1 não escondeu o interesse de arruinar.

 

E, para arruinar, nada como usar o maior peso na consciência desse Salvatore. Afinal, a meta dela é cortar todas as amarras de Damon e o irmão mais novo é o elo faltante. Stefan é o elo que precisa desacreditar. Desacreditando, Defan vai para o espaço. Ou melhor, para o inferno, conforme Sybil largou várias vezes nas entrelinhas.

 

Em duas perspectivas, tivemos o recontar da história de um irmão impedir o outro de morrer porque não suportaria a solidão. Embrenhado a isso, quem Sybil representaria em seu próprio conto. Uma soma de descobertas que voltaram o norte da série para onde tudo começou e mudou – os irmãos vampiros. Para gerar esse revival, era mais que necessário cutucar o caráter de Stefan. De quebra, convencê-lo de que merece o inferno. Pensamentos que reafirmaram os desdobramentos do 1×20, em que esse brother estava disposto a morrer para pagar sua penitência.

 

Mas o que essas sereias querem de maneira geral? Isso é algo que não paro de me perguntar. Só fazer propaganda do inferno? Não sei, mas parece que sim. Independente do episódio ter sido de contrapostos, o que se destacou foi o que parece ser a grande expectativa para o final da série: os Salvatore queimarem no inferno de Cade. Soa justo? Não sei também, mas, considerando que ambos se descaracterizaram com o passar das temporadas, nada mais belo que irem abraçar Katherine seja onde for. Não há mais força em Defan, nem muito menos no resgate de um assunto que morreu lá na S3. Estamos de olho!

 

Resenha The Vampire Diaries - Selene

 

Além de ser um espelho para o 1×20, o episódio foi um tanto quanto esperto em criar uma jogada entre Georgie e Seli
ne. Fiquei confusa e acreditei que a estagiária fosse realmente a irmã maligna considerando o desempenho incógnito dela até o instante que invade a casa de Ric. Já estava me declarando tonta achando que tinha visto demais na promo. Amém que não.

 

Já tinha aceitado dentro de mim que Georgie seria um “novo Matt” e que sua experiência no dito inferno serviria como benefício para a trama. Chateadíssima! A moça era tão cool, uma humana interessada e debochada. Nada insolente como é costumeiro visto que Ric atrai mulherada com codinome cilada. E, ao longo da trama deste episódio, comecei a achar que a mandinga se repetiria e consideraria piadinha maldosa de Williamson. Saudade Isobel!

 

A mudança de Seline contrastou demais no episódio. Aqueles olhos arregalados, socorro! E o papo de canibalismo? A babá fake roubou as atenções sem a menor dificuldade e foi horripilante. Tirem as gêmeas da casa! Repito que o joguinho entre Georgie e ela me deixou com a cara no chão e quero mais sanguinolência. E, claro, entender porque Sybil não a quer por perto (além do óbvio que vimos no transcorrer do flashback). Porque até então não faz sentido visto que ela não deixou a informação na mente de Stefan. O povo sairá correndo atrás de Georgie que está é bem morta. Qual é o babado? Quero saber!

 

Fato é que Seline ganhou meu amor na hora. Mais assustadora que Sybil que joga no charme. Espero que não me decepcionem, muito embora tenha coletado um ponto negativo nesse rolê todo. As sereias me saíram como submissas de um homem – que não existe. Podia ser uma mulher também por que não? Não me afundarei nesse aspecto porque me estressarei e prometi me estressar menos possível com TVD. Então, darei valor a inserção da maldade de Seline e espero que desenvolvam isso com decência.

 

An Eternity of Misery

 

Resenha The Vampire Diaries - Stefan

 

Mesmo na morte, seu coração é puro

 

Como disse na abertura desta resenha, o episódio fez um paralelo com 1×20 (foto acima) que narrou a transição dos Salvatore ao vampirismo. Da mesma forma que o mencionado foi um grande momento de Stefan por ele espiralar na culpa pelo que fez com Damon e pelas pessoas que matou, este também foi, resgatando o mesmo assunto a fim de acarretar um novo viés de reflexão.

 

Lá no passado, o que Stefan fez com Damon recebeu a explicação de ser a dor que ficou com ele o tempo inteiro e que costumava ser acalmada com sangue. Daí, o personagem abaixou a bola e voltou pela Elena. Dessa vez, não havia nenhum desses fatores mencionados, afinal, essa pauta foi há tanto tempo esquecida que nem o Salvatore em destaque estava abalado o bastante para levá-la a sério. De início, o assunto pareceu aleatório demais e só tenho ao flashback de Sybil para agradecer.

 

Por mais que tenham soado como histórias parecidas, houve discrepâncias que felizmente não afetaram na proposta. A começar pelo fato de que as sereias foram salvas por Arcadius e não precisaram passar por nenhuma transição. Elas já tinham seus poderes. O canibalismo se saiu como o peso gigantesco de mudança. Ao contrário dos Salvatore em que Katherine queria os dois, os fez ingerir sangue e ambos morreram na tentativa de salvá-la. A raiva dos irmãos foi justificada por Damon não engolir que a mulher que amou também queria Stefan.

 

O flashback amarrou esse capítulo crucial dos Salvatore junto à indagação irônica, mas pertinente, de Sybil sobre qual sereia seria o spirit animal de Stefan. Tivemos o peso da carne humana que Seline deu “a força” contra o sangue que Damon ingeriu “a força”. A semelhança é que esses dois estavam destemidos a morrer e foram impedidos. Era claro que Stefan seria Seline por causa da mudança “forçada” de um parente, mas meio drástico colocar esses personagens em pé de igualdade. Afinal, mesmo com seus podres, o Salvatore em questão mudou com o passar dos anos e voltamos na questão de que ele tem o coração puro, a sua maldição no vampirismo.

 

Algo que Emily lhe disse no 1×20 e que se saiu como uma verdade que não influenciará em nada se o fim de Stefan também for o inferno. Afinal, Sybil deixou claro que ele é tão podre quanto Damon ao ponto de cutucar seu lado estripador. Por isso ficou mais forte a sensação de que o fim dos Salvatore é no inferno.

 

Mas e onde entra esse anos de miséria? Penso que no inferno, mas o episódio rodou, rodou e rodou e não discutiu esse gelo antigo entre os Salvatore. Algo que penso que rolará no futuro. Pensando no 1×20, acredito que o dilema a partir de agora será que um não deixou o outro partir. Uma dificuldade Defan desde a temporada passada. Principalmente da parte de Stefan que continua nessa missão chata de salvar Damon como se tivesse só nascido para isso – e o mesmo se aplica a Seline que, apesar de ser “odiada”, Sybil sabe que ela não mensurará esforços para salvá-la.

 

Pode ser que esse foco chatíssimo de Stefan em salvar Damon seja justificado pela culpa da transição e que recebeu reforço com o background das sereias. O nó de um problema das antigas, pico do conflito que fez TVD, TVD, que pelo visto querem resolver.

 

Está certo que Damon continuou andarilho e impiedoso, e a única explicação dada para tal comportamento é que ele acredita no inferno. Será por que ele ainda vê seu vampirismo como problema? Pode ser e é quando há um incômodo porque esse assunto simplesmente parou de existir quando esse cidadão estava com Elena.

 

Não tiro os méritos da diminuição do foco em Elena nesta season, muito embora sua lembrança esteja fortíssima. Os Salvatore estão voltando para o começo de suas histórias, em um período em que Gilbert não era o atrito. Pode ser garantias para a ausência de Nina, mas fica difícil se comprometer ao proposto quando esse proposto parou de atormentar Defan. Por isso que repito que parei de resmungar. Se a ideia é resgatar os blood brothers que façam da melhor forma possível. Sei que farão por motivos de Kevin que sempre entendeu a complexidade dos irmãos mais que a própria Plec. Contudo, é inegável aquela sensação de não tem mais o que contar, então, temos que fazer uma repescagem para finalizarmos com certo sentido.

 

A grande questão que o episódio demarcou também é que mesmo sendo bom, Stefan tem marcas demais, como seu período de estripador. Ele é um homem podre digno do inferno de Cade tão quanto Damon. Mas como lidar se Stefan fez mais coisa boa que Damon? Não falamos de redenção? Podemos crer que os Salvatore morrerão?

 

A promo do 8×05 me deixou encucada na parte de que não há mais nada para viver. Deveria concordar? Não sei porque tudo deles girou em torno de Elena e não tem mais Elena. Não tem como dividir Elena para os dois bem como não tem como Elena perdoar Damon pelo que ocorreu com Tyler e o que quase aconteceu com o pai de Matt. Ambos estão sem saída se as sereias tomarem todo o poder de trama.

 

Fato é que esse recontar da história da sereia não mostrou luz, mas fim de jornada. Pelo episódio também ter reforçado o interesse de como salvar Damon, o resultado soou sem saída. Quadro que piora porque as memórias mais marcantes da vida desse Salvatore, e que o moveram positivamente, foram alteradas. Assim, o foco em Stefan se torna mais claro: Sybil tem que convencê-lo de que ele merece o inferno também. Foi o que basicamente aconteceu neste episódio. Mas por quê? A mando de Katherine? Já pensaram que sucesso? Riria horrores!

 

Poderia dizer que esse papo de transição é aleatório a uma altura dessas, mas o cutucão foi dado no 8×01. Ponto de reintrodução ao dilema que marcou fins da S1. Damon tacou do nada que não perdoou Stefan pela transformação. E Stefan voltou para casa aos prantos. A trama da semana quis garantir que ainda há o que explorar nesse viés. Que ainda há sangue coagulado. Penso que não botaram Stefan no patamar de Seline à toa, especialmente porque ambos se assemelham por terem tomado decisões que não lhes cabiam. Porque “podemos fazer isso juntos”.

 

Lá atrás, assim que transitou, Damon simulou que estava bem com o “novo mundo”. Um “novo mundo” que faz jus ao que ele tem vivido desde que se tornara soldado de Sybil. O cara não está feliz, culpou Stefan no início desta temporada, mas como corrigir o incorrigível?

 

Mesmo que empolgue, não tem como mentir sobre o quanto esse viés é mais desgastado que repetir Elena como desculpa. Contudo, considerando que a presença de Nina ainda é uma incógnita, trabalhar essa ferida é a única coisa que resta de atrito. Se pensarmos bem, o que mais poderia impactar os Salvatore além do fato de que são vampiros? Ambos contemplaram o desejo de voltar a ser humanos por temporadas. A cura maior prova.

 

Sem um triângulo, a treta tem que ser particular. A transição é particular mesmo que seja um conflito que não choca como antigamente. Talvez, choque na finalização.

 

Concluindo

 

Resenha The Vampire Diaries - Sybil e Stefan

 

Cada vez mais próximos do fim, deu a entender que esta temporada intenta um arremate sobre esse erro iniciado por Katherine a fim de dar finalmente uma resolução aos Salvatore. Um fim que, possivelmente, será o inferno. Tudo ótimo, mas, não sei vocês, ainda sinto falta de um grande por quê. A mitologia esclareceu as origens das sereias, criou ponto de similaridade com os irmãos, mas e aí? Só terá o inferno? Capaz que sim porque o tempo é curto.

 

Honestamente, não sei o que esperar desse inferno, mas sei que nesse inferno tem Katherine. Deu-me cócegas no coração ver que é possível termos uma explicação sobre uma conclusão de storyline medíocre demais. Quando Georgie foi sugada para cima, o grito que eu dei deixaria Inês Brasil com inveja. Quero muito!

 

Além dessa curiosidade, quero mais detalhes desse ultimato de Sybil sobre a existência dos Salvatore, o que me faz pensar na tese de que os dois terminarão abraçados com seu first love. Queria muito esse final, true.

 

Antes de sair, não posso deixar de falar de Matt. Não aguento mais vê-lo sofrer! Da sequência “quero muito acreditar”, quero muito acreditar que dessa vez ele terá alguma importância. Kevin sempre deu um jeito de torná-lo relevante, então, conto com você tio. Nossa, me rasgou a cena dele vendo Tyler e o pai abraçando o bebezão. Se Damon for perdoado por isso, sabemos que o mundo está perdido até na ficção.

 

Agora, perguntas: o que é aquela bola de sinuca que Damon encontrou? Que Pokémon sairá dele? Ric estava na Armory e parou em Mystic Falls, oi? Ainda mantenho o gosto pela ideia de expurgação, mas isso não deletaria os habitantes que restam na cidadezinha sobrenatural? E tem parente Donovan que manja de verbena, então, posso crer em ligação com Bonnie?

 

Gente, Bonnie precisa ter seus poderes de volta, não aguento mais esperar, chama essas gêmeas para darem apoio moral!

Stefs
Postado por:       

       
Aproveite para ler também
Escreva seu comentário antes de ir <3
  • Estou em desespero com essa Selene a.k.a. babá das bruxinhas gemini. Não paro de me perguntar o que ela está armando para elas.

    Vou nem me dar o trabalho de dizer o quanto foi maravilhoso os momentos Sybil vs. Stefan porque você já expressou isso por mim. Mas eu tenho que dizer que estou ansioso para ver o desenrolar desses dois porque se entendi direito, o interesse dela não é no Damon e sim nele já que ele é quem sofre e sente as dores da série.

    Apesar que, olhando pelo lado que os dois merecem o inferno de Cade, creio que nenhum dos dois fiquem por lá. Algo tipo, o Stefan indo e o Damon o salvando como forma de compensar todas as vezes que o Stefan fez isso por ele.

    Minha cabeça só consegue criar hipóteses pensando no final de toda a série. Depois de tanto temo é até difícil de acreditar. Quero um resumão (tipo um especial) no final com os melhores e piores momentos de toda esta trajetória e os acontecimentos que fazem a série valer a pena e os que nos fazem pensar duas vezes. Aaaaaaaah vai ser demais!

    O que será aquela bola? Sinto um babado fortíssimo nela.

    Não sei o que me deixa mais arrepiado: Bonnie com seus poderes de volta ou as gêmeas batalhando com seus poderes.

    Agora, só preciso que a legenda do 8×05 saia para que eu possa continuar na contagem regressiva. Até a próxima resenha, xoxo.

  • rayanne

    kkkkkkkkkkkkkkkkkk socorrooo que eu tô mais perdida que cego em tiroteio. Quer dizer que são duas sereias? Gente, que loucura!

    Coitado do Tyler e de todo o potencial perdido com os lobos. Coitado do Matt, que tem que ver todo mundo morrer ou ir embora e só ele ficar nesta cidade inútil.

    Sinceramente não entendo porque esse papo de transição ainda é abordado. Tipo, lembro-me que o Damon bebia sangue da Kath por vontade própria. Tudo bem que o Stefan o forçou a completar a transição, mas para mim sempre pareceu que o Damon chorava porque a Kath tinha transformado o Stefan também e só. Não havia motivos mais profundos para tanta birra do que este. Não sei porque ainda insistem em Defan, não há mais liga neste relacionamento que sempre aparentou ser unilateral. É tarde demais para consertar tanto estrago.

    Imagine a cena: Os Salvatores morrem e vão para o inferno, lá são recebidos pela diva Kath. Nossa Vambitch, sexy como sempre e muito bem vestida, dá uma piscadela para os dois e pergunta: “Sentiram minha falta?” OMG vou gritar como louca em casa O/ https://uploads.disquscdn.com/images/2cf3fe1199398b1146370a8ccd72c591533f311516fdccbd7308324662f44866.jpg

    • Seria meu sonho? AAAAAAAAAAAAH

      • rayanne

        Sonho de uma boa parte do fandom kkkkkkkkk

  • Jéssica Simões

    Que analise maravilhosa e observando o lado finale da Série, destino parece obscuro para os Salvatores. Não aguento mais ver Stefan correr atrás de Damon e nesse ponto a explicação que você deu pareceu certa. A culpa